Maior associação de serviços funerários do mundo premia Morada da Paz pela 3ª vez consecutiva

Prêmio reafirma excelência na prestação de serviços da marca do Grupo Vila, que conta com três cemitérios no Rio Grande do Norte e um em Pernambuco, além de um complexo funerário na Paraíba

O Morada da Paz, marca pertencente ao Grupo Vila que está presente nos estados do Rio Grande do Norte, Pernambuco e Paraíba

O Morada da Paz, marca pertencente ao Grupo Vila que está presente nos estados do Rio Grande do Norte, Pernambuco e Paraíba, conquista pela terceira vez consecutiva o prêmio internacional Pursuit of Excellence Award 2019 por perseguir a excelência no serviço funerário, com total aderência aos padrões éticos e profissionais rigorosos, com visão no atendimento de forma excepcional as famílias enlutadas e a comunidade. A premiação será entregue aos vencedores durante a cerimônia All-Star Recognition, na Convenção & Expo Internacional da National Funeral Directors Association (NFDA), em novembro.

Ao todo, 284 empresas do segmento de todo o mundo foram contempladas, sendo apenas duas brasileiras. De acordo com o diretor do Grupo, Ibsen Vila, a premiação reafirma a referência da marca Morada da Paz no Nordeste brasileiro. “Há 70 anos, nossa missão no Grupo Vila é valorizar as pessoas. Por isso, o reconhecimento faz com que possamos continuar prestando um atendimento de excelente aos nossos clientes e colaboradores”, afirma.

A qualidade dos serviços ofertados é uma das principais áreas avaliadas no prêmio. Para Emerson Silva, gerente do setor de Gestão de Qualidade do Grupo Vila, o reconhecimento da NFDA é resultado dos esforços daqueles que estão no dia-a-dia do Morada da Paz. “A nossa gratidão é para os nossos colaboradores que se dedicaram com muito carinho, comprometimento e paixão neste projeto tão importante para todos nós”, diz.

Dentre os requisitos necessários para que a marca recebesse o prêmio internacional em excelência, está o cumprimento dos regulamentos nas esferas estadual e federal, a valorização dos colaboradores através da educação, desenvolvimento pessoal e profissional, o atendimento focado na excelência através de programas e recursos para o acolhimento e amparo às famílias desamparadas, o contínuo vínculo com a comunidade através de ações sociais, a participação no mercado aderindo às práticas éticas, além da demonstração na gestão da imagem da empresa perante seus clientes e comunidade.

Sobre o Morada da Paz

Há quase três décadas no mercado com três unidades em solo potiguar, uma no Pernambuco e outra na Paraíba, o Morada da Paz acolhe a família quando ela mais precisa, fazendo com que se sinta respaldada no momento da perda de um ente querido. Entre os serviços oferecidos, estão orientação sobre a parte burocrática; traslado; venda de jazigos; preparação de todo o velório, seja por meio de um sepultamento ou da cremação; grupo de apoio para superação do luto; floricultura online; obituário online com localizador de jazigo e velório virtual.

O Morada também incentiva a cultura por meio de patrocínio de iniciativas que contribuem para perpetuar a arte, preservar a história de pessoas e promover o resgate da memória de personalidades importantes para a história, com o projeto Morada da Memória. Este ano, por exemplo, a marca patrocina o projeto que desenvolve a biografia de Nísia Floresta, primeira educadora feminista do Brasil.



“Dom Helder Câmara e o papa Francisco”, por Dom Antônio Carlos

Dom Helder Câmara e Papa Francisco

Por Dom Antônio Carlos Cruz Santos, MSC – Bispo de Caicó/RN e vice-presidente do Regional Nordeste II da CNBB

Na festa de Santa Mônica, dia 27 de agosto deste ano, celebramos 20 anos do falecimento de dom Helder Câmara, 13  anos de dom Luciano Mendes de Almeida e dois anos de dom José Maria Pires. Parece que a mãe de santo Agostinho, o bispo de Hipona, tem uma predileção pelos bispos proféticos brasileiros.

Imagino a alegria de dom Helder se conhecesse o pontificado do papa Francisco, pois sentiria confirmado nos seus sonhos, que na verdade são sonhos de Deus. Por outro lado, em contextos diferentes, dom Helder antecipou muitas coisas que o Espírito hoje sopra pela boca do papa Francisco.

Como jovem, na década de 1980, bebi e vivi de tudo aquilo que se vivia na sociedade e na Igreja naquele período: o início do pontificado de um papa não italiano, pois o último tinha sido o holandês Adriano VI, falecido em 1522. João Paulo II, um polonês cheio de carisma e com uma capacidade enorme de se comunicar com os jovens (1978);  as conclusões da Conferência Episcopal Latino-americana e Caribenha em Puebla, e a opção preferencial pelos pobres e pelos jovens (1979), a primeira vinda de um papa ao nosso país, o país com o maior número de católicos do mundo (1980), a abertura política com as Diretas Já (1984) etc.

