Caicó: Juiz procura o Blog e rebate acusações feitas na Corregedoria

Juiz Luiz Cândido de Andrade Villaça, preocupado com a segurança em Caicó - FOTO: Marcos Dantas
Juiz Luiz Cândido de Andrade Villaça, disse que já respondeu ao pedido de informações da Corregedoria sobre denúncia – (FOTO: Marcos Dantas)

O Juiz da Vara Criminal de Caicó, Luiz Cândido de Andrade Villaça, já tem conhecimento da representação por abuso de autoridade apresentada pelo Diretor da penitenciária de Alcaçuz, Eider Pereira de Brito. O magistrado, inclusive, já apresentou as explicações ao Desembargador Corregedor da Justiça. Nas informações prestadas, o Juiz reafirma que Eider Pereira de Brito praticou, quando vice-diretor da Penitenciária Estadual do Seridó, suposto crime de estelionato, além de outras irregularidades que teria sido praticadas quando Eider era vice-diretor do Pereirão.

Em contato com o Blog Sidney Silva, o Juiz sustentou que não tem dúvidas que agiu corretamente ao alertar o Secretário de Cidadania e Justiça acerca do comportamento demonstrado por Eider Pereira de Brito quando no exercício do cargo na Penitenciária. “Trata-se de uma pessoa sem nenhuma condição de exercer cargo público no sistema prisional do Estado, que só deve admitir em seus quadros pessoas cuja conduta seja acima de qualquer suspeita, pois o ambiente é altamente propício à corrupção. Agi visando o bem do Estado e do Sistema Prisional”.

Em sua manifestação, o Juiz é contundente, informando inclusive detalhes de uma suposta confissão feita pela pessoa de Eider Pereira de Brito no sentido de que teria se apropriado de um cheque e trocado com um apenado e o detalhe é que o cheque era do próprio Juiz Luiz Villaça.

Se se conceber que é correto que um Diretor de Presídio possa se apropriar ilicitamente de um cheque do Juiz responsável pela unidade e ainda por cima trocar o título com um apenado, então estaremos diante de uma situação extremamente embaraçosa perante nossos filhos e jurisdicionados, porque nada mais poderá ser considerado criminoso nesse mundo”, arrebata o Juiz em suas informações.

E o Juiz vai mais além: afirma que Eider Pereira de Brito é “desonesto e de moral questionável”. Disse ainda que encaminhará ao Ministério Público representação por crime de denunciação caluniosa que, segundo Villaça, tem pena de 2 (dois) a 8 (oito) anos.

É um absurdo que elementos como esse possa querer inverter a situação das coisas. Tenho mais de 10 (dez) anos de carreira e, cada vez mais, percebo que o Brasil passa por uma crise moral. Os valores estão invertidos. Temos que limpar a administração Pública afastando pessoas que não são capazes sequer de entender o que vem a ser respeito e moral. Um indivíduo que se apropria de valores alheios, usando o cargo para tanto, não pode ser Diretor de uma Penitenciária. E ainda querer se colocar como vítima, mesmo após ter confessado o fato perante um Promotor de Justiça. É um absurdo! A representação será arquivada e, tenho certeza, que ele será devidamente responsabilizado pelo crime de denunciação caluniosa, haja vista ter dado causa à abertura de procedimento administrativo contra minha pessoa, informando crime de abuso de autoridade que sabe que não existiu”, finalizou Villaça.