Please enter banners and links.


Primavera tem previsão de temperatura elevada

Gráfico mostra as temperaturas em Outubro 2019

A estação da primavera no Hemisfério Sul do planeta começou neste domingo (22), às 04h50 e termina no dia 21 de dezembro às 8h02, quando começa o verão. De acordo com a Unidade Instrumental de Meteorologia da Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (EMPARN), a primavera representa o início do período mais quente no Hemisfério Sul.

Os dias ficarão mais longos do que as noites, as temperaturas aumentarão e o vento na costa leste do Nordeste tende a diminuir com o enfraquecimento do centro de Alta Pressão do Atlântico Sul. Quanto às chuvas, a estação é a mais seca do ano. Os valores são baixos, tanto no litoral como no interior.

O meteorologista Gilmar Bristot, destaca que “no início da primavera as condições climáticas não terão mudanças significativas aqui no Rio Grande do Norte, pois em todas as regiões, a variável que define o clima, a chuva, praticamente estará ausente, uma vez, que está época do ano e o período de estiagem. As temperaturas máximas e mínimas irão aumentando com o passar dos dias até atingirem os maiores valores durante o mês de outubro. Ao contrário a umidade relativa do ar, nas regiões do interior, apresentarão os menores valores, em média abaixo de 50%, atingindo concentrações ainda menores em determinados horários do dia, por exemplo no período da tarde, onde a temperatura atinge valores máximos e a umidade do ar valores mínimos”.

No aspecto global, segundo Bristot, quando se analisa a presença de algum fenômeno climático ou meteorológico que possa ocasionar alguma mudança no comportamento do clima, evidencia-se o início do resfriamento do Oceano Pacífico Tropical, significando que a estação de primavera irá ocorrer sob condições normais na circulação atmosférica dos ventos. Quanto ao comportamento do Oceano Pacífico, está em fase de transição da fase quente da oscilação sul (El Niño) para uma fase mais fria, e para a primavera (próximos três meses), predominará uma condição de neutralidade no Oceano Pacífico Equatorial.



Junho registra chuvas abaixo do esperado

A análise pluviométrica do Rio Grande do Norte, feita pela equipe da Unidade Instrumental de Meteorologia da Emparn, registra queda de 31,8% de chuvas em relação a média histórica do Estado. A análise revelou a predominância de valores de chuva acumulada acima de 50 mm apenas nas regiões Agreste e Leste.

A irregularidade da chuva ocorrida na Região Agreste, comprometeu de forma definitiva na recarga hídrica dos mananciais da região, pois é o segundo ano consecutivo em que as chuvas ficaram abaixo do normal para o mês de junho. No caso da Região Leste, as poucas chuvas que ocorreram não favoreceu a recarga efetiva da Lagoa do Bonfim, principal fonte de abastecimento de água para vários município do Agreste”, destacou Chefe da Unidade Gilmar Bristot.

A expectativa da EMPARN era de que, devido a influência da região oceânica, as chuvas continuassem a ocorrer nas mesoreregiões leste e agreste do RN, já que climatologicamente, no mês de junho, chove pouco no interior do estado.

Neste ano observou-se uma redução na chuva de modo generalizado, tanto no interior do RN como na faixa leste, apresentando valores abaixo do esperado”, disse Bristot.



Chuvas do RN ficaram acima da média no período de janeiro a maio de 2019

As chuvas registradas no período de janeiro a maio de 2019, no semiárido potiguar, de acordo com a análise pluviométrica do Rio Grande do Norte, elaborada pela Gerência de Meteorologia da Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (EMPARN) ficaram acima da média, em 12,1%, em relação aos últimos sete anos. “A chuva esperada para o período era de 587mm, enquanto que a registrada foi de 658 mm. A média climatológica utilizada neste estudo, refere-se aos postos pluviométricos com mais de 30 anos de dados no período de 1963 a 2007”, salienta o meteorologista, Gilmar Bristot.

As análises apontam que as chuvas ocorridas neste período no Estado, foram ocasionas pela atuação de vários sistemas meteorológicos, sendo os principais os Vórtices Ciclônicos de Ar Superior (VACS) e a Zona de Convergência Intertropical (ZCIT). As condições térmico/dinâmicas das águas superficiais do Oceano Atlântico, mais aquecidas na parte Sul e mais frias do que o normal na bacia Norte também foram fatores que influenciaram diretamente na ocorrência delas.

