Desembargadora considera ilegal paralisação das polícias Civil e Militar do RN e determina retorno imediato

Do G1/RN – A desembargadora Judite Nunes acatou pedido da Procuradoria-Geral do Estado e considerou ilegal o movimento que vem sendo realizado pelas polícias Civil e Militar e Corpo de Bombeiros do Rio Grande do Norte. Na decisão, ela determinou que os policiais retomem imediatamente suas funções. Em caso de descumprimento, as associações e sindicatos que representam as categorias podem ser penalizadas. As multas são diárias e vão de R$ 2 mil a R$ 30 mil.

Em contato com o G1, as associações de PMs, bombeiros militares e o Sindicato dos Policiais Civis disseram que ainda não foram notificados oficialmente da decisão, e que realizarão assembleias nesta terça (26) para decidirem o que fazer. Até lá, a PM e o Corpo de Bombeiros seguem fora das ruas e a Polícia Civil, até porque esta segunda (25) é feriado, continua em regime de plantão.



Desembargadora destaca esforço de morador de rua de Parnamirim que passou no ENEM

Desembargadora destaca esforço de morador de rua de Parnamirim que passou no ENEM

Ao destacar, na sessão do Pleno do TJRN desta quarta-feira (15), o valor da educação como forma de alavancar o desenvolvimento da sociedade, a corregedora geral de Justiça, desembargadora Zeneide Bezerra, destacou o esforço do morador de situação de rua, de Parnamirim, que conseguiu ser aprovado em segundo lugar para o curso de Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), por meio do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM). “Ele estudava em bibliotecas e com os livros que lhe chegavam em mãos e isto merece destaque, sobretudo por nós do Judiciário que realizamos programas educacionais como o Justiça & Escola”, citou a magistrada também coordenadora geral do Núcleo de Ações Socioambientais do TJRN (Naps).

Mário Batista da Cruz Júnior, 34, ressalta a desembargadora é a prova de que a educação é o único meio de melhorar a realidade do Brasil. “Soubemos que um grupo de estudantes de Administração está se mobilizando para conseguir recursos e condições para que este rapaz possa estudar na Universidade, e nós da Corregedoria nos unimos a esta ação”, destacou Zeneide Bezerra.