Inmet publica alerta de chuvas para 83 cidades do RN; veja lista

Chuvas devem ocorrer até à manhã desta terça

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) publicou, nesta segunda-feira (20), um aviso de chuvas intensas para 83 municípios do Rio Grande do Norte. A área da publicação compreende toda a extensão litorânea potiguar. A legenda do alerta, de cor amarela, representa perigo potencial, o menor da escala de alertas. O aviso dura até às 7h desta terça-feira (21).

De acordo com o aviso do Inmet, durante o tempo previsto, as cidades listadas podem registrar chuvas entre 20 e 30 mm/h ou até 50 mm/dia. O alerta ainda registra a baixa probabilidade de alagamentos e pequenos deslizamentos, em áreas consideradas de risco.

Como instruções à população, o instituto recomenda evitar o enfrentamento de mau tempo, observar alteração nas encostas e não usar aparelhos eletrônicos ligados à tomada durante as chuvas.

O alerta também abrange cidades cearenses, paraibanas, pernambucanas e piauienses. Ao todo, são 232 municípios dos cinco estados nordestinos que são listados no aviso de chuvas.

Veja as cidades potiguares listadas

Afonso Bezerra, Alto Do Rodrigues, Angicos, Areia Branca, Arês, Açu, Baraúna, Barcelona, Baía Formosa, Bento Fernandes, Bom Jesus, Brejinho, Caiçara Do Norte, Caiçara Do Rio Do Vento, Canguaretama, Carnaubais, Ceará-Mirim, Espírito Santo, Extremoz, Galinhos, Goianinha, Grossos, Guamaré, Ielmo Marinho, Ipanguaçu, Jandaíra, Januário Cicco, Jardim De Angicos, João Câmara, Jundiá, Lagoa D’Anta, Lagoa De Pedras, Lagoa De Velhos, Lagoa Salgada, Lajes, Macau, Macaíba, Maxaranguape, Montanhas, Monte Alegre, Mossoró, Natal, Nova Cruz, Nísia Floresta, Parazinho, Parnamirim, Passa E Fica, Passagem, Pedra Grande, Pedra Preta, Pedro Avelino, Pedro Velho, Pendências, Porto Do Mangue, Poço Branco, Pureza, Riachuelo, Rio Do Fogo, Ruy Barbosa, Santa Maria, Santo Antônio, Senador Elói De Souza, Senador Georgino Avelino, Serra Caiada, Serra De São Bento, Serra Do Mel, Serrinha, São Bento Do Norte, São Gonçalo Do Amarante, São José De Mipibu, São José Do Campestre, São Miguel Do Gostoso, São Paulo Do Potengi, São Pedro, São Tom, Taipu, Tangará, Tibau, Tibau Do Sul, Touros, Várzea, Vera Cruz e Vila Flor.

Tribuna do Norte


Barragem Armando Ribeiro Gonçalves atinge maior nível desde 2012

Barragem Armando Ribeiro aumentou seu volume com as chuvas deste ano

A Barragem Armando Ribeiro Gonçalves, localizada no município de Assu e maior reservatório de água do Rio Grande do Norte, registrou novo aumento no volume comportado e atingiu a melhor marca desde 2012. Atualmente, ela está com 1.444.593.821 m³, 60,87% da capacidade, mais do que a metade de todas as reservas do Estado.

A informação é do Instituto de Gestão das Águas (Igarn).

Continue lendo

Chuvas de mais de 200 milímetros foram registradas na região Seridó

Confira as chuvas registradas em Caicó, zona urbana e rural, e em vários municípios e sítios da região, divulgadas pelo radialista Djalma Mota, no programa Violeiros do Seridó, na Rural FM (102,7), na manhã desta quarta-feira (22).

