Caicó: Diretora do Hospital Regional, confirma falta de dipirona, furosemida e outros insumos

Luciana Kadidja diretora do Hospital Regional de Caicó – (Foto: Sidney Silva)

A diretora do Hospital Regional de Caicó, Luciana Kadidja, confirmou ao Blog Sidney Silva que realmente a unidade está sem alguns insumos e alguns são medicações, como dipirona e furosemida, que não vão chegar pois o órgão que repassa já comunicou que não tem disponibilidade. “Esses dois medicamentos, que são muito importantes, estão faltando, além de outros insumos, mas, nada que possa inviabilizar o funcionamento da unidade”, disse.

Com relação ao pagamento por parte do Município dos plantões referentes ao mês de dezembro, a diretora afirmou que recebeu informações de que “por causa do carnaval, houve o atraso, mas, nas próximas horas, o dinheiro deve estar nas contas“.

O Blog perguntou ainda sobre a possibilidade de paralisação por parte dos profissionais da unidade, e ela disse que não tinha sido informada.



Com falta de insumos, Hospital Regional de Caicó pode parar atendimentos

Hospital Regional mais uma vez passa por falta de insumos

O Hospital Regional do Seridó em Caicó, poderá parar os atendimentos nos próximos dias por causa da falta de insumos básicos para que a unidade de saúde funcione.

De acordo com relatos de uma fonte que pediu anonimato, faltam medicamentos básicos e os mais complexos em todos os setores. Pra acabar de completar, além de o Estado não ter pago o décimo terceiro aos servidores, a Prefeitura de Caicó, não fez o repasse do pagamento dos plantões de Dezembro de 2017. A informação que chega é que houve um problema nas contas. “Inicialmente, era pra sair na segunda passada, depois na terça, na quarta e ainda hoje (sexta-feira) não houve o repasse“, relatou.

A fonte também diz que é possível que os médicos parem suas atividades. “A anestesia, se não parou deve parar nas próximas horas. Existem rumores de que os médicos da UTI, Centro Cirúrgico, Urgência, Enfermaria e de outros setores, também vão parar“, contou a fonte.



Pesquisa indica que consumidores esperam inflação de 5,4% nos próximos 12 meses

Pesquisa indica que consumidores esperam inflação de 5,4% nos próximos 12 meses

A expectativa média dos consumidores brasileiros para a inflação nos próximos 12 meses ficou em 5,4% neste mês de fevereiro. Na comparação com o mesmo mês do ano passado, houve um recuo de 1,9 ponto percentual, já que naquela época a inflação esperada era de 7,8%. A informação foi divulgada pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) nesta quinta-feira (22).

A Sondagem do Consumidor da FGV coleta, mensalmente, informações de mais de 2.100 brasileiros em sete das principais capitais brasileiras: Porto Alegre, São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Salvador, Brasília e Recife.

De acordo com a FGV, a expectativa desses consumidores mantém-se na faixa dos 5%, mesmo com a inflação oficial do país tendo ficado em 2,95% em 2017. A expectativa do mercado para 2018 é atualmente inferior a 4%.

Na maior parte das faixas de renda, a expectativa ficou relativamente estável, exceto para as famílias com renda entre R$ 2.100,01 e R$ 4.800,00. Para esse grupo, a inflação prevista recuou 0,3 ponto para 5,8%, o menor nível desde abril de 2008 (5,5%).

Para mais informações sobre o estudo, acesse portalibre.fgv.br



Câmara deixa de votar MP que poderia melhorar infraestrutura de seis rodovias federais

Votação para melhorias de BRs ficou pra depois – (Foto: Jorge Woll/DER)

Uma medida provisória que poderia trazer mais infraestrutura para as rodovias brasileiras deixou de ser votada por deputados nesta quarta (21). Em sessão tumultuada no Plenário da Câmara Federal, partidos de oposição e da base governista embarreiraram a votação e não autorizaram que a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) aumentasse o prazo das concessionárias de rodovias federais para a execução de investimentos previstos em contrato. Com isso, a Medida Provisória 800, de 2017, perderá a validade na próxima segunda-feira (26).

Continue lendo



Supremo marca para 22 de março julgamento sobre farra do auxílio-moradia

Agora tem data. Em 22 de março, o Supremo Tribunal Federal deverá julgar a polêmica que hoje tem marcado o judiciário: o pagamento do auxílio-moradia a juízes brasileiros. O benefício de R$ 4.378 deveria servir como uma ajuda de custo a magistrados que, por necessidade de transferência, não têm casa própria na cidade onde trabalham. Acabou, porém, virando um complemento salarial garantido, inclusive, a quem tem imóvel em seu nome a poucos quilômetros do trabalho. Ou seja, não paga aluguel, mas recebe a ajuda de custo.

Continue lendo



Clientes do Banco do Brasil poderão usar Facebook para fazer transações bancárias

Clientes do Banco do Brasil poderão usar Facebook para fazer transações bancárias

Uma nova funcionalidade do Banco do Brasil pode facilitar a vida daqueles que não tem tempo para comparecer a uma agência física. O banco anunciou nesta quinta (22) que os clientes poderão fazer transações bancárias diretamente pelo Messenger, aplicativo de mensagens do Facebook. A novidade é que não será preciso utilizar o serviço de internet banking ou o aplicativo do banco.

Segundo o BB, a troca de informações nas interações com os clientes são criptografadas de ponta a ponta, o que garante mais segurança. A ferramenta será iniciada com um projeto-piloto com cerca de mil clientes e um grupo de funcionários do banco. Inicialmente, estão disponíveis consulta de extrato da conta-corrente e informações sobre cartão de crédito como fatura, solicitação de segunda via e liberação de uso.

Nos próximos dias, as consultas de saldo e extrato da poupança, assim como o extrato de fundos de investimento, também estarão disponíveis pelo atendimento no Messenger. Após a fase de testes, o serviço será ampliado para todos os clientes.

O atendimento na nova plataforma será feito por meio do assistente virtual do banco, que já funciona para tirar dúvidas de clientes por meio de chat no Messenger do Facebook combinada com o Watson, a plataforma de inteligência artificial para negócios da IBM.