Crise hídrica de Caicó é destaque no JORNAL NACIONAL da Rede Globo de Televisão

Açude Itans só tem água para abastecer Caicó por mais três meses - (Foto: Sidney Silva)
Açude Itans só tem água para abastecer Caicó por mais três meses – (Foto: Sidney Silva)

Com o tema: “ANA restringe uso de reservatórios só ao consumo humano no RN”,  na quinta-feira (09), o Jornal Nacional (Rede Globo) destacou uma matéria sobre a crise hídrica que enfrenta a cidade de Caicó e que afeta diversos setores da cidade, inclusive provocando demissões em algumas empresas.

A repórter da Inter TV Cabugi, Michelle Rincon entrevistou a empresária Alane (Queijeira Dona Gertrudes), o Secretário Estadual de Recursos Hídricos, Mairton França, o técnico da CAERN, Bruno Medeiros e o Meteorologista Gilmar Bristot.

Confira o conteúdo da reportagem na íntegra.

No Nordeste do Brasil, a Agência Nacional de Águas decidiu limitar o uso dos reservatórios do Rio Grande do Norte só ao consumo humano. O nível dos açudes está muito baixo. Os 327 reservatórios dos nove estados do Nordeste e de Minas monitorados pelo Departamento Nacional de Obras contra a Seca estão em média com 23% da capacidade de armazenamento. O Rio Grande do Norte é o quarto com o menor nível.

A maior barragem do estado, está hoje com pouco mais de 28% da capacidade. É a pior situação desde a inauguração em 1983. Quinhentas mil pessoas dependem desse reservatório.

Em Caicó, a barragem (açude Itans) está com menos de 10% da capacidade. Mato seco em vez de água. O nível do reservatório chegou ao volume morto e o abastecimento das cidades ao redor está comprometido.

“Em função dessa seca que assola a nossa região, os bairros estão em sistema de rodízio. Os bairros da cidade de Caicó, 48 horas com água e 48 horas sem água”, diz Bruno Medeiros, engenheiro da CAERN.

Falta água para as pessoas e para os animais. Numa fábrica de queijos, a crise já gerou um corte de 30% na produção. Em um ano, a empresa, que tinha 15 funcionários, teve que demitir três. “Agora, pro final do ano, a gente espera ainda que a situação seja agravada”, aponta Alane Kaline Araújo, gerente da queijaria.

E é a mesma expectativa da meteorologia, que nunca registrou seca desse porte. “No período de 79 a 83, a média anual de chuva ficou em torno de 580 milímetros. E, agora, nesse último período seco, inclusive nós estamos vivendo, ele está em torno de 380, 400 milímetros”, explica Gilmar Bristot, meteorologista.

E, se água não vem do céu, a alternativa é buscá-la no subsolo. “De fevereiro para cá, nós já perfuramos mais de 150 poços. A meta é que a gente perfure, pelo menos até setembro, no mínimo mais 46 poços instalados”, diz o secretário de Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Rio Grande do Norte, Mairton França.

*Edição: Paulo Júnior (Jornal Correio do Seridó)