“A situação é grave e tende a piorar se não voltar a chover”, diz diretor da ANA

Diretor da ANA Paulo Varela disse que a situação do Coremas pode piorar - (FOTO: Sidney Silva)
Diretor da ANA Paulo Varela disse que a situação do Coremas pode piorar – (FOTO: Sidney Silva)

O açude Coremas, localizado na cidade de mesmo nome no estado da Paraíba, passa por situação difícil com relação a quantidade de água acumulada. Atualmente, segundo dados da Agência Executiva de Gestão das Águas – Aesa, que monitora os reservatório, o açude está com com 9,1%, o equivalente a 53 milhões, 822 mil e 930 metros cúbicos de água. Quando o reservatório está cheio, ele acumula, mais de meio milhão de metros cúbicos (591.646.222 m³/água).

O diretor da Agência Nacional de Águas – ANA, Paulo Varela, disse ao repórter Sidney Silva, que “a situação é grave e tende a piorar se não voltar a chover no semiárido nordestino nos próximos meses e, se o fenômeno El Niño, não enfraquecer como se espera. Se tivermos chuvas a baixo do normal, a situação do Baixo Piranhas, vai ficar complicada“.

O dirigente voltou a pedir que a população, tanto do estado da Paraíba, como a vive no Rio Grande do Norte, que é beneficiada com as águas do reservatório, que economize ao máximo. “É preciso usar essa água, realmente, com muita parcimônia“.

A situação abaixo da Armando Ribeiro Gonçalves, também exige um esforço, mas, segundo Paulo Varela, está equacionada. “Nós precisamos fazer com que a água da barragem, chegue até janeiro de 2017. Claro que existiu uma redução muito grande dos usos, mas, é possível ainda continuar com isso, mas, o trecho que Jardim e Caicó, realmente, esse preocupa bastante. A população precisa se conscientizar da necessidade de economizar a pouca água que temos. É preciso economizar, porque, a água que temos realmente não será suficiente para chegarmos ao final do ano se não houver recarga e é preciso um esforço adicional de cada um de nós“, disse.

Uma das coisas que preocupa os dirigentes dos órgãos gestores de água é o fato de a válvula localizada na comporta de Coremas ainda estar quebrada. Ao longo dos meses passados, o equipamento ainda não foi concertado. Isso faz com que a água do reservatório saia sem controle para ser lançada no leito do rio. “Nós temos um problema adicional em Coremas, a válvula está travada e a gente não tem muito como operar aquele açude. Ainda na semana passada eu estive lá na Chesf e existe um compromisso deles de fazer uma licitação emergencial para que o mais rápido possível, possamos controlar aquela água. Na maioria do tempo, a gente precisou de toda a água que se pode tirar, mas, agora, por exemplo, na época de chuvas, nós poderíamos ter economizado alguns metros cúbicos de água e não foi possível porque nós não tínhamos como operar aquela válvula“, afirmou.