Fátima Bezerra lidera corrida ao Governo do RN com 25,6%, segundo pesquisa Fiern/Certus

Cenário para o Governo do RN

Do Jornal De Fato – Se as eleições fossem hoje, o senadora Fátima Bezerra (PT) e o ex-prefeito de Natal Carlos Eduardo Alves (PDT) passariam para o segundo turno da disputa pelo Governo do Rio Grande do Norte. São os dois primeiros, segundo pesquisa Fiern/Consult.

No quesito estimulado, Fátima lidera com 25,60%, seguida de Carlos Eduardo com 14,54%. A diferença de um para o outro é de 11,06%.

Essa diferença vai para apenas 1,56% no quesito espontâneo, com Fátima aparecendo com 5,89% contra 4,33% de Carlos Eduardo.

Veja os cenários:

ESTIMULADO

Fátima Bezerra (PT) – 25,60%

Carlos Eduardo Alves (PDT) – 14,54%

Geraldo Melo (PSDB) – 7,66%

Outros candidatos – 11,84%

Nenhum – 31,49%

Não sabe – 8,87%

ESPONTÂNEO

Fátima Bezerra – 5,89%

Carlos Eduardo Alves – 4,33%

Não sabe – 61,56%

Nenhum – 22,34%

SEGUNDO TURNO

Para o 2º turno, na pesquisa estimulada contou com 18 cenários. Se as eleições fossem hoje, nas simulações de 2º turno, Fátima Bezerra seria eleita em todos os cenários.

Carlos Eduardo ganharia de todos os candidatos, com exceção de Fátima. E o governador Robinson Farias (PSD) não seria eleito em nenhum dos cenários.

VOTO CASADO:  GovernadorXPresidente

Quando questionado o voto casado de Governador e Presidente, entre os eleitores de Fátima Bezerra 18,39% votam em Fátima e candidato do PT, 16,14% Fátima e Ciro e 10,76% Fátima e Marina Silva.

Entre os que dizem votar em Carlos Eduardo, o voto casado fica 11,27% Carlos e Marina Silva, de 8,45% Carlos com Ciro Gomes e 8,45% também no voto casado em Carlos e Candidato do PT.

A pesquisa foi elaborada no período de 27 a 30 de abril, com 1410 entrevistados, em 7 regiões, 40 municípios e com margem de erro de 3% para mais ou para menos.

O perfil do entrevistado foi de 46,24% homens e 53,76% mulheres.

A pesquisa está registrada na justiça eleitoral sob os números RN-01096/2018 e BR-08786/2018.

VEJA MAIS

Mesmo preso, Lula tem a preferência do eleitor potiguar

Governador Robinson Faria é o mais rejeitado



Eleições 2018: saiba para quem o voto é facultativo e obrigatório

Eleitores maiores de 70 anos não tem obrigação de votar

No próximo dia 7 de outubro, cerca de 147 milhões de eleitores poderão manifestar sua vontade política nas urnas ao votar nos candidatos aos cargos de presidente e vice-presidente da República, governador e vice-governador, senador e deputados federais e estaduais/distritais. A Constituição Federal prevê que a soberania popular será exercida, entre outros, “pelo sufrágio universal e pelo voto direto e secreto, com valor igual para todos”, porém o voto é facultativo para algumas categorias de eleitores.

Continue lendo



CNI divulga hoje pesquisa do Ibope sobre as eleições de 2018

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) divulgará nesta terça-feira (13) a pesquisa inédita Retratos da Sociedade Brasileira – Perspectivas para as eleições de 2018, feita em parceria com o Ibope com 2 mil pessoas em 127 municípios. A pesquisa aponta o que o brasileiro defende que seja o foco do próximo presidente da República, as características pessoais e profissionais que buscam nos candidatos, quais partidos políticos têm mais simpatia dos eleitores, entre outras informações. O resultado da pesquisa tem recortes por região do país.

Continue lendo



TSE: Justiça define modelos de lacres da urna e envelopes a serem usados nas eleições de 2018

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) aprovou resolução que dispõe sobre os modelos de lacres e seu uso nas urnas, etiquetas de segurança e envelopes com lacres de segurança a serem utilizados nas eleições de 2018.

O texto estabelece o formato, o material e o responsável pela confecção dos lacres, das etiquetas e dos envelopes, descrevendo, ainda, como serão utilizados e as respectivas finalidades. Dessa forma, os lacres e os envelopes a serem utilizados devem seguir algumas especificações para o primeiro e segundo turnos.



A um ano das eleições, pesquisas apontam cenário polarizado

O Brasil decidirá, em menos de um ano, qual será nome do novo presidente da República. A eleição de 2018 para o Palácio do Planalto promete ser uma das mais acirradas e polarizadas da história do país. Desde a crise política que culminou no impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, o assunto tem tomado conta do debate público, fazendo com que possíveis candidaturas despontassem de forma precoce.

Na semana passada, o Ibope, um dos principais institutos de pesquisa do país, divulgou sua primeira pesquisa de intenção de voto para 2018. O cenário mostra uma liderança, com certa vantagem, do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). O petista teria 35% das intenções de voto contra 13% do segundo colocado, o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC). Capitão da reserva do Exército, o político conservador nunca disputou um cargo ao executivo, mas tem demonstrado ter fôlego para a disputa presidencial. Atrás de Lula e Bolsonaro, estão a ex-senadora Marina Silva (Rede), com 8%, o governador paulista, Geraldo Alckmin (PSDB), e o apresentador de televisão Luciano Huck (sem partido), com 5%, e o prefeito paulistano, João Doria, com 4%. O ex-ministro Ciro Gomes (PDT) tem 3% das intenções de voto.

O cenário, porém, é visto com ressalvas por analistas. O cientista político Rócio Barreto acredita que o ex-presidente Lula não poderá se candidatar, sendo barrado pela Lei da Ficha Limpa. Neste ano, o petista foi condenado por corrupção pelo juiz Sergio Moro e pode ser barrado caso a pena seja confirmada em segunda instância. “O Lula possivelmente vai ser condenado em segunda instância e possivelmente não poderá ser candidato. Ainda é muito cedo para a gente avaliar cenários com perspectivas que possam realmente acontecer”, afirma o analista.

Por conta desta situação, o cenário sem o ex-presidente no páreo também foi especulado pelo Ibope. Nesta hipótese a dianteira seria dividia entre Bolsonaro e Marina Silva, ambos com 15%. Mas o nome do militar da reserva volta a chamar atenção, pois Marina Silva conta com um recall de duas eleições presidenciais e, portanto, é mais conhecida pela população.

Continue lendo