Morador do Sítio Nova Olinda, zona rural de Caicó, fez foto do pluviômetro cheio

BAIRRO BARRA NOVA/CAICÓ – 84mm / 90mm
BAIRRO PAULO VI – CAIC/CAICÓ – 87mm
BAIRRO JOÃO XXII/CAICÓ – 75mm
BAIRRO RECREIO/CAICÓ – 102mm / 110mm
BAIRRO SALVIANO SANTOS/CAICÓ – 82,5mm
BAIRRO BOA PASAGEM/CAICÓ – 92mm
BAIRRO VILA DO PRÍNCIPE/CAICÓ – 100mm
AVENIDA RIO BRANCO (IV REGIONAL) / CAICÓ – 85mm
BAIRRO PARAÍBA/CAICÓ – 75mm
BAIRRO NOVA DESCOBERTA/CAICÓ – 100mm
BAIRRO CASTELO BRANCO/CAICÓ – 150mm
BAIRRO PENEDO/CAICÓ – 66mm
BAIRRO MAYNARD/CAICÓ – 80mm
EMATER/CAICÓ/RN – 71,6mm
SÍTIO PITOMBEIRA/CAICÓ – 70mm
ITANS (DNOCS) / CAICÓ – 76mm
SÍTIO MACAMBIRA/CAICÓ – 125mm
SÍTIO SOLIDÃO/CAICÓ – 100mm
SÍTIO MULUGUZINHO/CAICÓ – 104mm
SÍTIO RIACHO/SABUGI/CAICÓ – 130mm
SÍTIO FURNA DA ONÇA/CAICÓ – 135mm
GRANJA SANTA ISABEL (RIO SABUGI) CAICÓ – 130mm
SÍTIO VÁRZEA REDONDA/CAICÓ – 136mm / 145mm
SÍTIO RIACHO DOS SANTOS (RIRIRIU)/CAICÓ – 110mm
VILA II/SABUGI/CAICÓ – 90mm / 100mm
SÍTIO MARAVILHA/CAICÓ – 55mm
SÍTIO LAGOA DO MEIO/CAICÓ – 135mm
SÍTIO OURIVES/CAICÓ – 43mm
ALTO DA TUBIBA/PALMA/CAICÓ – 42,5mm
DISTRITO PALMA/CAICÓ – 30mm
SÍTIO UMBUZEIRO/CAICÓ – 79mm
SÍTIO RETIRO/CAICÓ – 90mm
SÍTIO AÇUDINHO/CAICÓ – 110mm
PASSAGEM DAS TRAÍRAS/CAICÓ – 25mm
SÍTIO VÁRZEA ALEGRE/CAICÓ – 100mm
BARRA DA ESPINGARDA/CAICÓ – 80mm
SÍTIO BATENTES/CAICÓ – 67mm
CHÁCARA SOSSEGO/CAICÓ – 80mm
SÍTIO NOVA OLINDA/CAICÓ – 115mm / 120mm
SÍTIO BARRA DO LAGEDO/CAICÓ – 140mm
SÍTIO BARBOSA DE CIMA/CAICÓ – 84mm
SÍTIO MANHOSO/ CAICÓ – 40mmmm
SÍTIO UMARI/CAICÓ – 32mm
SÍTIO RIACHO DA SERRA/CAICÓ – 57mm
SÍTIO RIACHO DO MEIO/CAICÓ – 136mm
SÍTIO CAIBREIRA/CAICÓ – 50mm
SÍTIO SERROTE AGUDO/CAICÓ – 16mm
DISTRITO LAGINHAS/CAICÓ – 50mm
SÍTIO PIATÓ/CAICÓ – 100mm
SÍTIO SAQUINHO/CAICÓ – 130mm
SÍTIO BARRO BRANCO/CAICÓ – 119mm
SÍTIO CARRAPATEIRA/CAICÓ – 136mm
SÍTIO BOM JESUS/CAICÓ – 120mm / 130mm
