Mandantes de assassinato de F. Gomes são condenados a 14 anos de prisão

Ao fundo, os réus, Lailson Lopes (de camisa branca) e Gilson Neudo (de camisa preta) – (FOTO: Everton César)

Os acusados de planejar a morte do radialista Francisco Gomes de Medeiros, conhecido como F. Gomes, foram a condenados a 14 anos de prisão em regime fechado. A decisão ocorreu na noite da terça-feira (16), em júri no Fórum Desembargador Miguel Seabra Fagundes, em Natal. Após quatro adiamentos, o ex-pastor evangélico Gilson Neudo Soares do Amaral e o comerciante Lailson Lopes, ‘O Gordo da Rodoviária’, foram considerados culpados por encomendar e planejar o assassinato do comunicador, que aconteceu no dia 18 de outubro de 2010, em Caicó, região Seridó do estado.

A decisão já havia sido adiada quatro vezes devido a manobras de Lailson Lopes. No dia 27 de março deste ano, em julgamento previsto, o júri foi adiado após Lailson se recusar a ser defendido pela Defensoria Público do Estado e acabou preso. Nesta ocasião, a sessão já havia iniciado. Gilson estava detido e aguardava apenas o julgamento, mas voltou ao sistema prisional após o julgamento ser adiado novamente. Em 2017, Lailson dispensou também um advogado durante o julgamento. Na terça, porém, o julgamento ocorreu.

Em maio de 2012, a então delegada Sheila Freitas, da Divisão Especializada em Investigações e Combate ao Crime Organizado (Deicor), confirmou que F. Gomes foi assassinado a mando de pessoas que formaram um “consórcio” para financiar o crime. Segundo ela, esse “consórcio” seria responsável por angariar R$ 10 mil e repassar a João Francisco dos Santos, o Dão, autor confesso do assassinato e que está preso. De acordo com a delegada, o “consórcio” é formado pelo advogado Rivaldo Dantas de Farias, pelo tenente-coronel PM Marcos Antônio de Jesus Moreira, pelo ex-pastor evangélico Gilson Neudo Soares do Amaral e pelo comerciante Lailson Lopes. Além desses, ainda de acordo com a delegada, o soldado PM Evandro Medeiros também tem envolvimento com o assassinato de F. Gomes.

Na decisão do júri, que foi comandado pela juíza Eliana Alves Marinho, Lailson Lopes e Gilson Neudo foram condenados a 14 anos de prisão. Porém, pela decisão, Lailson Lopes poderá recorrer da sentença em liberdade, enquanto Gilson Neudo, que já está preso, permanecerá detido.

*Tribuna do Norte


Réus acusados de mandar matar F. Gomes serão julgados nesta segunda (15)

O ex-pastor evangélico, Glson Neudo (de camisa azul) e o comerciante, Lailson Lopes, serão julgados nesta segunda

Deve acontecer nesta segunda-feira (15), o julgamento popular dos réus, Lailson Lopes (Gordo da Rodoviária) e Gilson Neudo Soares do Amaral, acusados de serem mandantes da morte do radialista F. Gomes, crime ocorrido no dia 18 de outubro de 2010, em frente a sua casa no Bairro Paraíba em Caicó/RN.

Os réus Lailson e Gilson, foram denunciados de serem mandantes do crime, juntamente com o advogado Rivaldo Dantas de Farias, que está pronunciado para ser julgado.

O júri desta segunda está previsto para começar às 08hs, no Fórum Miguel Seabra Fagundes, em Natal. Os processos que foram unificados, foram desaforados da comarca de Caicó.

Um detalhe, o advogado que vai fazer a defesa de Lailson Lopes, é o mesmo que foi destituído pelo réu em 2017.


Caso F. Gomes: Julgamento de Gilson Neudo e Lailson Lopes deve acontecer março em Natal

A juíza Eliana Alves Marinho, marcou para o dia 27 de março de 2019, às 08hs, em Natal, no Fórum Desembargador Miguel Seabra Fagundes, o julgamento popular dos réus Gilson Neudo Soares do Amaral e Lailson Lopes, que são acusados de terem mandado matar o jornalista F. Gomes, assassinado na frente de sua casa, no Bairro Paraíba em Caicó, no dia 18 de outubro de 2010.

Os defensores públicos, Serjano Marcos Torquato Valle e Mateus Queiroz Lopes de Melo Martins, irão fazer a defesa dos réus.

Não é a primeira vez que o julgamento tem data reaprazada. Em 2017, inicialmente iria ocorrer no dia 05 de julho, mas, passou para o dia 19 e depois para o dia 26 de julho e novamente foi adiado.

O processo foi desaforado da comarca de Caicó e agora tramita na 1ª Vara Criminal de Natal.

De acordo com o Ministério Público, os réus do processo, se consorciaram para matar o jornalista por causa do seu trabalho.

O réu Gilson Neudo, ainda não foi julgado por causa de manobras feitas por ele. Um exemplo foi destituir seu advogado quando uma das sessões iria começar no Fórum Amaro Cavalcante em Caicó.