Continue lendo



Chuvas devem voltar em Junho, diz Emparn

No mês de junho, lembra o meteorologista da EMPARN, Gilmar Bristot, “tem-se o início do período seco no interior do Estado, devido ao afastamento da Zona de Convergência Intertropical (ZCIT). As chuvas mais significativas ficam restritas as regiões Leste e Agreste, ocasionadas pelos sistemas meteorológicos de origem oceânicos (pulsos de leste e sistemas de brisa)”.

As atuais condições oceânicas/atmosféricas mostram um enfraquecimento do Fenômeno El Niño no Oceano Pacífico e com tendência de normalidade para os próximos meses.

Esse comportamento, El Niño fraco no oceano Pacífico, associado a uma melhora nos campos da pressão atmosférica e vento na superfície do Oceano Atlântico Sul, indicam que as chuvas deverão normalizar durante a segunda quinzena do mês de junho, com índices pluviométricos que deverão variar entre 30 milímetros (mm) a 50mm no interior, de 50 a 150mm no Agreste e de 150 a 250mm no Litoral Leste.



Sábado é dia de dois leilões com animais com a genética da EMPARN

Leilão da urna ExpoNovos da raça caprino Canindé

Amanhã (04), dentro da programação da XXII Exposição Agropecuária de Currais Novos (EXPONOVOS), a Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (EMPARN) vai realizar dois leilões, para  venda de animais bovinos, caprinos e ovinos do seu plantel.

Serão leiloados quatro animais, sendo dois caprinos da raça Canindé e dois ovinos da raça Morada Nova, na nova modalidade de leilão, o ‘Leilão da Urna’, onde os interessados vão depositar suas propostas em uma urna, das 9 às 17h. Os animais serão leiloados em lotes individuais, a partir de um valor mínimo. “Vamos repetir a experiência exitosa que tivemos na ExpoPotengi e com isso levar aos produtores da região a qualidade genética dos rebanhos da Emparn”, destacou o Diretor Presidente, Rodrigo Maranhão.

O vencedor deverá fazer o pagamento à vista, para remoção dos animais no ato ou o pagamento de 30% e o restante em dois dias úteis, sem a cobrança de qualquer comissão de compra.

Já no tradicional leilão “Seridó Terra do Leite”, que vai começar às 20h, no Parque de Exposições José Bezerra, a EMPARN vai oferecer aos criadores potiguares 10 animais, entre tourinhos e matrizes bovinos das raças Gir, Guzerá, Sindi, Pardo Suiça, além de mestiças. Os animais serão leiloados em lotes individuais, com a seguinte condição de pagamento: 24  parcelas, sendo duas, mais duas e mais 20, sem juros. As duas primeiras parcelas pagas por ocasião da liberação dos animais e as demais através de vias promissórias bancárias.

Os animais estarão disponibilizados para remoção, com os seus respectivos atestados de brucelose e tuberculose e cópias dos registros, no domingo(5).  Uma equipe do Instituto de Defesa e Inspeção Animal do RN (Idiarn) estará presente para a liberação dos animais.

A empresa estadual de pesquisa agropecuária realiza leilões no Circuito Estadual de Exposições Agropecuárias, durante todo o ano, e também vai realizar a distribuição de palma forrageira e sementes, além da venda de mudas de côco e banana e outros materiais.



Itans não teve recarga expressiva em 2019; Emparn ainda vê boas condições para chuvas

Itans não teve recarga expressiva com chuvas de 2019 – (FOTO: Sidney Silva)

O açude Itans em Caicó, continua com o volume morto. Ou seja, não houve recarga com as chuvas registradas neste ano.

De acordo com dados do Instituto de Gestão das Águas do Rio Grande do Norte – IGARN, o reservatório está com 1 milhão e 409 mil metros cúbicos de água. Quando está cheio, acumula, 81 milhões e 750 mil m³.

Sobre as chuvas registradas de janeiro até este mês de abril em Caicó, a Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte – EMPARN, informa que no pluviômetro instalado no ITANS, as precipitações acumularam 470,7 milímetros.