SÍTIO MORADA NOVA/CAICÓ – 130mm
SÍTIO CASA NOVA DE BREJINHO/SÃO JOÃO DO SABUGI – 105mm
SÍTIO CARNAUBINHA/SÃO JOÃO DO SABUGI – 130mm
SÍTIO CAIÇARA/SÃO JOÃO DO SABUGI – 112mm
SÍTIO ACAMPAMENTO/SÃO JOÃO DO SABUGI – 140mm
SÍTIO CAMPO GRANDE/SÃO JOÃO DO SABUGI – 95mm
SÍTIO ALAGAMAR/SÃO JOÃO DO SABUGI – 62,5mm
SÍTIO MOSSORÓ/SÃO JOÃO DO SABUGI – 44mm
SÍTIO CORDEIRO/SÃO JOÃO DO SABUGI – 36mm
SÍTIO MATA FOME/SÃO JOÃO DO SABUGI – 74mm
SÍTIO RIACHO DO CIPÓ/SÃO JOÃO DO SABUGI – 112mm
SÍTIO JERUSALÉM/SÃO JOÃO DO SABUGI – 113mm
SÃO JOÃO DO SABUGI/RN – 80mm / 91mm
SÍTIO BOA VISTA/IPUEIRA – 20mm
IPUEIRA/RN – 20mm
SÍTIO PINTADO/TIMBAÚBA DOS BATISTAS – 123mm
SÍTIO CIPÓ/TIMBAÚBA DOS BATISTAS – 105mm
SÍTIO CACHOEIRA/TIMBAÚBA DOS BATISTAS – 100mm
SÍTIO LAGO AZUL/TIMBAÚBA DOS BATISTAS – 100mm
SÍTIO TOCO/TIMBAÚBA DOS BATISTAS – 90mm / 120mm
SÍTIO ENCAMPINADO/TIMBAÚBA DOS BATISTAS – 10mm
TIMBAÚBA DOS BATISTAS/RN – 95mm / 101mm
SÍTIO PITOMBEIRA/SERRA NEGRA – 80mm
SÍTIO FLORESTA/SERRA NEGRA – 70
SÍTIO POÇOS/SERRA NEGRA – 105mm
SÍTIO PICOS/ SERRA NEGRA DO NORTE/RN – 100mm
SÍTIO FRUTUOSO/SERRA NEGRA – 108mm
SÍTIO SAUDADE/SERRA NEGRA DO NORTE/RN – 115mm
SÍTIO ANGICOS/SERRA NEGRA – 120mm
SÍTIO RIACHO DA TIMBAÚBA/SERRA NEGRA – 134mm
LAGOA DA SERRA/SERRA NEGRA DO NORTE – 136mm
SÍTIO CURRAL QUEIMADO/SERRA NEGRA – 130mm
SÍTIO FECHADO/SERRA NEGRA – 175mm
SÍTIO BARRA DO CAIMBRA/SERRA NEGRA – 140mm
SÍTIO BARRA DA MANIÇOBA/SERRA NEGRA – 110mm
SÍTIO ALECRIM/SERRA NEGRA – 91mm
SÍTIO ARAPUÁ/ SERRA NEGRA DO NORTE/RN – 100mm
SÍTIO ROLINHA/SERRA NEGRA DO NORTE – 119mm
SÍTIO ENTRE SERRAS/SERRA NEGRA – 74mm
SÍTIO BELO MONTE/SERRA NEGRA – 85mm
SÍTIO CACHOEIRA/SERRA NEGRA – 110 mm
SÍTIO BARRA DA CARNAÚBA/SERRA NEGRA – 130mm
SERRA NEGRA DO NORTE/RN – 100mm
SÍTIO GARCIA/SÃO FERNANDO – 150mm
SÍTIO RAMADA/SÃO FERNANDO – 112mm
