Casa do Empresário buscará da Cosern informações sobre condições da subestação de Caicó

Advogada Marliete Lopes, representa a Casa do Empresário
Advogada Marliete Lopes, representa a Casa do Empresário

Em reunião na noite desta quarta-feira (18), a advogada Marliete Dantas, assessora jurídica da Casa do Empresário, prestou esclarecimentos sobre quais ações judiciais podem ser promovidas por aquelas empresas que se sentiram prejudicadas com o apagão ocorrido em Caicó no último dia 10 de março.

A interrupção do fornecimento de energia por 17 horas trouxe inúmeros prejuízos para as empresas caicoenses, desde a impossibilidade de funcionamento dos estabelecimentos e de emitir notas fiscais eletrônicas, até o dano a mercadorias. “Orientamos os empresários sobre como proceder com a ação judicial, destacando principalmente a necessidade de produzir provas para embasar a demanda”, destacou Marliete. Segundo a advogada, o empresário pode, por exemplo, mostrar quanto deixou de faturar no dia do apagão, apresentando comparativos com dias anteriores.

“Foi um dia de trabalho perdido, onde o funcionário ficou a disposição das nossas empresas, pois não se sabia que horas a energia voltaria”, criticou Dênio Alves, presidente da ACISC – Associação Comercial, Industrial e Serviços de Caicó.  A reunião na Casa do Empresário também definiu que as entidades empresariais solicitarão da COSERN informações concretas sobre o acontecimento. “Queremos saber quais as condições técnicas da subestação de Caicó e se estamos suscetível a um novo apagão”, ressaltou Dênio.

*Do Blog de Gláucia Lima