Governo inicia nova entrega de alimentos aos 217 mil alunos da rede estadual

Terceira distribuição dos Kits de alimentação escolar começa

O Governo do Rio Grande do Norte iniciou a terceira distribuição dos kits da alimentação escolar. Na maior operação logística da Secretaria de Estado da Educação, da Cultura, do Esporte e do Lazer (SEEC), mais de 2,1 milhões de quilos de alimentos serão entregues às famílias de 217 mil estudantes que compõem a rede estadual de educação. Para que a entrega ocorra em todo o estado, a distribuição é dividida em etapas, que atenderão às 16 Diretorias Regionais de Educação e Cultura (Direc) até janeiro de 2021. Nesta ação são investidos R$ 13,6 milhões, oriundos do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE).

Para que toda a logística fosse testada, a primeira regional a receber os kits foi Macau, ainda no mês de outubro. Os alunos das regionais de Caicó, Assu, Mossoró, Apodi, Umarizal e João Câmara começaram a receber em novembro. Os estudantes das escolas situadas nas regionais de São Paulo do Potengi, Ceará-Mirim, Santa Cruz, Currais Novos, Mossoró, Parnamirim e Pau dos Ferros receberão as cestas até o final de dezembro. A última entrega será aos estudantes das escolas estaduais na Direc de Natal, a ser realizada em janeiro de 2021, em razão do alto volume de alimentos e disponibilidade de estoque dos fornecedores.

Cada kit é composto por produtos que fazem parte da mesa do potiguar, como feijão, arroz, macarrão, açúcar, flocão de milho, e pesa cerca de 10 kg. Os itens da cesta foram aprovados pela equipe técnica de nutricionistas da Subcoordenadoria de Assistência ao Educando (Suase), que, entre outros fatores, leva em conta a qualidade nutricional, respeitando os hábitos alimentares e a cultura local, e as necessidades nutricionais básicas para o cotidiano.


Grupo “Intermediários da Esperança” já doaram 5 toneladas de alimentos em Caicó

Feiras foram entregues às famílias de Caicó

Em apenas três meses de ações, o projeto Intermediários da Esperança realizou a doação de mais de 5 toneladas de alimentos para pessoas em situação de vulnerabilidade social, cadastrados pelo projeto e para instituições. As doações foram distribuídas tanto para famílias das zonas urbana e rural de Caicó. A iniciativa de arrecadação e doação dos alimentos é parte do projeto “Intermediários da Esperança”, criado por amigos, que, decidiram se unir e mobilizar pessoas que tem vontade de doar, mas não sabem como fazer a doação chegar de fato a quem está necessitando.

Para Eduardo de Dona Dalva, um dos idealizadores do Projeto, as ações são muito significativas já que de fato supre a necessidade de quem mais necessita, “Com muita alegria, nesses três meses de ações já conseguimos realizar doações de alimentos que de fato supriram as necessidades de várias famílias da nossa cidade que estão passando por dificuldades”, acrescentou.

Eduardo ainda explica que quem quiser contribuir, pode entrar em contato com o telefone, (84) 99608-2736 ou através do perfil do projeto no Instagram @intermediariosdaesperanca


Falta de chuvas no Nordeste reduziram produção de alimentos

Falta de chuvas provocou queda na produção de alimentos

De 2012 a 2016, o Brasil passou por problemas provocados pela falta de chuvas, sobretudo no Nordeste do país. De acordo com dados da Confederação Nacional de Municípios (CNM), nesse intervalo de tempo, a região registrou prejuízos de R$ 104 bilhões por causa da seca. O valor equivale a cerca de 70% das perdas em razão desse fenômeno.

Outro exemplo de prejuízo causado pela escassez de chuva foi a queda na produção de grãos no país, em 2016. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o feijão apresentou redução de 15,4%, na comparação com 2015. A produção de soja recuou 1,2%. Já o milho teve diminuição de 24,8% na produção.

