Cheia do Rio Piranhas não diminui preocupação com a quantidade de água no Açude de Coremas

Rio Piranhas tomou água depois das chuvas registradas - (FOTO: Marcos Dantas)
Rio Piranhas tomou água depois das chuvas registradas – (FOTO: Marcos Dantas)

Em visita na tarde desta segunda-feira (01) ao Rio Piranhas, o presidente do Comitê da Bacia Hidrográfica do Piancó/Piranhas/Açu, José Procópio de Lucena confirmou o aumento do nível de água do referido rio, graças às últimas chuvas caídas na região. Mesmo com as chuvas, e a mudança na paisagem da região, Procópio chama a atenção para o fato do Açude de Coremas ainda não ter recebido uma recarga considerável, e que garanta o abastecimento de água de várias cidades do Rio Grande do Norte e da Paraíba. “O Rio teve uma boa recarga, isso é bom porque garante um pouco mais o abastecimento d’água das cidades que estão em seu entorno, agora evidentemente que ainda não resolveu o gargalo da quantidade de água disponível em nossos reservatórios, como é o caso de Coremas que já tomou 7 milhões de metros cúbicos, mas ainda não garante”, explicou.

Com as chuvas, a preocupação do Comitê passa a ser com a permanência da água solta de Coremas dentro do Rio. Para o presidente do CBH, com o nível d’água no Rio não haveria mais a necessidade de continuar soltando água, pela comporta de Coremas. “Estamos ainda com 1,5 m3 da comporta. A turbina que liberava 1,8 m3 já está fechada, vinha funcionando sem produção de energia, e está aberta ainda a comporta com 1,5 m3. Nossa preocupação é também da Agência Nacional das Águas, e o diretor de gestão Paulo Varela já reivindicou da Chesf que encontra uma solução, pois estamos hoje jogando água sem necessidade no Rio. A água que temos hoje não precisaria estar soltando no rio, pois, poderá fazer falta amanhã”, destacou Procópio Lucena.