Vereador e secretários de Goianinha são alvos de operação que investiga grampos telefônicos e clonagem de redes sociais

Polícia Civil deflagrou a operação na manhã desta quarta-feira

Agora RN

Nas primeiras horas da manhã desta quarta-feira (5), equipes da 6° Delegacia Regional de Nova Polícia Civil de Nova Cruz e da Divisão de Investigação e Combate ao Crime Organizado (DEICOR) deflagraram a “Operação Araponga”, que investiga uma organização criminosa que é apontada como responsável pela realização de interceptações telefônicas clandestinas e clonagem de redes sociais de autoridades e políticos da região Agreste potiguar.

Foi preso por força de mandado judicial um profissional de TI e foram alvos de mandados de busca e apreensão um vereador e dois secretários municipais de Goianinha, além de um ex-prestador de serviços do Fórum de Justiça da cidade.

De acordo com o delegado Wellington Segundo, titular da 6ª DRP, os nomes dos envolvidos não podem ser revelados porque o caso está em segredo de Justiça.

Espionagem

No decorrer das investigações realizadas pela 6°DRP foi descoberta a existência de uma central clandestina de interceptações telefônicas que funcionava na praia da Pipa, de onde números de agentes públicos eram grampeados de forma ilegal e desviados para um núcleo existente na cidade de Goianinha, onde posteriormente as informações eram processadas e repassadas para os contratantes dos serviços de espionagem, principalmente políticos da região Agreste, que se utilizavam dos serviços da organização criminosa para bisbilhotar e obter informações privilegiadas de adversários políticos.

Ainda segundo as investigações, os alvos de mandados de busca e apreensão teriam contratado os serviços da organização criminosa para acompanhar os passos e articulações dos adversários políticos e possíveis autoridades.


Presos tentaram fugir do Pereirão com “teresa”; Grampos foram espalhados nos acessos ao presídio

Grampos foram espalhados nos acessos ao presídio

A direção do Presídio Desembargador Francisco Pereira da Nóbrega, o “Pereirão”, confirmou que na madrugada desta segunda-feira (25), por volta das 3hs30 foi registrada uma tentativa de fuga na unidade. Os presos iria usar uma “teresa” – corda feita de lençóis – para pular o muro do presídio. Os agentes penitenciários e Polícia Militar agiram rápido e conseguiram evitar a fuga.

A ação parece ter sido planejada. Algumas viaturas do 6º BPM, furaram os pneus na passagem pela “Ponte Velha” que liga o Centro ao Bairro Boa Passagem (que dá acesso ao presídio). Foram espalhados grampos na pista para atrasar a chegada das viaturas ao Presídio. Outro ponto aonde foram encontrados os grampos, foi nas imediações do IFRN, na rodovia estadual RN 288, que também da acesso a unidade prisional.

Por coincidência, a tentativa de fuga aconteceu no momento em que houve queda de energia em Caicó.

Um problema que a direção do Presídio está enfrentando é o gerador que está quebrado.

O diretor do presídio, Bira Araújo, disse na manhã desta segunda ao Blog Sidney Silva que está fazendo a contagem dos presos e que já foi encontrada a teresa que seria utilizada por eles na fuga.


Polícia localiza carros e grampos que seriam usados na tentativa de assalto ao banco de Ipanguaçu

Grampos foram encontrados na carroceria do veículo Saveiro usado pelo bando

Os criminosos que atacariam, provavelmente, a agência bancária da cidade de Ipanguaçu/RN, e que foram impedidos por policiais federais e do BOPE, na madrugada deste domingo (07), estavam em dois carros com queixa de roubo, sendo um Honda Civic de cor branca e placas PGH8791/Olinda-PE e uma Pick Up Saveiro de cor branca e placas OJR7785/Natal, (esta placa é de uma Saveiro Cros 2012/2013 de Várzea/RN).

Nos carros, os policiais encontraram o material que seria usado para a prática do assalto ao banco. Muitos grampos estavam em baldes na carroceria da Saveiro. Os grampos são usados para impedir a passagem de carros da polícia. Eles são espalhados nas estradas com o objetivo de estourar os pneus.

A Polícia acredita que tenha evitado o roubo de mais de 1 milhão de reais da agência de Ipanguaçu.

As armas que seriam usadas na ação estavam, provavelmente, em um carro que conseguiu deixar o local em fuga.

Os dois homens que foram detidos pelos policiais foram conduzidos para a Superintendência da Polícia Federal em Natal. Eles ainda não foram identificados.