Caicó: Empresários veem oportunidade de economia durante crise energética

Reunião no auditório do Sebrae lança projeto
Reunião no auditório do Sebrae lança projeto – (FOTO: Melina Soares)

Por Diego Vale (Agência Referência) – As usinas hidrelétricas são responsáveis pela geração de mais de 81,9% da eletricidade no Brasil. Considerada uma energia não poluente e renovável, a matriz hidrelétrica não depende da queima de quaisquer tipos de gases e matérias de partículas, sem criar poluição do ar. A falta de chuva e a diminuição da vazão dos reservatórios de diversas regiões, porém, tem ocasionado o aumento da “conta de luz” dos brasileiros, tendo em vista a necessidade de utilização de outras matrizes energéticas para suprir a demanda do fornecimento.

O gerente da Unidade de Inovação e Tecnologia do Sebrae no Rio Grande do Norte, João Bosco Cabral Freire, acredita que se não economizar, pode faltar água e energia, já que a escassez de água reflete diretamente no custo da produção de energia. “A economia de energia é fundamental para evitar o duplo apagão”, observou João Bosco, durante o lançamento, em Caicó, do Programa de Eficiência Energética Ligado na Economia.

Ao debater com os empresários caicoenses os efeitos do reajuste repassado aos consumidores, o gerente do Sebrae ressaltou que “em momentos de crise enxergamos mais oportunidades, por isso a proposta de discutir e eficiência energética”. João Bosco relatou que as medidas adotadas pelas empresas durante a crise podem diminuir custos e aumentar a competitividade. “Essas medidas de economia devem continuar, mesmo após a crise energética”, enfatizou.

O evento em Caicó contou com a palestra de José Júlio Machado, da Unidade de Eficiência Energética da Cosern. O palestrante destacou a diferença entre uso eficiente e racionamento. “O importante não é desligar o ar condicionado, mas ter um aparelho que consuma menos energia para climatizar o ambiente. Não podemos deixar de utilizar os benefícios que a energia oferece. Mas podemos gastar menos para isso”, ressaltou.

Uma das dicas do representante da Cosern foi a utilização de equipamentos com o selo Procel. “O selo tem por objetivo orientar o consumidor no ato da compra, indicando os produtos que apresentam os melhores níveis de eficiência energética dentro de cada categoria. Esses produtos têm melhor desenvolvimento tecnológico e reduzem impactos ambientais”, frisou José Júlio.

O empresário Victor Simas, diretor da Disbecol, também participou do evento com o seu depoimento. “Quando tivemos as primeiras ameaças de apagão no Brasil, com ameaça de corte de energia, passamos a adotar práticas de eficiência energética em nossa distribuidora de bebidas”, relatou Victor.

Entre as medidas adotadas pela Disbecol, distribuidora de bebidas localizada em Caicó e Pau dos Ferros, o empresário destacou a mobilização de toda equipe, a aquisição de equipamentos com o selo Procel e a substituição de iluminação. “Passamos a medir o nosso consumo de energia por turno. Foi feito o redimensionamento das instalações elétricas e estamos melhorando a nossa iluminação com o cuidado de não afetar a segurança no trabalho”, explicou o diretor.

Victor Simas é o atual presidente da Confenar, que é a Confederação das Revendas Ambev no Brasil. Ele explicou que o debate sobre eficiência energética também foi feito pelos empresários do segmento de distribuidoras de todo o país, provocados pela confederação. “Uma das medidas adotadas foi a compra coletiva de equipamentos, a partir de negociação com fornecedores”, explicou. O Programa de Eficiência Energética desenvolvido pelo Sebrae foi elogiado pelo empresário. “Orientar sobre economia de energia mostra que o Sebrae tem a percepção de quem é parceiro das empresas”, disse Victor.