Caicó: Falta de estrutura materno-infantil fere dignidade de famílias

Por Sidney Silva – A cidade de Caicó continua necessitando de estrutura para atender crianças recém-nascidas, em situação de prematuridade ou que nasçam “de tempo”, mas, precisando de serviços específicos. Lamentavelmente, sempre eles, (os bebês), tem que ser encaminhados para outros “centros”, Currais Novos, Santa Cruz, Natal, Parnamirim, entre outros, porque nossa cidade, (Caicó), não tem o serviço adequado para atendê-lo. Muitos, morrem no caminho, outros não. Esse tempo é precioso. Os procedimentos deveriam ser feitos na unidade onde nasceram.

O número de crianças sequeladas existentes em Caicó, por causa da falta de estrutura adequada para atendê-las no pré e pós parto, é grande. A mãe, o filho, o pai, toda a família é vilipendiada nos seus direitos.

Aqui, o compromisso dos gestores não é com a vida. Tudo esbarra nos interesses pessoais. Nada é para a coletividade, e quando é, não é suficiente, é pouco. Chega a ser vergonhoso.

Quantas crianças mais teremos que ver morrer? Por quanto tempo mais vamos ter que assistir quem de direito não fazer nada para melhorar os serviços para atender mães e crianças.

Minha indignação é a mesma de todos os pais vítimas do descaso com a saúde.

Ainda estão encaixotados, os equipamentos que foram adquiridos para montar uma Unidade de Terapia Intensiva – UTI ou uma Unidade de Cuidados Intermediários – UCI, seja lá, o que for. Uma sala no interior do Hospital do Seridó, é onde estão as máquinas.