Advogado preso em Caicó é transferido para Apodi

Advogado Geovaniny Pimentel foi transferido para Apodi

O advogado, Geovaniny Fonseca Pimentel, que está preso desde o dia 28 de outubro de 2017, acusado de porte ilegal de arma de fogo e associação criminosa, foi transferido na manhã desta quarta-feira (17), para o Centro de Detenção Provisória da cidade de Apodi/RN. Ele estava recolhido em uma das celas do CDP de Jucurutu e lá ocupava o espaço com outros dois policiais. Representantes da OAB, pediram à Justiça que Geovaniny fosse transferido para um local onde ficasse sozinho e como em Apodi, tem cela especial, foi transferido.

O advogado foi transferido pela manhã e ficará à disposição da Justiça aguardando decisão que o ponha em liberdade como pleiteiam seus defensores.

Já foram impetrados pedido de liberdade em favor de Geovaniny, mas, nenhum foi concedido.

O advogado foi detido na companhia de Wanderson Hébert Farias e Luís Carlos Soares na noite de sábado, dia 28 de outubro, nas imediações da Praça Dom José Delgado, no Bairro Paraíba em Caicó. No carro onde estavam, foram encontradas duas armas de fogo, sendo um revólver de calibre 22 e outro de calibre 32, este último pertencente ao advogado Geovaniny.

Consta ainda no processo, informação de que os presos Wanderson e Luiz Carlos, teriam dito em depoimento que iriam fazer um assalto em uma academia localizada nas imediações de onde foram presos e que não o fizeram porque viram um policial no local.

A prisão do trio se deu depois que a movimentação suspeita foi identificada. Uma viatura que fazia rondas no setor logo foi acionada e fez a abordagem no carro que era ocupado pelos suspeitos.

O advogado disse em seu depoimento que passava no local e reconheceu um de seus clientes e parou para cobrar honorários advocatícios.



Advogado preso em Caicó tem habeas corpus negado no TJRN

O advogado, Geovaniny Fonseca Pimentel, que está preso no Centro de Detenção Provisória de Jucurutu, permanecerá detido. Na manhã desta terça-feira (28), o Tribunal de Justiça negou o pedido de Habeas Corpus impetrado de Geovaniny Fonseca.

Na decisão, o Desembargador, Gilson Barbosa Albuquerque, destacou que “a Câmara Criminal, à unanimidade de votos, em consonância com o parecer da 7ª Procuradoria de Justiça, conheceu parcialmente do presente habeas corpus e, nesta parte, denegou a ordem, nos termos do voto do Relator. Foi lido o acórdão e aprovado”. 

O advogado foi detido no dia 28 de outubro deste ano em Caicó na companhia de outras duas pessoas que tinham mandados de prisão em aberto.



Juiz decreta preventiva de trio e suspende atividades advocatícias de Geovaniny

O juiz criminal de plantão na Comarca de Caicó, Luiz Cândido de Andrade Villaça, decidiu na tarde deste domingo (29) pela decretação da prisão preventiva de Wanderson Arbete de Farias, Luiz Carlos Soares e do advogado Geovaniny Fonseca Pimentel. Eles foram presos na sexta-feira passada com armas de fogo e após tentarem roubar a academia CACTUS CROSSFIT, localizada no centro da cidade.

Na decisão, o magistrado homologa o flagrante feito na Delegacia de Polícia Civil, decreta a preventiva do trio e determina a suspensão do exercício da função de advogado para Geovaniny Pimentel, haja vista fundada suspeita de utilização das prerrogativas para prática de infrações penais. “O contexto da prisão do advogado, ao menos no presente momento processual, a prática de conduta é incompatível com a advocacia”, destaca.

Os dois homens que estavam no carro do advogado, Wanderson Arbete e Luiz Carlos, tinham em aberto três mandados de prisão (dois para o primeiro e um para o segundo).

Ainda na decisão, consta que “as informações colhidas indicam que o advogado, além de proprietário e motorista do veículo utilizado na tentativa abortada de roubo, também se afiguraria como o beneficiário material (e talvez principal) do mencionado crime, visto que os demais envolvidos falaram sobre uma dívida de honorários que Wanderson teria com ele, a sua cobrança e as tratativas de acerto. Fato gravíssimo em se tratando de um profissional do Direito“.

Veja a Sentença completa.



MP é favorável a decretação da prisão preventiva de advogado e dos outros presos

O promotor de justiça, Geraldo Rufino de Araújo Júnior, opinou neste domingo (29) pela homologação do flagrante e a conversão da prisão em preventiva, dos presos, Geovaniny Fonseca Pimentel (advogado), Anderson Hébert Farias e Luiz Carlos Soares, detidos na sexta-feira (27), portando arma de fogo e segundo a polícia após tentarem realizar assalto no centro de Caicó. “Mostra-se, inviável a aplicação de quaisquer das medidas cautelares“, destacou o promotor no parecer.

Agora, o juiz deve decidir se segue o parecer do Ministério Público homologando e decretando a prisão preventiva dos três presos.



Caicó: Defesa de advogado preso aguarda julgamento de pedido de liberdade provisória

A defesa do advogado Geovaniny Fonseca Pimentel, preso na sexta-feira (27) em Caicó, aguarda por decisão judicial no pedido de liberdade feito no último sábado.

O advogado Francisco de Assis Cruz de Araujo, patrocina a defesa de Govaniny Pimentel. O pedido está concluso para o juiz, ou seja, pronto para ser julgado. Ele ingressou com um pedido de liberdade provisória com ou sem pagamento de fiança.

O advogado Geovaniny Pimentel, foi preso na noite de sexta-feira portando (ilegalmente) um revólver de calibre 32, em abordagem policial. Em sua companhia, estavam dois homens, que segundo a polícia, tinha acabado de tentar realizar roubo em uma academia no centro da cidade de Caicó.



Caicó: Advogado preso aguarda Coap fazer sua transferência para Sala de Estado Maior

O juiz Luiz Cândido de Andrade Villaça, deferiu o pedido da Subsecção da OAB/Caicó, para que o advogado, Geovaniny Fonseca Pimentel, preso na noite de sexta-feira (27), portando arma de fogo (ilegalmente) e na companhia de dois homens, que segundo a polícia, tinham tentado fazer assalto em uma academia, fosse encaminhado para uma “Sala de Estado Maior”. Essa é uma prerrogativa dos advogados e na Delegacia de Polícia Civil de Caicó, não existe o espaço solicitado.

O presidente da Seccional de Caicó, o advogado Marx Helder Fernandes, disse que estão aguardando a Coordenadoria de Administração Penitenciária proceda com a transferência. Ele contou ainda que existe a possibilidade de Geovaniny ficar em prisão domiciliar.