SÍTIO RIACHO VERDE/SÃO FERNANDO – 150mm
SÍTIO MALHADA/SÃO FERNANDO – 92m
SÍTIO BARRA DO FORTE/SÃO FERNANDO – 128mm
SÍTIO BESTAS BRAVAS/SÃO FERNANDO – 150mm
SÍTIO SÃO JERÔNIMO/SÃO FERNANDO – 145mm
SÍTIO RIACHO DA ROÇA/SÃO FERNANDO – 101mm
SÃO FERNANDO/RN – 85mm / 89mm
SÍTIO TIMBAUBINHA/JARDIM DE PIRANHAS – 140mm
SÍTIO CATINGUEIRA/JARDIM DE PIRANHAS – 105mm
SÍTIO JUAZEIRO/JARDIM DE PIRANHAS – 142mm
SÍTIO FECHADO/JARDIM DE PIRANHAS – 113mm
SITIO SANTA CRUZ/JARDIM DE PIRANHAS – 141mm
SÍTIO ANGICOS/JARDIM DE PIRANHAS – 135mm
SÍTIO BATALHA/JARDIM DE PIRANHAS – 110mm
SÍTIO CAIÇARA/JARDIM DE PIRANHAS – 115mm
SÍTIO ASSEMBLEIA/JARDIM DE PIRANHAS – 80mm
SÍTIO EXTREMA/JARDIM DE PINHARAS – 105mm
SANTUÁRIO DAS ROSAS/JARDIM DE PIRANHAS – 156mm
BAIRRO SÃO JOSÉ/JARDIM DE PIRANHAS/RN – 110mm
JARDIM DE PIRANHAS – 105mm
SÍTIO SOLEDADE/JUCURUTU – 20mm
SÍTIO RIACHO DE SANTANA/JUCURUTU – 90mm
SÍTIO SACO DO ANIL/JUCURUTU – 100mm
SÍTIO SÃO BENTO/JUCURUTU – 105mm
SÍTIO PEDRA BRANCA/JUCURUTU – 108mm
SÍTIO PAULO JORGE/FLORÂNIA – 22mm
ASSENTAMENTO JOÃO A CRUZ/FLORÂNIA – 20mm
SÍTIO OLHA D’ÁGUA/SÃO JOSÉ DO SERIDÓ – 10mm
JARDIM DO SERIDÓ/RN – 05mm
OURO BRANCO/RN – 11mm
ACARI/RN – 16mm
CURRAIS NOVOS/RN – 45mm
SÍTIO ANGICOS/TRIUNFO POTIGUAR/RN – 135mm
SÍTIO LOGRADOURO/CAMPO GRANDE/RN – 80mm
CAMPO GRANDE/RN – 112mm / 120mm / 150mm
FAZENDA TRINCHEIRA/MESSIAS TARGINO – 173mm
ALEXANDRIA/RN – 40mm
SÍTIO PALHA/BREJO DO CRUZ/PB – 120mm
SÍTIO MOREIRA/BREJO DO CRUZ – 150mm
SÃO BENTO/PB – 100
SÍTIO CASCALHO/S. JOSÉ DO BREJO DO CRUZ/PB – 160mm
SÍTIO POÇO DA CRUZ/S. JOSÉ DO BREJO DO CRUZ/PB – 190mm
SÃO JOSÉ DO BREJO DO CRUZ/PB – 210mm
FAZENDA SANTA CASA/B. BREJO DO CRUZ – 57mm
SÍTIO BRAZ FÉLIX/B. BREJO DO CRUZ – 100mm
FAZENDA MANAUS/B. BREJO DO CRUZ/PB – 130mm
FAZENDA SOARES/B. BREJO DO CRUZ/PB – 217mm
SÍTIO LORETO/VÁRZEA/PB – 25mm


