Polícias desmontam fábrica clandestina de armas em Teixeira/PB

Arma artesanal encontrada

Durante o final de semana, a Polícia Federal e a Polícia Militar da Paraíba, atuando de forma coordenada, prenderam em flagrante duas pessoas, apreenderam sete armas de fogo artesanais e desmontaram a oficina onde eram produzidas ilegalmente.

No sábado, 4 de agosto, foi interditada uma oficina em Teixeira/PB, onde foram encontradas enterradas uma espingarda calibre 12 e uma carabina calibre .38”, além de moldes, materiais e equipamentos utilizados para a fabricação clandestina de armamento, por R.P.S., de 20 anos, preso em flagrante e apresentado na Delegacia da Polícia Federal de Patos/PB.

R.P.S. é filho de indivíduo preso por roubo aos Correios e no local havia sigla de facção criminosa com atuação em diversos estados brasileiros.

No domingo, em Campina Grande/PB, interceptaram um carregamento de cinco espingardas calibre 12, em ônibus que seguia de Teixeira/PB para a capital paraibana. C.G.S., de 22 anos, foi identificado, preso e apresentado na Delegacia da Polícia Federal local.



Agentes fazem nova revista em Alcaçuz e apreendem armas brancas

Armas artesanais foram encontradas dentro de Alcaçuz – (Foto: Divulgação Sejuc)

Do G1/RN – Os agentes penitenciários realizaram uma revista nos pavilhões de Alcaçuz onde estão presos de uma facção do Rio Grande do Norte e conseguiram apreender diversas armas brancas. A intervenção aconteceu nesta quarta-feira (1º) e terminou no final da tarde.

O secretário de Justiça e Cidadania, Wallber Virgolino, informou que essa revista foi feita pelo Grupo de Operações Especiais (GOE) do RN e por agentes de plantão em Alcaçuz. Ainda de acordo com ele, os presos foram trancados dentro dos pavilhões após a intervenção.

Wallber disse que, apesar de as celas estarem sem grades, as portas dos pavilhões foram fechadas nesta quarta-feira como parte do processo de retomada do controle da penitenciária de Alcaçuz.

Além das facas e facões artesanais, os agentes apreenderam barras de ferros e pedaços de pau com pontas de ferros usados como armas brancas pelos presos durante as rebeliões que tiveram início no dia 14 de janeiro.