Deicor cumpriu mandados de prisão em cidades do Seridó e do Oeste na “Operação Derrame”

Policiais do Deicor cumpriram mandados em Caicó e várias cidades do Seridó e Oeste do estado

A Divisão Especial de Investigação e Combate ao Crime Organizado – Deicor da Polícia Civil do Rio Grande do Norte, deflagrou na manhã desta quarta-feira (24), a Operação Derrame para cumprir 9 mandados de prisão e 11 de busca e apreensão nas cidades de Caicó, Timbaúba dos Batistas, Jucurutu e São Gonçalo do Amarante.

O objetivo foi dar combate aos crimes de morte registrados ao longos dos últimos anos entre famílias das cidades de Messias Targino, Campo Grande e Janduís.

Os assassinatos em questão, ocorrem entre membros de determinadas famílias na região oeste do Rio Grande do Norte. Esses crimes recomençaram em 2017, quando o Henrique Garcia, foi assassinado na zona rural de Campo Grande. Seu corpo foi encontrado com sinais de tortura e com os olhos arrancados.

Na operação Derrame, em Caicó, foi cumprido mandado de busca na casa do empresário Dário Alencar Guedes, que comercializa armas e munições. Ele foi conduzido à Delegacia de Polícia Civil, aonde foi ouvido pelo Delegado Luciano Augusto Pereira e depois liberado. Também foram ouvidos, presos que estão na Penitenciária Estadual do Seridó.

Ouça entrevista com o delegado da Deicor, Luciano Augusto:

Notícias relacionadas:


Agricultor encontrado morto com tiro na cabeça e orelha decepada é sepultado em Janduís/RN

Corpo de Henrique Garcia foi velado na igreja de Janduís antes de ser sepultado

O corpo do agricultor Henrique Garcia, foi sepultado no final da tarde desta quinta-feira (07), por volta das 17hs no cemitério público da cidade de Janduís/RN, na região Oeste do estado. Ele foi encontrado no dia anterior na zona rural.

Os assassinos, que a polícia acredita serem os assaltantes do banco da cidade Brejo do Cruz/PB (fato ocorrido na madrugada de domingo, dia 3 de setembro), atiraram contra a cabeça da vítima e lhe arrancaram uma das orelhas.

Os familiares estavam revoltados com a morte de Henrique Garcia e reclamaram da falta de apoio. Eles acham que o o envio de um helicóptero para a região poderia ter evitado o fato. Ainda se chatearam com a demora na liberação do corpo pelo ITEP de Mossoró.


Corpo de agricultor encontrado morto ainda não foi necropsiado e não está na geladeira do ITEP

Os familiares do agricultor Henrique Garcia, que foi encontrado morto na tarde desta quarta-feira (06), na zona rural de Janduis, reclamam que o Instituto Técnico e Científico de Perícia – ITEP, unidade de Mossoró, ainda não tinha liberado o corpo para ser sepultado.

O corpo foi encontrado na tarde de quarta-feira, mas, já estava morto há várias horas, vaja vista estar em estado de decomposição.

Familiares disseram que nesta quinta-feira foram informados que somente quando uma equipe que tinha se deslocado para Pau dos Ferros aonde recolheriam um corpo, é que fariam a necropsia.

Eles enviaram nota ao Blog Sidney Silva, confira:

Se as ações do Estado já não funcionam para os vivos,  dirá para os mortos? Desde ontem 06/09/17 que o corpo de Henrique Garcia se encontra no ITEP de Mossoró e ainda não foi feita a necropsia. As desculpas são estapafúrdias.  Alegam que o necrotomista foi atender uma ocorrência em Pau dos Ferros e por isso não foi possível  liberar o corpo do rapaz. Uma ocorrência que se deu depois que seu corpo chegou nas dependências da instituição e ainda assim teve prioridade. Enquanto isso a família já bastante sofrida,  pois o mesmo encontrava-se desaparecido há 4 dias, tendo que suportar mais a dor do descaso e da falta de respeito“.


Polícia encontra corpo de agricultor de Janduís com orelha decepada e tiro na cabeça

Henrique Garcia foi encontrado morto na zona rural de Janduis

Policiais militares encontraram na tarde desta quarta-feira (06), na divisa dos municípios de Janduis e Campo Grande, na zona rural, o corpo do agricultor, Henrique Garcia, de 47 anos, que estava desaparecido desde domingo (03). Ele saiu de casa ainda na noite do sábado com destino ao sítio Serra Vermelha, aonde trabalhava como gerente. Obrigatoriamente, tinha que passar pelo sítio Grossos, onde aconteceu o confronto da Polícia com a quadrilha que estourou uma agência bancária em Brejo do Cruz/PB.

O sobrinho de Henrique Garcia, que o ajudava sempre, se deslocou de Janduis para o sítio no domingo pela manhã. Ao passar pela casa do sítio Grossos, o jovem foi interceptado e levado para a casa onde estava o bando criminoso.

No depoimento que prestou a Polícia Civil, ele disse que visualizou cerca de 11 homens. Enquanto ainda estava com o grupo, um outro homem que é da cidade de Janduis e que faz parte do bando, entrou na casa e quado o viu mandou que o rapaz fosse liberado, pois, ele era um agricultor e conhecido. Logo, os assaltantes o deixaram seguir. O rapaz então foi ao encontro do tio. Na fazenda Serra Vermelha, os dois se encontram com os policiais que estão a procura do bando. Os policiais perguntaram sobre alguma movimentação estranha no setor. O Henrique Garcia disse que tinha “um movimento” na fazenda Grossos. Dito isto, os policiais seguiram para a referida localidade e o sobrinho foi mandado pra casa e desde então, Garcia não foi mais visto.

Os policiais que encontraram o corpo de Henrique Garcia, disseram que ele estava vestido com um blusão do Exército, calça jeans e botas. O relato é que ele foi atingido por um disparo de arma de fogo na cabeça e teve uma das orelhas cortadas.

O corpo estava no início de processo de decomposição.

A Polícia Civil acredita que ele estava em poder dos assaltantes.