Inmet publica alerta de chuvas para 126 cidades potiguares

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) emitiu aviso de chuvas com perigo potencial para 126  municípios do Rio Grande do Norte. Esse é o menor grau do alerta, de legenda amarela, de uma escala que vai até grande perigo, de cor vermelha. O aviso, que atinge todas as regiões do estado, dura até as 10h desta terça-feira (7).

Chuva forte é esperada para as próximas horas

Durante o tempo que dura o alerta, o Inmet destaca que no Rio Grande do Norte há baixo risco de alagamentos e pequenos deslizamentos, em cidades com áreas consideradas de risco. Pode haver chuvas de 20 a 30 mm por hora, ou registros de 50 mm por dia nos municípios potiguares.
O Inmet instrui os potiguares para que evitem o mau tempo, observem alterações nas encostas quanto ao risco de deslizamentos e evitem usar aparelhos eletrônicos ligados à tomada em momentos de chuva.

Confira a lista dos municípios potiguares com alerta de chuvas:

Acari, Afonso Bezerra, Água Nova, Alexandria, Almino Afonso, Alto Do Rodrigues, Angicos, Antônio Martins, Apodi, Areia Branca, Augusto Severo, Açu, Baraúna, Barcelona, Bento Fernandes, Bodó, Caicó, Caiçara Do Norte, Caiçara Do Rio Do Vento, Campo Redondo, Caraúbas, Carnaubais, Carnaúba Dos Dantas, Ceará-Mirim, Cerro Corá, Coronel Ezequiel, Coronel João Pessoa, Cruzeta, Currais Novos, Doutor Severiano, Encanto, Equador, Felipe Guerra, Fernando Pedroza, Florânia, Francisco Dantas, Frutuoso Gomes, Galinhos, Governador Dix-Sept Rosado, Grossos, Guamaré, Ielmo Marinho, Ipanguaçu, Ipueira, Itajá, Itaú, Jandaíra, Janduís, Jardim De Angicos, Jardim De Piranhas, Jardim Do Seridó, Jaçanã, José Da Penha, João Câmara, João Dias, Jucurutu, Lagoa Nova, Lajes, Lajes Pintadas, Lucrécia, Luís Gomes, Macau, Major Sales, Marcelino Vieira, Martins, Maxaranguape, Messias Targino, Mossoró, Olho-D’Água Do Borges, Ouro Branco, Paraná, Parazinho, Paraú, Parelhas, Patu, Pau Dos Ferros, Pedra Grande, Pedra Preta, Pedro Avelino, Pendências, Pilões, Portalegre, Porto Do Mangue, Poço Branco, Pureza, Rafael Fernandes, Rafael Godeiro, Riacho Da Cruz, Riacho De Santana, Riachuelo, Rio Do Fogo, Rodolfo Fernandes, Ruy Barbosa, Santa Cruz, Santa Maria, Santana Do Matos, Santana Do Seridó, Serra Do Mel, Serra Negra Do Norte, Serrinha Dos Pintos, Severiano Melo, São Bento Do Norte, São Bento Do Trairí, São Fernando, São Francisco Do Oeste, São José Do Seridó, São João Do Sabugi, São Miguel, São Miguel Do Gostoso, São Paulo Do Potengi, São Rafael, São Tomé, São Vicente, Sítio Novo, Taboleiro Grande, Taipu, Tenente Ananias, Tenente Laurentino Cruz, Tibau, Timbaúba Dos Batistas, Touros, Triunfo Potiguar, Umarizal, Upanema, Venha-Ver e Viçosa.


Domingo de chuva forte em Jardim de Piranhas; Açude transbordou; VEJA VÍDEOS

Várias casas nos bairros Santa Cecília e Parques das Luzes em Jardim de Piranhas, foram invadidas pela água da chuva que caiu na tarde deste domingo (01). O registro foi de 90 milímetros.

Um reservatório conhecido como “Açude da Fome”, localizado nas imediações do Bairro Parque das Luzes, transbordou jogando muita água nas ruas da localidade. As casas, também ficaram alagadas.

Como a chuva parou, o nível da água baixou, principalmente porque está escorrendo pelas galerias pluviais.

Sangria do Açude da Fome


Inmet emite aviso de chuvas intensas; alagamentos em Natal são monitorados

O Inmet publicou aviso meteorológico no final da manhã desta quarta, alertando para chuvas intensas em 155 municípios potiguares, entre eles a capital Natal. O aviso tem validade até às 10h desta quinta-feira, 20. De acordo com o órgão, as chuvas podem trazer ventos entre 40 e 60 km/h. Ainda de acordo o aviso, a precipitação pode acarretar risco de corte de energia elétrica, queda de galhos de árvores, alagamentos e descargas elétricas.

