MP Eleitoral analisará caso de suposto grupo de whatsapp com ameaças de violência

O Ministério Público Eleitoral instaurou um procedimento para analisar as denúncias quanto ao suposto grupo de whatsapp “Opressores RN 17”, no qual teriam sido feitas ameaças de morte, estupro e outros tipos de violência a eleitores contrários, através da possível organização de um grupo armado.

Após analisar os indícios de veracidade, ou não, do diálogo mantido na rede social, a Procuradoria Regional Eleitoral deverá decidir sobre a remessa do caso ao promotor eleitoral competente, se for o caso de apuração de possível crime do artigo 301 do Código Eleitoral (Usar de violência ou grave ameaça para coagir alguém a votar, ou não votar, em determinado candidato ou partido, ainda que os fins visados não sejam conseguidos).

Por outro lado, na hipótese de se tratar de propaganda falsa (grupo fake), com intuito de promover publicidade negativa de candidato, o procedimento será encaminhado para algum dos procuradores auxiliares eleitorais.


Grupo é preso suspeito ajudar na fuga de mais de 90 detentos de presídio na PB

Material apreendido pela Polícia

Ao todo, 10 pessoas foram presas, na tarde desta segunda-feira (10), em João Pessoa, suspeitas de integrarem um grupo que teria ajudado na fuga de mais de 90 detentos do presídio de segurança máxima PB1, na capital paraibana, na madrugada desta segunda-feira, segundo informações da Secretaria de Estado da Segurança e Defesa Social (Seds).

De acordo com a Seds, os suspeitos estavam hospedados em um flat, localizado na orla de Manaíra. Com o grupo, foram apreendidas seis armas de fogo, entre essas, um fuzil.

Até as 17h, 50 detentos haviam sido recapturados, conforme a Seds. A Secretaria de Estado da Comunicação informou que “todos os danos causados àquela unidade prisional já foram sanados, com conserto de dois portões e a substituição dos cadeados violados durante a ação criminosa”.

*Do G1/PB


Diretores e vice-diretores da UFRN formam grupo de combate à violência

Diretores e vice-diretores de centros acadêmicos e unidades especializadas da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) estão em articulação com pesquisadores, movimentos sociais, entidades, sindicatos, entre outros representantes da sociedade para formar um grupo de trabalho em combate à violência no Estado. A primeira reunião acontecerá nesta quarta-feira, 12, às 14h30, no auditório F da Escola de Ciência e Tecnologia (ECT) da UFRN, onde os objetivos da iniciativa serão apresentados aos atores interessados.

O diretor do ECT e representante do grupo, professor Douglas do Nascimento Silva, explica que a ideia do grupo é reunir pesquisas acadêmicas das mais diversas áreas e, a partir delas, apresentar aos governantes sugestões de programas que auxiliem efetivamente no enfrentamento à violência. “Além disso, vamos elaborar uma agenda de atividades articuladas à sociedade com o mesmo objetivo de solucionar esse grave problema. A UFRN tem importância e influência nos vários setores sociais, por isso deve estar engajada em ações pela construção da paz”, adiciona.


Polícia prende grupo com arma em Mossoró

Grupo preso em Mossoró pela Polícia Militar

Policiais militares de Mossoró prenderam, nesta quinta-feira (23), Alcemberg Gleyton Lima da Silva, René Duarte Silva, Elenilson Silva Vidal, vulgo Buiu, e Marcio Leomar Freire de Freitas, quando o grupo estava com uma arma, no Sítio Jucuri, em Mossoró.

Os quatro homens foram autuados na 2ª Delegacia de Polícia de Mossoró pelos crimes de porte ilegal de arma de fogo e associação criminosa. Alcemberg e Elenilson também têm em seu desfavor mandados de prisão em aberto.

O grupo foi encaminhando ao sistema prisional onde ficará à disposição da Justiça.


Polícia prende grupo que estava com armas e munições em Parelhas

Armas apreendidas na cidade de Parelhas

Policiais militares da cidade de Parelhas prenderam em flagrante Josenildo de Souza Filho, 22 anos; Francilene Araujo Silva, 36 anos; Bruno Silva da Costa, 18 anos e apreenderam um adolescente de 17 anos que estavam portando dois revólveres e munições, na manhã deste sábado (04).

O grupo foi conduzido para a Delegacia de Plantão de Polícia Civil de Caicó onde foi autuado em flagrante pelas práticas criminosas.

Josenildo e Francilene foram autuados pelos crimes de porte ilegal de arma de fogo de uso permitido, corrupção de menor e associação criminosa. Bruno foi autuado pelos crimes de porte ilegal de arma de fogo de uso permitido, disparo de arma de fogo, corrupção de menor e associação criminosa. O adolescente foi autuado pelos atos infracionais análogos aos crimes de posse ou porte ilegal de arma de fogo de uso restrito e associação criminosa”, detalhou o delegado da DP de Caicó, Bruno Ferraz.