Crianças do Bairro Frei Damião participam do projeto “Só Risos”, durante a Festa de Sant’Ana

Crianças do Frei Damião participam do projeto “Só Risos”, durante a Festa de Sant’Ana

A Festa de Sant’Ana é um momento de renovação da espiritualidade, de interação entre os caicoenses presentes e ausentes e, também, de entretenimento, com as festas populares e os parques que se instalam na cidade. Todavia, para muitas crianças essa programação se torna algo distante, pois nem todas pertencem a famílias que contam com recursos financeiros para brincar nos parques ou até mesmo fazer um lanche durante a festa.

Com o objetivo de promover uma verdadeira experiência imersiva das crianças caicoenses durante a Festa de Sant’Ana, o Risoterapia e o Rotaract criaram o projeto “Só Risos”, que esse ano chega a sua segunda edição. O “Só Risos” tem como finalidade proporcionar um dia totalmente diferente para essas crianças, que começa com passeio histórico por vários pontos turísticos da cidade e, logo a seguir, uma hora de diversão nos brinquedos dos parques, como carrossel e roda gigante. A noite finaliza com um lanche daqueles no Big Hangus e sobremesa na Dona Bela Doceria.

As trinta crianças selecionadas para o “Só Risos” residem no Bairro Frei Damião. O critério para a escolha das crianças foi o desempenho escolar: foram selecionados os alunos com as melhores notas e os melhores comportamentos. O projeto “Só Risos” é uma realização do RisoTerapia e do Rotaract, com apoio dos parceiros: Referência Comunicação, Rotary, Espaço da Criança, Produtos 2M, Big Hangus, Dona Bela Doceria e Prefeitura Municipal.



Projeto que beneficia crianças e adolescentes é lançado pela Cáritas Diocesana

Projeto que beneficia crianças e adolescentes é lançado pela Cáritas Diocesana

A Cáritas Diocesana de Caicó lançou o projeto “Defendendo os Direitos e Promovendo a Dignidade de Crianças e Adolescentes”, que será desenvolvido com as comunidades dos bairros João XXIII, João Paulo II, Frei Damião e Nova Caicó.

Na ocasião, foi apresentada a proposta de ação às famílias, parceiros, comunidade e às crianças e adolescentes que serão assistidos pelo projeto. A equipe técnica conta com dois educadores sociais, uma assistente social e uma psicóloga, que farão o acompanhamento das famílias cadastras durante a execução do projeto.

Participaram do lançamento: as crianças e suas respectivas famílias; parceiros como: CRAS ZONA NORTE (Eisnu Victor – Coordenador), Conselho Municipal de Direitos da Criança e do Adolescente – CMDCA – (Santigo Júnior – Presidente), Aldeias infantis SOS Brasil (Lidiane Francisca), além de representação das escolas municipais: Mateus Viana (Maria da Luz – Diretora), Maria Fernandes da Silva (Geraldo Raimundo – Vice-Diretor), Frei Damião (Rita de Cássia – Diretora).

Para a realização desse projeto, a Cáritas Diocesana de Caicó conta com o apoio do Banco Itaú, Prefeitura Municipal de Caicó, Fundo Municipal de Direitos da Criança e do Adolescente (FIA) e Secretaria Municipal do Trabalho, Habitação e Assistência Social (SEMTHAS).



Aumenta o número de pessoas pedindo esmolas nas ruas de Caicó; MP busca solução

É grande o número de pessoas pedindo esmolas nas ruas da cidade de Caicó. São adultos e crianças ao mesmo tempo em vários pontos, principalmente no Centro e nas localidades aonde existe aglomeração de pessoas à noite como a Praça de Alimentação, Ilha de Sant’Ana, entre outros.

O promotor Vicente Elísio de Oliveira Neto, preocupado com a situação, reuniu na semana passada, representantes do Conselho Tutelar e do Conselho dos Direitos da Criança e do Adolescente para tratar sobre o assunto e, principalmente, definir ações para erradicar o problema.

Ao Ministério Público, chegaram denúncias de que pais estariam enviando as crianças para serem pedintes nas ruas. Noutros casos, os próprios adultos se posicionam na frente de lojas comerciais para pedir esmolas.

O adulto que é flagrado usando menores de idade para pedir esmolas, pode responder por vários crimes. Na lei de contravenções penais, o artigo 60 define que mendigar em companhia de menor de 18 anos é uma contravenção. O artigo 232 do Estatuto da Criança e do Adolescente define para os pais, ou responsáveis que submetem a criança à mendicância, uma pena de 6 meses a dois anos de prisão.

Opinião

Sore a situação dos adultos, os órgãos competentes têm que investigar às causas que os estão levando às ruas para pedir esmolas. Existem alguns casos em que o pedinte é agressivo e insistente. Se a pessoa abordada não oferecer nada, ele é xingado.

No caso das crianças, o Conselho Tutelas precisa agir com mais eficiência, o que não parece estar acontecendo. Se a criança está em situação de vulnerabilidade, e ali na rua ela está, quando deveria estar nos bancos das escolas, tem alguma coisa errada. Como já faz muito tempo que o problema existe, percebe-se a falha na atuação do Conselho Tutelar e até de outros órgãos.