Jovem de Jardim de Piranhas desiste dos estudos porque professores não sabem libras

Jovem Jizely faz campanha nas redes sociais querendo concluir o ensino médio em Jardim de Piranhas
Jovem Jizely faz campanha nas redes sociais querendo concluir o ensino médio em Jardim de Piranhas

A jovem, Jizely Lourayne Gomes da Silva, de 18 anos, residente na cidade de Jardim de Piranhas, e que tem deficiência auditiva, iniciou esta semana uma campanha nas redes sociais. Ela quer estudar em uma das escolas chamadas de “normais”.

De acordo com o blogueiro, Alex Maia, ela estudou o ensino fundamental em uma escola particular da cidade, onde teve um acompanhamento de profissionais que se comunicavam com a Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS). Ao concluir o ensino fundamental, chegando ao Ensino Médio, a jovem estudante começou a enfrentar problemas na comunicação. É que na Escola Estadual Amaro Cavalcanti, os professores não estão preparado para lecionar a língua de sinais. Diante da dificuldade, Jizely teve que desistir dos estudos.

Toda essa dificuldade esbarra na legislação brasileira. O artigo 3º do Decreto de Lei nº 5.626/2005, diz que “A Libras deve ser inserida como disciplina curricular obrigatória nos cursos de formação de professores para o exercício do magistério, em nível médio e superior, e nos cursos de Fonoaudiologia, de instituições de ensino, públicas e privadas, do Sistema Federal de Ensino e dos Sistemas de Ensino dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios.

O caso de Jizely, é único na cidade de Jardim de Piranhas. Outras pessoas passam pela mesma dificuldade. A família da jovem quer apenas um direito que está sendo violado para a mesma concluir o ensino médio.