Por isso, em anos de seca, os produtores agrícolas precisam suprir a falta de chuva com o processo de irrigação, que fornece água de maneira artificial para as plantações. Um levantamento apresentado pela Organização das Nações Unidas (ONU) aponta que quase 70% de toda a água disponível no mundo é usada em atividades voltadas para a agricultura.


Esposas e mães de presos fizeram manifesto na entrada do Presídio de Caicó

Esposas e mães de presos fizeram manifesto na entrada do Presídio de Caicó

Durante todo o dia de sábado (17), algumas esposas e mães de presos custodiados na Penitenciária Estadual do Seridó em Caicó, fizeram protesto com reivindicações em favor do apenados da unidade. Elas portavam cartazes e chegaram ao presídio por volta das 09hs da manhã. Em determinados momentos chegaram a interditar a RN 288, que passa ao lado da penitenciária.

Os principais pedidos das mulheres dos presos eram para que a direção permitisse que elas entrassem novamente na unidade nos dias de visita, por exemplo, como alimentação, materiais de higiene, e coisas do gênero.

Uma das mães, identificada como Cleide Oliveira, disse que o protesto é para ter o direito de alimentar os familiares que estão presos na unidade. “Antes a gente entrava aqui com bolacha, com bolo, doces, refrigerante e agora não entra mais nada. O diretor disse que isso era uma ordem que vem lá de Natal. Nós não queremos causar tumulto, transtorno, nós só queremos alimentar os nossos familiares que estão aí dentro“, disse.

Já tem algumas semanas que Secretaria de Justiça e Cidadania decidiu cumprir o que está na Lei de Execuções Penais sobre o fornecimento desse tipo de material para o apenados. É de responsabilidade do Estado, o fornecimento de alimento, roupas (padronizadas) e material de higiene. Por causa da ausência dos Governos, durante muito tempo, os presos podiam receber roupas e tudo que já foi mencionado, dos familiares. Mas, a direção do Presídio de Caicó, estabeleceu que, os presos podem receber, determinada quantidade de material de higiene a cada 30 dias, porém, não permitiu a entrada de alimentos.

De acordo com Ubirajara Araújo, diretor da unidade, já existe uma empresa contratada pelo Governo do Estado que fornece café da manhã, almoço e jantar para os presos. “A Lei de Execuções Penais diz que quem tem que fornecer a alimentação para os presos, é o Estado e o Estado está fornecendo. Nós não temos como liberar isso. É bom lembrar, que antes do dia 18 de janeiro deste ano, a alimentação dos presos era feita toda aqui, mas, como eles (os presos) fizeram uma rebelião nesta data que deu um prejuízo de cerca de 300 mil reais à empresa, a cozinha foi fechada e a comida é feita fora e, trazida pra cá. Mas, eu pedi esta semana a nutricionista para aumentar a quantidade do alimento nas quentinhas e para que mantenha um padrão de horário na entrega“, disse o diretor ao Blog Sidney Silva.


Caicó: Alimentos arrecadados em peça teatral foram doados para o grupo Amigos Solidários

Na última sexta-feira, 13, o Salão Nobre da Casa da Cidadania ( antiga prefeitura), apresentou “Senhora de Engenho – Entre a Cruz e a Torá” com a Cia. de Teatro Popular de Camaragibe – PE, onde o ingresso foi 1kg de alimento não-perecível.

Os alimentos arrecadados foram doados para o grupo Amigos Solidários, que desempenha um trabalho social junto a comunidade Frei Damião, em Caicó.

Conforme informação de Luiz Santos, que faz parte da coordenação do grupo Amigos Solidários, a arrecadação totalizou 127kg de alimento, e em breve será distribuído para a comunidade. O grupo atua em Caicó, realizando o “Sopão Solidário” toda sexta-feira na comunidade Frei Damião, onde também desempenha outras ações solidárias.

O espetáculo visitou Caicó através do projeto de Circulação Nacional, incentivado pelo Funcultura, Fundarpe, e Secretaria de Cultura do Governo de Pernambuco. Em Caicó, o grupo contou com o apoio da Associação Cultural de Caicó e da Prefeitura Municipal, através da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo, e Coordenação de Cultura.