Réus que tramaram e mataram o Cabo Rangel foram condenados; Somadas, penas chegam a 65 anos

Os três réus, vestidos de branco, foram condenados

O julgamento popular dos réus acusados de tramar e matar, o cabo da Polícia Militar, Edinaldo Alves da Costa Rangel, terminou por volta das 2 horas da madrugada desta quarta-feira (28). Os três foram condenados. A viúva, Rita de Cássia, a uma pena de 26 anos; Seu advogado Bartolomeu Linhares, confirmou que vai recorrer da sentença; O amante de Rita, Valdinez Santos, pegou pena de 21 anos de reclusão. E Thiago Conforte, filho de Rita, foi condenado a pena de 18 anos e 9 meses de reclusão.

No processo, consta que Rita de Cássia, foi a mandante do crime, a pessoa que planejou a morte do marido. Seu filho Thiago, deu o apoio logístico e Valdinez Santos, executou a vítima com tiros a queima roupa.

O crime foi cometido, no dia 19 de abril de 2016, no Bairro Alto da Boa Vista, em Caicó. A vítima dirigia seu carro, um veículo Gol de cor branca. Ao seu lado, estava Rita de Cássia. Eles tinham deixado a roupa na casa da lavadeira. O destino dos dois era o Fórum Amaro Cavalcante, aonde ela receberia alvará para liberação de cerca de R$ 16.000,00. O cabo Rangel queria esse dinheiro para pagar dividas e Rita não concordava. Esse teria sido o motivo principal do crime.

Atuaram na acusação, o Promotor Geraldo Rufino de Araújo Júnior, auxiliado pelos advogados, Anesiano Ramos, Maykol Robson de Morais, Isadora Medeiros de Araújo Costa e Katia Maria Lobo Nunes.

Na defesa de Valdinez Santos, atuou o advogdo, Vivvênio Villeneuve Moura Jácome.

Em defesa de Rita de Cássia, o advogado, Bartolomeu Linhares. E defendendo, Thiago Conforte, o advogado Francisco das Chagas Medeiros.



Justiça condena integrantes de organização criminosa presos em duas operações policiais

A justiça potiguar condenou sete integrantes de uma grande organização criminosa investigada que atuava no comando do tráfico de droga na Região do Trairi do Estado do Rio Grande do Norte. O grupo foi desarticulado na operação denominada “Missionários do Inharé” e seus integrantes identificados na operação denominada de “Anjos Caídos”, tocada pela Polícia Civil do RN.

Os acusados condenados foram: Orlando Vasco dos Santos pegou uma pena de 25 anos, 05 meses e 07 dias de reclusão e 1.914 dias-multa) e Mayksamy dos Santos Pontes foi apenado com 22 anos, 07 meses e 10 dias de reclusão e 1.703 dias-multa. Ambos os condenados foram considerados reincidentes, já que exerciam posição de liderança e comando dentro da organização criminosa e apresentavam alto poder financeiro e de armamento.

Deivid Raú dos Santos Pontes e Edgar Fabrício da Silva pegou penalidade de 16 anos, 01 mês e 02 dias de reclusão e 1.246 dias-multa. Já Gyli Ruan Medeiros de Freitas Batista, Viviane Ferreira Bezerra, Francisco Rômulo da Silva Oliveira pegaram pena de 5 anos, 4 meses e 6 dias de reclusão e 77 dias-multa, cada um.

Continue lendo