Matéria divulgada na Tribuna do Norte esta semana lembra que estamos a 40 dias do fim do inverno na região do semiárido do Rio Grande do Norte e a expectativa se volta ao o mês de maio para fins de recarga dos açudes e barragens de maior porte — até essa semana acumulando 30,16% da capacidade de reserva.

A Emparn diz que as condições climáticas são boas e apontam para continuidade das chuvas, mas reconhece que o ideal seria um acumulado entre 300mm e 400mm, somente no mês de maio, para elevar essa reserva hídrica a 45%. O mais recente registro de chuvas com essa média, para um mês de maio no RN, foi em 1995.



Emparn sedia a II Reunião de Análise Climática para o Semiárido do Nordeste Brasileiro

Nos próximos dias 21 e 22 (quinta e sexta), será realizada na sede da Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte, a II Reunião de Análise Climática para o Semiárido do Nordeste Brasileiro, a primeira reunião foi em Fortaleza/CE, no mês de janeiro. A reunião vai contar com a participação de meteorologistas dos centros de pesquisa da região Nordeste e do Centro de Pesquisa Tempo e Estudos Climáticos (Cptec).

Essa é a última reunião que vai definir como vai ser a quadra chuvosa no semiárido do Nordeste. Durante a reunião, os meteorologistas vão analisar e discutir o comportamento das condições oceânico-atmosféricas e qual a influência delas na ocorrência de chuva no semiárido, no período de março a maio, inverno no sertão potiguar. Na última reunião, em Forteleza/CE, a conclusão foi que no período chuvoso no semiárido potiguar seria de normal a acima do normal. A expectativa pelo resultado dessa reunião, no Rio Grande do Norte, é porque é a mais próxima do período chuvoso, o que favorece uma análise mais exata dos modelos meteorológicos e das condições oceano-atmosféricas para a elaboração da previsão, pelos meteorologistas.

No Rio Grande do Norte, 92% do seu território é semiárido, engloba a região Central, Oeste e quase toda região Agreste. No semiárido, o período de inverno vai de fevereiro a maio, com exceção de parte da região agreste onde o período chuvoso se estende até o mês de agosto.



Inverno: Emparn registra boas chuvas em todas as regiões do RN no fim de semana

Mapa da distribuição das chuvas no mês de fevereiro

O monitoramento realizado pela Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (Emparn), mostra boas chuvas e bem distribuídas por todas as regiões potiguares durante o fim de semana. Em Janduís, região Oeste, choveu 130,8 milímetros, município que registrou o maior volume de chuvas de sexta até a manhã de hoje (18).

Segundo o meteorologista da Emparn, Gilmar Bristot, essas boas chuvas foram provocadas devido a atuação da Zona de Convergência Intertropical- principal sistema que provoca chuva no sertão nordestino e um Vórtice Ciclônico- sistema temporário. Nos próximos dias esses sistemas continuam atuando provocando chuvas, principalmente no interior do Estado.

Já são 5 municípios com volume acumulado de chuva, na categoria muito chuvoso; 19 na categoria chuvoso e 64 com volume normal. Uma boa notícia já que estamos apenas no início do período chuvoso. O boletim completo está disponível no nosso site: www.emparn.rn.gor.br



Áreas de instabilidades trazem chuvas para o Nordeste

Imagens de satélite mostram instabilidades que podem provocar chuvas no Nordeste

Nesta quarta-feira (14), chuvas moderadas a fortes atingiram a Região Nordeste, com maior concentração no litoral entre os estados de Pernambuco, Paraíba e Rio Grande do Norte. Os maiores índices pluviométricos ocorrem em João Pessoa, com valores acumulados superando os 120mm.

No Rio Grande do Norte, as chuvas mais fortes aconteceram durante a noite em Natal, com valores que variaram entre 50mm a 80mm. Essas chuvas ocorreram devido a atuação conjunta de dois Sistemas Meteorológicos, Vórtice Ciclônico de Ar Superior (VCANS) e Zona de Convergência Intertropical (ZCIT).

Como as condições das águas do oceano Atlântico estão com temperaturas acima de 28ºC próximo do litoral nordestino, houve um favorecimento na intensificação das instabilidades e na ocorrência de chuvas, que só não foram maiores porque o vento em superfície estava soprando de nordeste.

