Operação do MPRN e da PM combate homicídios e tráfico de drogas em Baía Formosa

Operação do Gaeco

Ao todo, estão sendo cumpridos 10 mandados de busca e apreensão. Número de assassinatos cresceu 66,7% na cidade em um ano

O Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN), com apoio das Polícias Civil e Militar, deflagrou nesta sexta-feira (21) uma operação para combater os crimes de homicídio e tráfico de drogas em Baía Formosa. Ao todo, estão sendo cumpridos 10 mandados de busca e apreensão na operação Agreste Seguro. Na ação, foram apreendidos maconha, crack, duas espingardas calibre 12, um revólver, munição e dinheiro.

O objetivo é levantar dados que auxiliem na redução da criminalidade no município. Segundo levantamento do MPRN e da Ong Observatório da Violência, a quantidade de assassinatos cresceu 66,7% na região entre 2017 e este ano, saltando de 21 para 35 registros até o momento.

Um dos principais responsáveis por esse aumento foi identificado nas investigações. Ele estava cumprindo pena em uma unidade prisional da Paraíba, de onde ordenava os crimes por telefone celular. O MPRN conseguiu que a Justiça o recambiasse para a penitenciária de Alcaçuz, onde não tem mais acesso à comunicação com por celular.

A operação Agreste Seguro conta com 100 homens da Polícia Militar e da Polícia Civil.



Operação conjunta do MPRN e PM apreende drogas e armas em Angicos

Operação aconteceu na cidade de Angicos

Ação foi deflagrada nesta sexta-feira (21). Suspeito fez apologia ao crime em rede social

Uma operação conjunta do Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN) e da Polícia Militar cumpriu seis mandados de busca e apreensão nesta sexta-feira (21) em Angicos. Os alvos dos mandados da operação lei e Ordem são suspeitos de envolvimento com tráfico de drogas e porte ilegal de arma de fogo.

Durante o cumprimento dos mandados, foram apreendidos um revólver calibre 38, um simulacro de fuzil, cerca de 1 quilo de maconha e quatro motocicletas.

A operação Lei e Ordem é fruto de um trabalho investigativo realizado pelo MPRN. Esse trabalho foi iniciado após ser percebido um aumento significativo de crimes contra o patrimônio e tráfico de drogas na cidade.

Um dos alvos chegava a usar o perfil dele em uma rede social para fazer apologia à violência, ao porte de armas e à associação criminosa. Todo o material apreendido será usado na apuração de crimes.