Depressão é a principal causa de problemas de saúde e incapacidade em todo o mundo, diz OMS

A depressão afeta pessoas no mundo todo

A depressão afeta pessoas de todas as idades e estilos de vida, causa angústia e interfere na capacidade de o paciente fazer até mesmo as tarefas mais simples do dia a dia. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, atualmente, mais de 300 milhões de pessoas de todas as idades sofrem com a doença em todo o mundo, fazendo com que seja a principal causa de problemas de saúde e incapacidade no mundo inteiro.

De acordo com a OMS, cerca de 5,8% da população brasileira sofrem de depressão – um total de 11,5 milhões de casos. O índice é o maior na América Latina e o segundo maior nas Américas, atrás apenas dos Estados Unidos, que registram 5,9% da população com o transtorno e um total de 17,4 milhões de casos.



Vivaldo Costa propõem amplo debate sobre depressão e combate ao suicídio

Deputado Vivaldo Costa propõem debate sobre suicídios e depressão

A depressão, os altos índices de suicídio, assim como a propagação do jogo “Baleia Azul” tem preocupado o deputado Vivaldo Costa (PROS), que usou a tribuna da Assembleia Legislativa nesta terça-feira (2) para anunciar que propôs, através de requerimento, uma audiência pública para debater os temas na Casa. Para ele, é preciso discutir a valorização da vida e o combate à depressão.

Faremos uma reunião para que a gente possa debater exaustivamente este assunto. Combater a depressão, o suicídio e o jogo Baleia Azul é uma necessidade urgente”, justifica o deputado.

A audiência vai acontecer no mês de maio ainda em data a ser definida.



CERES Caicó promove mesa-redonda sobre depressão

CERES Caicó promove mesa-redonda sobre depressão

O Centro de Ensino Superior do Seridó (CERES) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) promove nesta quinta-feira, (27), uma mesa-redonda para debater sobre depressão. Aberto à comunidade em geral, o evento acontece a partir das 17h, no auditório do campus de Caicó.

Participarão como palestrantes os professores Tiago Rocha Pinto e Lizie Emanuelle E. Brasileiro, da Escola Multicampi de Ciências Médicas (EMCM) da UFRN, além do professor Dulcian Medeiros de Azevedo, da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN).