Presidente do Conselho Municipal de Saúde volta a criticar atendimento à mulheres em unidades de saúde

O presidente do Conselho Municipal de Saúde de Caicó, José Procópio de Lucena, voltou a questionar a qualidade no atendimento a mulheres que precisem fazer partos nas unidades de Saúde, local. Ele encaminhou nota para o Blog Sidney Silva, onde cita a morte de uma jovem caicoense na semana passada em Natal. Ela teve filhos em Caicó, passou por curetagem, foi encaminhada para a UTI do Hospital Regional e depois para Natal, onde faleceu.

Leia a nota de Procópio:

O conselho municipal de saúde de Caicó está indignado, assim, como toda sociedade Caicoense e, em particular, a família da jovem Ingryt Tatiane de Sousa, que veio a óbito após um procedimento de curetagem realizado no hospital do Seridó (fundação Carlindo Dantas),sua transferência para a UTI do hospital regional do Seridó e depois para Natal.

O Conselho se solidariza com a dor da família e exige que o falecimento da paciente, seja esclarecido e caso tenha havido negligência e descaso, medidas cabíveis de responsabilização sejam devidamente tomadas por quem de direito. Exigimos em caráter de urgência que a direção do hospital abra uma sindicância para apurar o fato e o núcleo de vigilância epidemiológica no âmbito Hospitalar de Caicó, investigue este trágico reincidente acontecimento, analisando e levantando todas as informações do internamento da paciente, condições técnica do hospital, medicação usada antes e depois da curetagem e quem foi o(os) profissional(is) responsável(is) pelo procedimento e as condições de sua transferência para a UTI do hospital do Seridó e posteriormente para Natal. Esperamos também que o ministério público estadual, instaure um inquérito civil público para apurar o que fato aconteceu com a morte de mais uma paciente grávida de Caicó.

Embora as gestantes de Caicó tenham acesso ao pré-natal, a pergunta que se faz e a resposta que se quer são se esta assistência é de qualidade? É preciso que haja maior organização do sistema de saúde para que a gestante saiba, ainda durante o pré-natal, com segurança, se o hospital esta preparado para fazer um parto humanizado. Todos os estudos e orientações de especialistas afirmam que para reduzir e até eliminar o número de mortes maternas é precisa dar atenção ao pré-natal e realizar um bom parto em hospitais especializados, equipados e com profissionais qualificados. Temos isso em Caicó?

Infelizmente e vergonhosamente a gravidez de uma mulher em Caicó é quase uma sentença de morte. Será que esta jovem é mais uma vitima da negligência da rede hospitalar de Caicó com a saúde da mulher? Fazemos um convite ético-político a toda a sociedade Caicoense e aos “representantes do povo” para um pacto pela vida, dizendo “não à morte das mulheres gestantes e sim ao direito a vida”. Indignai-vos Caicó. No dia das mães um sonho de ser mãe foi interrompido. Já podemos calar. Chega de violência contra a mulher e de omissão dos agentes políticos de todas as esferas de poder.

Atenciosamente,

José Procópio de Lucena

Presidente do CMS