No Twitter presidente da FJA defende ataques à imprensa

Crispiniano Neto é o presidente da FJA - (FOTO: Elisa Elsie/Tribuna do Norte)
Crispiniano Neto é o presidente da FJA – (FOTO: Elisa Elsie/Tribuna do Norte)

Tribuna do Norte – O presidente da Fundação José Augusto, Crispiniano Neto, usou as redes sociais durante o fim de semana para criticar a cobertura dada à 24ª fase da operação Lava Jato, que teve o ex-presidente Lula como principal alvo da investigação. Através do Twitter, Crispiniano defendeu que os militantes atacassem o que ele definiu como “mídia golpista“. O Partido dos Trabalhadores disse que a opinião é isolada e não representa o pensamento do PT.

No Twitter, Crispiniano Neto criticou a condução coercitiva de Lula, que foi levado pela Polícia Federal até um escritório no aeroporto de Congonhas para que prestasse depoimento, na sexta-feira (4). No Twitter, Crispiniano reproduziu palavras de ordem entoadas durante manifestação feita em frente à sede da maior emissora de TV do país, em São Paulo. “Ninguém segura, ninguém segura, vamos pras ruas combater a ditadura” e “Quem nos agride a gente ataca, vocês vão ver como morde a jararaca” foram algumas das palavras de ordem reproduzidas.

Além do chamado para a militância protestar contra a emissora e os supostos abusos contra Lula, Crispiniano disse que era o momento virar e queimar carros.

Não se pode esperar um tiro no peito ou uma foto do líder ‘suicidado’ na cadeia para começar a virar e queimar carros da imprensa golpista“, postou o presidente da Fundação José Augusto em seu perfil pessoal.

Sindjorn

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Rio Grande do Norte emitiu nota de repúdio às declarações de Crispiniano Neto. Para a entidade, o presidente da FJA foi infeliz nas declarações e cobrou do governador Robinson Faria uma reação imediata ao caso.

Confira a nota:

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Rio Grande do Norte vem a público repudiar frontalmente as declarações postadas neste domingo (6), em suas redes sociais, pelo presidente da Fundação José Augusto, Crispiniano Neto. Senhor secretário, sendo bem eufêmico, o senhor foi profundamente infeliz em suas palavras. Qual cidadão em sã consciência incita a violência? Mas o senhor não se deu por satisfeito e foi além. Conclamou a militância de sua corrente política a se voltar contra a imprensa. Ora senhor secretário, é essa a conduta que deve ter um gestor público e ainda mais da área cultural?

Senhor Crispiniano, não podemos e não vamos aceitar uma tentativa tão venal e absurda de calar profissionais do jornalismo. Muito menos vamos nos calar e deixar de cumprir corretamente nosso dever por conta de uma incitação covarde como a sua.

Senhor governador Robinson Faria, o Sindjorn exige uma resposta rápida quanto às declarações de seu auxiliar de governo. Rápida, enérgica e exemplar. Ele atingiu toda uma categoria de profissionais e nitidamente pôs em risco as vidas de pais, mães e filhos. Seja coerente para que o peso das palavras de seu secretário não recaia também sobre o senhor.

Vivemos em um momento delicado no nosso país, é verdade, mas isso não pode jamais servir de justificativa para que percamos o senso de coletividade e de respeito às pessoas, às instituições e ao estado livre de direito.

Sindjorn e Fenaj