Em caso de rajadas de vento, o Inmet recomenda que não se abrigue debaixo de árvores e não se estacione veículos próximos a torres de transmissão ou placas de propaganda, além de evitar usar aparelhos eletrônicos ligados à tomada.

*Tribuna do Norte


Previsão da Emparn aponta para inverno em condições normais a acima do normal

A previsão de chuvas no Rio Grande do Norte para 2020 é de precipitações dentro do normal ou acima do normal, segundo prognósticos iniciais da Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (Emparn). Após seis anos de seca, entre 2012 e 2017, o Rio Grande do Norte pode ter seu terceiro ano consecutivo com boas chuvas na quadra chuvosa. As águas que caíram no Estado em 2019, por exemplo, foram as melhores dos últimos sete anos.

Em reunião realizada na tarde desta quinta-feira (16), na sede da Emparn, em Parnamirim, o chefe de Unidade de Meteorologia, Gilmar Bristot, fez avaliações do resfriamento dos oceanos Pacífico e Atlântico, que contribuem para a chegada de chuvas no semiárido do Nordeste. O parecer inicial é positivo.

Se nós tivermos o desenvolvimento das chuvas que estamos prevendo, normal, acima do normal,  poderemos ter uma recuperação sensível dos reservatórios. Em 2019 estávamos trabalhando com percentual de 40 a 45% e chegamos a 35%. Este ano vamos trabalhar com 50% e esperamos chegar a 40% do manancial do Estado“, revela Gilmar Bristot. O Rio Grande do Norte é 93% caracterizado como semiárido.

A média de chuvas no Estado deve variar, a partir das previsões iniciais, entre 800 a 1.200 mm no inverno. Em 2019, por exemplo, essa média ficou entre 830 milímetros, segundo a Emparn.

Esperamos que as chuvas, dependendo da região, no concentrado dos meses até maio, em torno de 800 a 1.200mm, a depender da região. A média do Estado ficou entre 830mm”, disse.

*Leia a notícia completa da Trbuna do Norte, aqui


Junho registra chuvas abaixo do esperado

A análise pluviométrica do Rio Grande do Norte, feita pela equipe da Unidade Instrumental de Meteorologia da Emparn, registra queda de 31,8% de chuvas em relação a média histórica do Estado. A análise revelou a predominância de valores de chuva acumulada acima de 50 mm apenas nas regiões Agreste e Leste.

A irregularidade da chuva ocorrida na Região Agreste, comprometeu de forma definitiva na recarga hídrica dos mananciais da região, pois é o segundo ano consecutivo em que as chuvas ficaram abaixo do normal para o mês de junho. No caso da Região Leste, as poucas chuvas que ocorreram não favoreceu a recarga efetiva da Lagoa do Bonfim, principal fonte de abastecimento de água para vários município do Agreste”, destacou Chefe da Unidade Gilmar Bristot.

A expectativa da EMPARN era de que, devido a influência da região oceânica, as chuvas continuassem a ocorrer nas mesoreregiões leste e agreste do RN, já que climatologicamente, no mês de junho, chove pouco no interior do estado.

Neste ano observou-se uma redução na chuva de modo generalizado, tanto no interior do RN como na faixa leste, apresentando valores abaixo do esperado”, disse Bristot.


Chuvas do RN ficaram acima da média no período de janeiro a maio de 2019

As chuvas registradas no período de janeiro a maio de 2019, no semiárido potiguar, de acordo com a análise pluviométrica do Rio Grande do Norte, elaborada pela Gerência de Meteorologia da Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (EMPARN) ficaram acima da média, em 12,1%, em relação aos últimos sete anos. “A chuva esperada para o período era de 587mm, enquanto que a registrada foi de 658 mm. A média climatológica utilizada neste estudo, refere-se aos postos pluviométricos com mais de 30 anos de dados no período de 1963 a 2007”, salienta o meteorologista, Gilmar Bristot.