Nesse cenário destacava-se o nosso dom Helder com uma mistura de pastor, profeta e poeta. Líamos os seus livros, as suas poesias e comíamos os seus gestos, apesar da censura que tentava velar a sua transparência. Como diz nosso povo, tentavam tapar o sol com a peneira. Os raios sempre vazavam para fora da peneira da repressão e das instituições. Só o vi pessoalmente uma única vez, na Quinta da Boa Vista, no Rio de Janeiro, em 1985, por ocasião do Ano Internacional da Juventude, na execução da Sinfonia dos Mundos. Era apenas um pontinho branco de braços abertos no palco, regendo uma multidão, enquanto o maestro Isaac Karabtchevsky regia a orquestra do Projeto Aquarius, tendo Fafá de Belém como uma das solistas. Até hoje guardo essa imagem impregnada no coração.

O que há em comum entre esses dois profetas, entre dom Helder e o papa Francisco? Poderíamos citar inúmeros exemplos, porém apenas destacarei três aspectos fundamentais desses dois homens de Deus, o Dom da Paz e o Papa da Misericórdia.

Uma Igreja em saída (Uma Igreja ao encontro dos pobres): O papa Francisco no nº 24 da Exortação Apostólica Evangelii gaudium (A alegria do Evangelho) nos mostra que “a Igreja ‘em saída’ é a comunidade de discípulos missionários que ‘primeireiam’, que se envolvem, que acompanham, que frutificam e festejam”. A comunidade missionária experimenta que o Senhor tomou a iniciativa, precedeu-a no amor, e, por isso, ela sabe ir à frente, sabe tomar a iniciativa sem medo, ir ao encontro, procurar os afastados e chegar às encruzilhadas dos caminhos para convidar os excluídos”. Dom Helder fez isso com maestria. Os pobres como presença real do Senhor estavam sempre diante dos seus olhos: “Há a Eucaristia do Santo Sacramento: a presença viva do Cristo sob as aparências do pão e do vinho. E há uma outra Eucaristia, a Eucaristia do pobre: aparência de miséria? Realidade do Cristo!

A Igreja: o profetismo do nosso papa não é somente para fora, mas para dentro, de onde recebe tantas críticas. Denuncia a tentação de uma Igreja autorreferente que anuncia a si mesma e não ao Senhor Jesus. Alerta para o risco de uma Igreja que vive na mundanidade, na medida em que “faz as coisas de Deus”, porém nem sempre movida pelo Espírito de Deus. Uma Igreja que não consegue construir pontes com outras expressões religiosas. Dom Helder dizia: “Se eu não me engano, nós, os homens de Igreja, deveríamos realizar dentro da Igreja as mudanças que nós exigimos da sociedade”. Também dirá o nosso bom bispo: “A Igreja não é sempre tão bela, tão pura, tão corajosa e sincera como ela deveria, e mesmo como ela o quereria ser”. Enfaticamente, a favor do ecumenismo, bradará: “Jesus disse que ele é a porta do aprisco, do redil. Então, por que temos tantas vezes a tentação de sermos nós mesmos a porta?… É necessário que se passe através de nossa porta, de nossas definições, de nossas linguagens! Mas não! O Cristo basta! Basta uma porta, O Cristo!”.

A paz: O papa Francisco na sua mensagem para o 50º Dia Mundial da Paz, celebrado em 1º de janeiro de 2017, apresenta a não violência como um estilo de uma política para a paz. Portanto, nos dirá no nº 5: “A construção da paz por meio da não violência ativa é um elemento necessário e coerente com os esforços contínuos da Igreja para limitar o uso da força através das normas morais, mediante a sua participação nos trabalhos das instituições internacionais e graças à competente contribuição de muitos cristãos para a elaboração da legislação a todos os níveis. O próprio Jesus nos oferece um “manual” desta estratégia de construção da paz no chamado Sermão da Montanha. As oito bem-aventuranças (cf. Mateus 5, 3-10) traçam o perfil da pessoa que podemos definir feliz, boa e autêntica. Felizes os mansos – diz Jesus –, os misericordiosos, os pacificadores, os puros de coração, os que têm fome e sede de justiça”. Dom Helder vestiu essa camisa da não violência e a viveu até o fim, por razões evangélicas e estratégicas, porém seu pacifismo não era passivismo, era uma pressão moral libertadora. “A não violência não é de forma alguma uma escolha de fraqueza e da passividade. É crer na força da verdade, da justiça e do amor do que nas forças das guerras, das armas e do ódio”. “Eu não gosto muito da palavra não violência. Prefiro mil vezes a expressão de Roger Schutz: A violência dos pacíficos”. Ele mesmo carregava essa violência dos pacíficos como um modo de viver: “Chegando ao fim da minha vida, eu vejo que o mais belo presente que Deus me fez é o de permitir que jamais o ódio ou o rancor tomasse lugar no meu coração”.

Que nesses tempos de intolerância, de violências físicas e verbais, sobretudo com os mais excluídos, cercados por uma nuvem de testemunhas (dom Helder, dom José Maria Pires etc) e tendo os olhos fixos em Jesus (Cf. Hb 12,1-3) possamos rezar como dom Luciano Mendes: “Senhor Jesus, não vos pedimos que nos livreis das provações, mas que concedais a força do vosso Espírito para superá-las em bem da Igreja. A certeza do vosso amor nos renova cada dia. A alegria de servir aos irmãos é nossa melhor recompensa. Ensinai-nos, a exemplo de nossa Mãe, a repetir sempre “sim” no cumprimento da vontade do Pai. Amém!