Juiz Bretas diz a Gilmar Mendes que corrupção não é crime menor

O juiz federal Marcelo Bretas enviou hoje (4) ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes um ofício no qual afirmou que casos de corrupção não pode ser tratados como crimes de menor gravidade. O documento foi enviado após Mendes mandar soltar, nos últimos 30 dias, 19 presos pelo juiz em investigações relacionadas aos desdobramentos da Operação Lava Jato no Rio de Janeiro.

O ofício foi solicitado pelo ministro e faz parte da instrução do habeas corpus concedido por Mendes ao ex-presidente da Federação do Comércio do Rio de Janeiro (Fecomércio-RJ) Orlando Diniz, que ainda deverá ser julgado definitivamente. Antes de ganhar liberdade, Diniz teve prisão decretada por Bretas.

Continue lendo



Ministro Gilmar Mendes pede investigação sobre suposta acusação de corrupção

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) e presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Gilmar Mendes, solicitou que o diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segóvia, instaure processo para investigar acusação de corrupção feita contra ele.

Em áudio que circulou neste sábado (23), por meio de redes sociais, um homem que se apresenta como juiz que acompanha o processo envolvendo o ex-governador do Rio de Janeiro Anthony Garotinho critica adecisão de Gilmar Mendes de liberar Garotinho e o presidente do PR, Antônio Carlos Rodrigues, presos por determinação do Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro (TRE-RJ). O autor do áudio diz que “a mala foi grande”, insinuando que o ministro teria recebido dinheiro em troca da decisão.

Continue lendo



Dom Antônio volta a criticar corrupção e reformas trabalhista e da previdência

Dom Antônio Carlos critica novamente as reformas da previdência e trabalhista – (Foto: Sidney Silva)

O Bispo da Diocese de Caicó, Dom Antônio Carlos Cruz Santos, em recente entrevista ao Blog Sidney Silva, voltou a criticar o enriquecimento de grandes empresas e de pessoas e lembrou que existe gente vivendo na pobreza e extrema pobreza. Na mesma entrevista ele fala sobre as reformas trabalhista e da previdência e diz que a sociedade não pode ficar de braços cruzados vendo tudo acontecer sem reagir.

Eu me lembro de quando o Papa João Paulo II esteve pela primeira vez na América Latina, no ano de 1979, em Puêbla no México. Ele falava de “ricos, cada vez mais ricos e pobres, cada vez mais pobres” e será João Paulo II que dirá, “Ricos, cada vez mais ricos às custas de pobres, cada vez mais pobres“. A gente sente que existe uma intenção de retrocesso com as reformas trabalhista e previdenciária em nome de uma crise econômica, mas, nós não vemos redução de gastos para os altos funcionários, por exemplo e de grandes devedores da Previdência Social. A própria JBS, que esteve agora na crista da onda com todas essas denúncias, ela deve bilhões à Previdência“, afirma.

Falando sobre corrupção, o Papa Francisco, disse que o dinheiro da corrupção é o dinheiro do povo e que esse deveria ter sido destinado para a Educação, Saúde, Segurança Pública, etc… “Aí você percebe o por que desses setores estarem tão vulneráveis. Agora, por outro lado, a sociedade não pode ficar de braços cruzados. Esse momento delicado que vivemos, deve nos levar a uma mudança de postura. Claro que a gente pode cair no discurso do desespero, que é, procurar o caminho mais curto, dos “salvadores da pátria”. Para nós que CREMOS, ou, a gente faz pelo caminho da paz, justiça e amor, ou nós vamos estar caminhando para um buraco“, diz.

Sobre as respostas que a sociedade deve dar à onda de corrupção vivenciada ao longo dos anos no Brasil, Dom Antônio disse que a Igreja Católica tem tentando fazer a sua parte. “Se nós vamos conseguir os frutos, aí, depende da graça de Deus e da liberdade humana. Se a maior parte da nação, decidir pegar o caminho do desespero, nós vamos pagar caro por isso, mas, cabe a nós, por coerência ao evangelho, falar aquilo que ele nos impele. Eu acho que uma contribuição que a mídia, por exemplo, poderia dar, era a de começar a mostrar às boas alternativas, ou seja, às coisas boas que estão acontecendo. O risco de a gente dar visibilidade a tudo que é negativo, é de uma hora acharmos que está tudo perdido. É preciso suscitar em nós a indignação diante daquilo que é errado, mas, ao mesmo tempo, um grande desejo de fazer o bem“, disse.



Moro condena Cunha a 15 anos de prisão por corrupção, lavagem e evasão de divisa

Juiz Sérgio Moro condena Eduardo Cunha

ABr – O juiz federal Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba, condenou nesta quinta-feira (30), o ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha a 15 anos e quatro meses de prisão pelos crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e evasão de divisas. Além da reclusão, foi fixada uma multa de mais de R$ 250 mil a ser paga pelo ex-deputado.

A sentença foi publicada no final da manhã, no sistema eletrônico da Justiça Federal do Paraná (JFPR). Por ser uma condenação de primeira instância, Cunha poderá recorrer a um tribunal superior. No entanto, Moro determinou no despacho que, mesmo em uma eventual fase recursal, o ex-deputado responda sob regime de prisão cautelar.