As análises apontam que as chuvas ocorridas neste período no Estado, foram ocasionas pela atuação de vários sistemas meteorológicos, sendo os principais os Vórtices Ciclônicos de Ar Superior (VACS) e a Zona de Convergência Intertropical (ZCIT). As condições térmico/dinâmicas das águas superficiais do Oceano Atlântico, mais aquecidas na parte Sul e mais frias do que o normal na bacia Norte também foram fatores que influenciaram diretamente na ocorrência delas.

Continue lendo


Gargalheiras eleva nível com últimas chuvas

Açude Gargalheiras tomou água com chuvas dos últimos dias – (FOTO: Eduardo Silva)

O resultado das últimas chuvas caídas durante a Semana Santa em Acari fizeram com que o Açude Marechal Dutra, o Gargalheiras, recebesse suas primeiras águas neste ano de 2019.

Em conversa com Manoel Medeiros, do DNOCS, o reservatório ganhou 04 metros em seu nível d’água nas últimas horas. A medição foi realizada nesta segunda-feira (22), nas proximidades da parede.

Apesar de uma quantidade considerável, o nível não possibilita ainda o abastecimento do município. Mas as expectativas são as melhores, visto que há previsão de chuva ainda para este mês de abril.

Gargalheiras estava literalmente seco, até a última semana. No registro fotográfico de Eduardo Silva, por volta das 08h, mostra os espetáculos das águas no reservatório.

*Blog do Davi Neto


Volume acumulado de chuvas no mês de fevereiro, ficou 31% acima da média para o Estado

As chuvas ocorridas em fevereiro de 2019 no Estado, foram devido a atuação do sistema meteorológico Vórtice Ciclônico de Ar Superior (VCANS), juntamente com a Zona de Convergência Intertropical (ZCIT). Observou-se uma melhor distribuição espacial e temporal das chuvas em relação ao mês anterior, quando observou-se falta de chuva nas regiões Leste e Agreste.

Os maiores índices pluviométricos médios foram observados na Região do Agreste, seguido pelo Litoral Leste e somente um pequeno desvio percentual negativo médio foi observado na Mesorregião Oeste, mas muito próximo da normalidade. No geral, quando se assume o Estado como um todo o desvio percentual ficou em 31,8% acima da chuva esperada para o mês, isso quer dizer que choveu 31% acima média do mês de fevereiro.

MesorregiãoChuva Obs. Fev/19 (mm)Chuva Esperada Fev (mm)Desvio Obs.  (%)
Oeste116,2116,5-0,2
Central105,293,312,8
Agreste116,469,667,2
Leste136,192,247,6
Estado118,592,931,8


Inverno: Emparn registra boas chuvas em todas as regiões do RN no fim de semana

Mapa da distribuição das chuvas no mês de fevereiro

O monitoramento realizado pela Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (Emparn), mostra boas chuvas e bem distribuídas por todas as regiões potiguares durante o fim de semana. Em Janduís, região Oeste, choveu 130,8 milímetros, município que registrou o maior volume de chuvas de sexta até a manhã de hoje (18).

Segundo o meteorologista da Emparn, Gilmar Bristot, essas boas chuvas foram provocadas devido a atuação da Zona de Convergência Intertropical- principal sistema que provoca chuva no sertão nordestino e um Vórtice Ciclônico- sistema temporário. Nos próximos dias esses sistemas continuam atuando provocando chuvas, principalmente no interior do Estado.

Já são 5 municípios com volume acumulado de chuva, na categoria muito chuvoso; 19 na categoria chuvoso e 64 com volume normal. Uma boa notícia já que estamos apenas no início do período chuvoso. O boletim completo está disponível no nosso site: www.emparn.rn.gor.br


Jucurutu tem o janeiro mais chuvoso desde o início do monitoramento no RN, em 1911

Jucurutu, na região Oeste do Rio Grande do Norte, foi o município potiguar onde mais choveu em janeiro de 2019. O volume acumulado durante todo o mês, foi de 355,7 milímetros, volume bem acima da média que é de 79,3mm, choveu 348,5% acima da média mensal.