Imagem de Satélite GOES 16 às 07 horas da manhã desta quarta (14), mostra instabilidades devido a presença da Zona de Convergência Intertropical sobre a Região Nordeste.

A previsão para as próximas horas é de que as instabilidades tropicais permaneçam sobre a região Nordeste causando chuvas em todo o estado do Rio Grande do Norte.



Emparn confirma início do período chuvoso no semiárido potiguar

O monitoramento de chuvas, realizado pela Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (Emparn) mostra que no último fim de semana (08 a 11/02) choveu em todas as regiões do Rio Grande do Norte.Nos 10 primeiros dias de fevereiro, o acumulado de chuvas mostra que está chovendo bem no interior do estado, situação que já vem favorável desde o mês de janeiro. Neste mês de fevereiro, até hoje (11), há registro de 1 município na categoria muito chuvoso, 7 na de chuvoso e 29 com volume acumulado na média. O que segundo o meteorologista da Emparn, Gilmar Bristot, confirma o início do período chuvoso no semiárido potiguar. Esse período começa normalmente na segunda quinzena de fevereiro e segue até o mês de maio, mas este ano as chuvas vieram mais cedo, levando esperança de um bom inverno para o agricultor potiguar, depois de 6 anos de seca severa.

Início do período chuvoso do Rio Grande do Norte é confirmado pela Emparn

Nos 10 primeiros dias de fevereiro, o acumulado de chuvas mostra que está chovendo bem no interior do estado, situação que já vem favorável desde o mês de janeiro. Neste mês de fevereiro, até hoje (11), há registro de 1 município na categoria muito chuvoso, 7 na de chuvoso e 29 com volume acumulado na média. O que segundo o meteorologista da Emparn, Gilmar Bristot, confirma o início do período chuvoso no semiárido potiguar. Esse período começa normalmente na segunda quinzena de fevereiro e segue até o mês de maio, mas este ano as chuvas vieram mais cedo, levando esperança de um bom inverno para o agricultor potiguar, depois de 6 anos de seca severa.

Essa situação confirma a previsão climática feita pela Emparn, no mês passado, quando a análise das condições oceânicas/atmosféricas se mostrava favorável à ocorrência de chuva no semiárido nordestino. Fatores como a presença do Fenômeno El Niño fraco a moderado no Oceano Pacífico, e com tendência de apresentar uma diminuição na sua intensidade nos meses de fevereiro a maio. De acordo com Gilmar Bristot, esse comportamento, El Niño fraco, é favorável a ocorrência de chuvas na região Nordeste neste período do ano, e quando associado às boas condições apresentadas pelo Oceano Atlântico, o cenário é ainda mais favorável a ocorrência de boas chuvas na região.

Além das condições já citadas, outro importante fator para ter um bom inverno no interior do Estado, é a presença da Zona de Convergência Intertropical (ZCIT), principal sistema meteorológico que provoca chuva no sertão nordestino. Sistema que este ano começou a atuar mais cedo, desde janeiro e se intensificou nesses primeiros dias de fevereiro. As previsões indicam que as chuvas deverão continuar, mas com uma melhor distribuição espacial, quando comparado a janeiro de 2019, mês que registrou chuvas intensas, mas bem localizadas em alguns municípios. Essa melhor distribuição de chuva é porque a Zona de Convergência Intertropical (ZCIT) está atuando com mais frequência, associada à presença de Frentes Frias e Vórtices Ciclônicos de Ar Superior (VCANS). No boletim de chuvas do fim de semana divulgado hoje (11) pela Emparn, podemos notar essa situação, choveu em todas as regiões do RN.



Com El Niño enfraquecendo, RN pode ter boas chuvas em fevereiro

A atuais condições oceânicas/atmosféricas mostram presença do Fenômeno EL NIÑO fraco a moderado no Oceano Pacífico, e com tendência de apresentar uma diminuição na sua intensidade nos próximos meses. Esse comportamento, El Niño Fraco, é favorável a ocorrência de chuvas na região Nordeste do Brasil para o período de fevereiro a maio de 2019, quando associado às boas condições apresentadas pelo Oceano Atlântico, onde a bacia norte deste oceano está mais frio do que a bacia sul.