O réu, Lailson Lopes, já foi julgado e condenado, mas, a assistência do Ministério Público recorreu para pedir o aumento da pena. O Tribunal de Justiça do RN decidiu que na verdade deveria ser feita uma nova sessão para julgá-lo. Alguns meses depois, Lailson foi posto em liberdade.

O réu, Rivaldo Dantas de Farias, ainda não teve a data de seu julgamento marcado pela Justiça.

O único que foi condenado e já cumpre pena pela morte de F. Gomes, é João Francisco dos Santos, o Dão.


Caso F. Gomes: Julgamento popular de réus é adiado novamente

O julgamento popular de Gilson Neudo Soares do Amaral e Lailson Lopes, réus no processo da morte do jornalista Francisco Gomes de Medeiros (F. Gomes), não vai acontecer nesta quarta-feira (17), como estava previsto anteriormente.

O processo teria saído da pauta porque a peça voltou para o Tribunal de Justiça em grau de recurso.

De acordo com informações da secretaria da 1ª Vara Criminal de Natal, ainda não existe data para o novo júri.

Comento

Essa é a enésima vez que um julgamento popular desse caso não acontece. As manobras feitas pelos advogados que defendem os réus são claras desde a época do fato. A Polícia Civil e o Ministério público já disseram que pelo menos 4 pessoas participaram do crime, mas, apenas um deles foi condenado e está preso. Dos demais, apenas 1 foi julgado, mas, teve o júri anulado.


Justiça marca para o dia 17 de outubro, julgamento de Gilson Neudo e Lailson Lopes

A juíza, Eliana Alves Marinho, titular da Primeira Vara Criminal de Natal, marcou para o próximo dia 17 de outubro, às 08hs, o julgamento popular, de Gilson Neudo Soares do Amaral e Lailson Lopes, réus no processo da morte do jornalista F. Gomes.

A magistrada destaca que diante da confirmação da decisão de unificação dos processos, designou o julgamento pelo Tribunal do Júri Popular.

Entenda os motivos de só agora acontecer o julgamento dos dois réus:

http://sidneysilva.com.br/decisao-que-uniu-processos-de-reus-acusados-da-morte-de-f-gomes-e-mantida/


Decisão que uniu processos de réus acusados da morte de F. Gomes é mantida

Desembargador manteve sentença que negou separação de processos

O desembargador Glauber Rêgo, negou no dia 29 de maio, passado, recurso de apelação criminal, feito pelo defensor público, Serjano Marcos Torquato Vale, em favor de Gilson Neudo Soares do Amaral, acusado de ser um dos mandantes da morte do jornalista caicoense, F. Gomes.

O recurso foi apresentado no dia 26 de julho de 2017, antes do julgamento popular de Gilson e de Lailson Lopes, no Fórum Miguel Seabra Fagundes, em Natal. O defensor de Neudo, solicitou a separação dos processos dos réus que tinham sido unificados. De acordo com ele, as provas constantes nos processos de Lailson e de Dão (autor material do crime, já condenado), não poderiam ser utilizadas no processo de Gilson, haja vista não ter tido oportunidade de formar defesa.

Continue lendo


Caso F. Gomes: MP dá parecer não atendendo pedido do defensor de Gilson Neudo

Defensor de Gilson Neudo queria impedir uso de provas de outros processos

O recurso impetrado no Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte, pelo defensor público, Serjano Marcos Torquato Vale, que defende o réu Gilson Neudo Soares do Amaral, acusado de ser um dos mandantes da morte do jornalista F. Gomes, fato ocorrido no dia 18 de outubro de 2010, em Caicó, teve parecer desfavorável do Ministério Público.

O defensor é contrário a usar provas do processo de Lailson Lopes e João Francisco dos Santos, conhecido como DÃO no processo de Gilson e a união dos processos.

No dia 26 de julho de 2017, quando aconteceria o julgamento popular de Lailson Lopes e de Gilson Neudo, a juíza abriu a sessão de júri, indeferiu todos os pedidos feitos pela defesa do ex-pastor e encerrou a sessão. O defensor Serjano Vale, recorreu para o TJRN.

O parecer do promotor Jann Polacek Melo Cardoso, foi opinando pelo CONHECIMENTO e DESPROVIMENTO da apelação interposta por GILSON NEUDO SOARES DO AMARAL, mantendo-se inalterada a decisão que reuniu os processos nº 0101389-91.2017.8.20.0101 e nº 0100303-90.2014.8.20.0101 em razão da continência.

Resta agora, o voto do relator do recurso que é o desembargador Glauber Rêgo.


Caso F. Gomes: Agentes Penitenciários localizaram Gilson Neudo na casa de familiares em Areia Branca

A Secretaria de Justiça e Cidadania que administra os presídios do Rio Grande do Norte e a direção do Presídio de Caraúbas confirmaram na manhã desta quarta-feira (30), que Gilson Neudo Soares do Amaral, está novamente recolhido na unidade prisional.

Ele foi localizado por agentes penitenciários na casa de familiares na cidade de Areia Branca/RN, por volta das 2 horas da manhã desta quarta. No momento da abordagem, Gilson Neudo, não ofereceu resistência.