Relator de privatização da Eletrobras quer fundo de R$ 700 mi para revitalização do São Francisco

Seis eixos deverão guiar o roteiro dos trabalhos da Comissão Especial de Desestatização da Eletrobras, na Câmara dos Deputados. A proposta do relator José Carlos Aleluia, do DEM da Bahia, é dividir as discussões em tópicos para que até o final de abril o relatório seja concluído e o parecer votado. Um deles é a criação de um fundo de reserva anual de pelo menos R$ 700 milhões para cuidados com o rio São Francisco.

Inicialmente o governo federal, autor da proposta de privatização da maior companhia de distribuição de energia elétrica da América Latina, definiu um valor diferente: R$ 350 milhões por ano para a revitalização do São Francisco nos primeiros 15 anos após a desestatização. A partir daí, esse fundo cairia para R$ 250 milhões anuais nos 15 anos seguintes.