Para fevereiro, as previsões indicam que as chuvas deverão continuar, mas com uma melhor distribuição espacial, quando comparado à janeiro de 2019, pois a Zona de Convergência Intertropical (ZCIT) deverá atuar com mais frequência, associada à presença de Frentes Frias e Vórtices Ciclônicos de Ar Superior (VCANS).



Jucurutu tem o janeiro mais chuvoso desde o início do monitoramento no RN, em 1911

Jucurutu, na região Oeste do Rio Grande do Norte, foi o município potiguar onde mais choveu em janeiro de 2019. O volume acumulado durante todo o mês, foi de 355,7 milímetros, volume bem acima da média que é de 79,3mm, choveu 348,5% acima da média mensal.

O segundo município mais chuvoso foi Janduís, também na região Oeste, onde choveu 243,5mm. Esses volumes de chuva em Jucurutu e Janduís, contribuíram de forma significativa para o aumento da média do mês na região Oeste, que foi de 25,3% acima da média de janeiro.

Na região Oeste esse aumento do volume médio de janeiro foi ainda maior, choveu 34,3% a mais que o normal para o período. Como mostra o quadro abaixo:

Chuvas janeiro

MesorregiãoChuva Obs. Jan/19 (mm)Chuva Esperada (mm)Desvio Obs. Jan/19 (%)
Oeste96,176,725,3
Central79,659,334,3
Agreste33,345,9-27,5
Leste23,959,8-60,0
Estado58,260,4-7,0

Segundo o meteorologista da Emparn, Gilmar Bristot, “as chuvas ocorridas em janeiro de 2019 no Estado, foram devido a atuação do sistema meteorológico Vórtice Ciclônico de Ar Superior (VCANS), e em alguns momentos, juntamente com a Zona de Convergência Intertropical (ZCIT)”.

A atuação desses dois sistemas juntos favoreceu a ocorrência de chuvas nas regiões Oeste e Central, mas atuou com menos intensidade nas regiões Agreste e Litoral, onde o volume de chuva registrado ficou abaixo da média, principalmente no Litoral onde choveu 60% a menos do que normalmente chove no mês de janeiro.

Mesmo tendo chovido bem no sertão potiguar, a falta de chuva no litoral puxou a média do Estado para baixo, o volume de chuva no mês de janeiro em todo o Estado ficou 7% abaixo da média. Ao todo no mês de janeiro, em 39 municípios o volume acumulado ficou acima dos 100 milímetros. Em dois deles, Jucurutu (355,7mm) e Janduís (243,5mm), o acumulado ficou acima dos 200 e 300 milímetros, respectivamente.



Seridó teve boas chuvas no final de semana

A Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte –  Emparn, divulgou as chuvas registradas entre às 07hs da manhã de sexta-feira (25) e às 07hs da manhã desta segunda-feira (28).

De acordo com o órgão, choveu em 31 localidades e uma das  maiores foi na região Seridó.

Confira:

MESORREGIÃO OESTE POTIGUAR

Jucurutu (Emater) 98mm
Umarizal (Fazenda Camponesa (partic)) 55,2mm
Severiano Melo (Prefeitura) 45mm
Pau dos Ferros (Particular) 40mm
Olho D’agua dos Borges (Particular) 33,5mm
Patu (Particular) 28mm
Parau (Prefeitura) 27mm
Janduis (Emater) 22mm
Rafael Godeiro (Emater) 20,6mm
Dr. Severiano (Emater) 17,5mm
Rodolfo Fernandes (Prefeitura) 16mm
Caraúbas (Particular) 10,7mm
Encanto (Prefeitura) 10mm
Itajá (Emater) 10mm
Campo Grande (Particular 2) 9,5mm
São Rafael (Emater) 8,9mm
Lucrécia (Emater) 8,6mm
Upanema (Prefeitura) 7,5mm
Apodi (Prefeitura) 7mm
São Rafael (Particular Ii) 5,9mm
Martins (Particular) 5mm
São Francisco do Oeste (Prefeitura) 5mm
Campo Grande (Particular) 3,5mm
Francisco Dantas (Emater) 3mm
Água Nova (Prefeitura) 2,5mm

