“Caminhada pela Vida” esclarece população sobre doação de órgãos dentro do Setembro Cidadão

“Caminhada pela Vida” esclarece população sobre doação de órgãos e proporciona qualidade de vida dentro do Setembro Cidadão

Apesar do aumento no número de doadores a fila de espera por um órgão no Rio Grande do Norte é grande. Uma “Caminhada pela Vida” foi realizada neste sábado (23), dentro da programação do Setembro Cidadão, com a intenção de esclarecer a população sobre a importância da doação de órgãos e tecidos para salvar ou melhorar a qualidade de vida de milhões de pessoas em todo o Brasil.

Dezenas de doadores se concentraram em frente ao IFRN, na Av. Salgado Filho, com destino ao Parque das Dunas, onde foi celebrado o Dia Nacional de Doação de Órgãos (27), com apresentações culturais.

O cidadão precisar avisar a família que deseja ser um doador de órgãos e tecidos, pois não existe nenhum documento que garanta a doação. Apenas a família pode realizar esse desejo do seu ente querido”, explica a coordenadora da Central de Transplantes do RN, Raíssa de Medeiros Marques.

Nos quatro primeiros meses deste ano 100 transplantes foram realizados no estado. Número superior ao do mesmo período de 2016 que era de 65 procedimentos, apesar do aumento, estima-se que mais de 300 pessoas estão na fila esperando por um doador. Rins, córneas e medula óssea são os órgãos mais aguardados.

O evento também apresentou a “Capoterapia” uma técnica alternativa que utiliza elementos da capoeira para proporcionar qualidade de vida. “A ideia é tirar as pessoas do sedentarismo e trabalhar equilíbrio e memória”, afirmou Welton Oliveira, mestre do grupo de capoeira “Cordão de Ouro”.

Valéria Lúcia (39) é auxiliar de escritório e procurou a terapia para resolver o problema da indisposição. “A saúde foi lá pra cima e os remédios saíram da minha vida!”, comemorou.

As ações foram coordenadas pela Central de Transplantes do RN contou com o apoio da Secretaria Municipal de Saúde, IFRN, UNI-RN, Instituto do Bem e do projeto Setembro Cidadão.