O segundo município mais chuvoso foi Janduís, também na região Oeste, onde choveu 243,5mm. Esses volumes de chuva em Jucurutu e Janduís, contribuíram de forma significativa para o aumento da média do mês na região Oeste, que foi de 25,3% acima da média de janeiro.

Na região Oeste esse aumento do volume médio de janeiro foi ainda maior, choveu 34,3% a mais que o normal para o período. Como mostra o quadro abaixo:

Chuvas janeiro

MesorregiãoChuva Obs. Jan/19 (mm)Chuva Esperada (mm)Desvio Obs. Jan/19 (%)
Oeste96,176,725,3
Central79,659,334,3
Agreste33,345,9-27,5
Leste23,959,8-60,0
Estado58,260,4-7,0

Segundo o meteorologista da Emparn, Gilmar Bristot, “as chuvas ocorridas em janeiro de 2019 no Estado, foram devido a atuação do sistema meteorológico Vórtice Ciclônico de Ar Superior (VCANS), e em alguns momentos, juntamente com a Zona de Convergência Intertropical (ZCIT)”.

A atuação desses dois sistemas juntos favoreceu a ocorrência de chuvas nas regiões Oeste e Central, mas atuou com menos intensidade nas regiões Agreste e Litoral, onde o volume de chuva registrado ficou abaixo da média, principalmente no Litoral onde choveu 60% a menos do que normalmente chove no mês de janeiro.

Mesmo tendo chovido bem no sertão potiguar, a falta de chuva no litoral puxou a média do Estado para baixo, o volume de chuva no mês de janeiro em todo o Estado ficou 7% abaixo da média. Ao todo no mês de janeiro, em 39 municípios o volume acumulado ficou acima dos 100 milímetros. Em dois deles, Jucurutu (355,7mm) e Janduís (243,5mm), o acumulado ficou acima dos 200 e 300 milímetros, respectivamente.


Funceme informa as 10 maiores chuvas no Ceará

A Funceme divulgou os registros de chuvas ocorridas nas últimas 24 horas no estado do Ceará.

As 10 maiores, foram:

Ibiapina (Posto: Ibiapina) : 46.0 mm

Santana Do Acaraú (Posto: Santana Do Acarau) : 46.0 mm

Iracema (Posto: Bastioes) : 45.0 mm

Ererê (Posto: Acude Santa Maria) : 43.0 mm

Viçosa Do Ceará (Posto: Manhoso) : 43.0 mm

Independência (Posto: Desejo) : 42.2 mm

Ererê (Posto: São João) : 42.0 mm

Crateús (Posto: Monte Nebo) : 41.0 mm

Forquilha (Posto: Forquilha) : 40.0 mm

Caucaia (Posto: Sitios Novos) : 38.0 mm


Funceme confirma que Ceará teve pré-estação chuvosa acima da média

Com o fim de janeiro, encerra-se o período chamado e Pré-Estação, que teve início em dezembro. Neste período, segundo a Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme), as chuvas ficaram 55,4% acima da média, com observado de 202,5 milímetros. O normal para o bimestre é de 130,3 mm.

“Os sistemas que atuam na Pré-Estação, como Vórtice Ciclônico de Altos Níveis (VCAN) e o Cavado de Altos Níveis (CAN), estiveram mais presentes. Além disso, houve contribuição da ZCIT, que chegou a aproximar-se do Ceará em determinadas situações”, explica o meteorologista Raul Fritz.

As macrorregiões com maiores desvios positivos durante o período de dois meses foram os litorais do Pecém e de Fortaleza com, respectivamente, 115,5% e 98,3%.

Fonte: G1/CE