MESORREGIAO CENTRAL POTIGUAR

São Vicente (Emater(ex-particular)) 61mm
São Jose do Seridó (Associação Usuários Água) 33mm
Cerro Corá (Emater) 28,8mm
Florânia (Sítio Jucuri) 25,6mm
Fernando Pedroza (Emater) 23mm
Jardim do Seridó (Emater/passagem) 14,3mm
Angicos (Prefeitura) 12,3mm
Timbaúba dos Batistas (Prefeitura-fz. Timbauba) 10mm
Santana do Seridó (Emater) 9,5mm
São João do Sabugi (Emater) 4,5mm
Cruzeta (Base Física da Emparn) 3,6mm
Caicó (Açude Itans) 2,4mm
Santana do Matos (Emater) 2mm
São Fernando (Emater) 1,9mm

MESORREGIAO AGRESTE POTIGUAR

Boa Saúde (Emater) 33mm
Jacana (Emater) 24,4mm
Coronel Ezequiel (Particular) 17,5mm
Rui Barbosa (Emater) 11,6mm
Barcelona (Particular) 8,2mm
Nova Cruz (Emater) 7mm
Monte das Gameleiras (Emater) 6mm
Monte Alegre (Emater) 3mm
Parazinho (Emater – Ex-particular) 1,5mm
Japi (Particular) 1mm

MESORREGIAO LESTE POTIGUAR

Baia Formosa (Destilaria Vale Verde) 28,6mm
Montanhas (Prefeitura) 20,3mm
Goianinha (Emater) 14,8mm
Natal – 10,1mm
Parnamirim (Base Física da Emparn) 2,9mm
Espirito Santo (Prefeitura) 2,9mm



Emparn registra chuva em 26 localidades do RN

A Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte – EMPARN, divulgou nesta manhã os registros de chuvas ocorridas entre às 07hs da manhã de quinta (16) e 7hs da manhã de sexta (17).

De acordo com o órgão, choveu em pelo menos 26 localidades.

Confira:

MESORREGIAO OESTE POTIGUAR

Jose da Penha (Emater) 57mm
Tenente Ananias (Emater – St Mororo) 55mm
Água Nova (Prefeitura) 48,5mm
São Francisco do Oeste (Prefeitura) 42mm
Francisco Dantas (Emater) 25mm
Ipanguaçu (Base Física da Emparn) 21,1mm
Pau dos Ferros (Particular) 18mm
Serrinha dos Pintos (Prefeitura) 18mm
Carnaubais (Emater) 16mm
Alto do Rodrigues (Diba/baixo Assu) 9,5mm
São Rafael (Particular Ii) 8,6mm
Martins (Particular) 8mm
Assu (Emater/St. Casa Forte) 5,8mm
Baraúna (Emater) 5mm
Venha Ver (Emater) 5mm
Lucrécia (Emater) 1,2mm
Upanema (Prefeitura) 1mm

MESORREGIAO CENTRAL POTIGUAR

São Vicente (Emater (ex-particular)) 38,6mm
Florânia (Sítio Jucuri) 28,4mm
Cruzeta (Base Física da Emparn) 10,4mm
São Jose do Seridó (Associação Usuários Água) 3,5mm
Angicos (Prefeitura) 2mm
Fernando Pedroza (Emater) 1,4mm

MESORREGIAO LESTE POTIGUAR

Extremoz (Emater) 11,1mm
Parnamirim (Base Física da Emparn) 0,7mm
Natal 0,5mm



EMPARN instala primeira Estação Meteorológica Automática

Estação meteorológica automática é inaugurada pela Emparn

A Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (EMPARN), concluiu nesta semana a instalação da primeira Estação Meteorológica Automática, conhecida também como PCD. Esse equipamento faz parte do projeto de Modernização da Meteorologia Potiguar. Essa primeira estação foi instalada no Centro de Treinamento da Emater/RN (CETERN), em São José de Mipibu, região Agreste do Estado. Ao todo serão instaladas mais 14 Estações Automáticas (PCDs-Plataformas de Coleta de Dados) e 100 telepluviômetros, atendendo todas as regiões do Estado.

Continue lendo