Rosângela solicita uso de ivermectina, azitromicina e hidroxicloroquina contra covid-19 por médicos de Caicó

Presidente da Câmara, Rosângela Maria

A presidente da Câmara Municipal de Caicó, Rosângela Maria, indicou que seja encaminhado ofício ao prefeito Robson de Araújo, solicitando que este mantenha entendimentos com a Secretária Municipal de Saúde, Debora Costa, com o objetivo de que seja avaliada a prescrição de medicamentos por profissionais médicos do Município, como ivermectina, azitromicina e hidroxicloroquina no tratamento de pacientes com Covid-19.

A medida, segunda a vereadora, segue a recomendação 04/2020 do Conselho Regional de Medicina do Rio Grande do Norte (CREMERN).

Conforme estudos e pesquisas recentes, essas medicações acima citadas, conseguem eliminar até 97% do vírus da covid-19, dentro das células, em apenas 48h, o que vem garantir uma maior possibilidade de cura para a pessoa ora infectada”, justificou a presidente.

Cidades como Natal e Mossoró já aderiram ao protocolo de utilização desses fármacos. Ainda sobre a ivermectina, Rosângela sugeriu sua disponibilidade na Farmácia Básica, a fim de que o medicamento possa ser receitado pelos médicos das Unidades Básicas de Saúde e evitar o agravamento no quadro clínico de pacientes com sintomas leves ou assintomáticos.


Hidroxicloroquina e cloroquina viram produtos controlados

A Anvisa enquadrou a hidroxicloroquina e a cloroquina como medicamentos de controle especial. A medida é para evitar que pessoas que não precisam desses medicamentos provoquem um desabastecimento no mercado. A falta dos produtos pode deixar os pacientes com malária, lúpus e artrite reumatoide sem os tratamentos adequados.

A Agência recebeu relatos de que a procura pela hidroxicloroquina aumentou depois que algumas pesquisas indicaram que este produto pode ajudar no tratamento da Covid-19. Apesar de alguns resultados promissores, não há nenhuma conclusão sobre o benefício do medicamento no tratamento do novo coronavirus.

Ou seja, não há recomendação da Anvisa, no momento, para a sua utilização em pacientes infectados ou mesmo como forma de prevenção à contaminação pelo novo coronavírus.

Como ficam os pacientes que já precisam do medicamento?

Os pacientes que já fazem uso do medicamento poderão continuar utilizando sua receita simples para comprar o produto, durante o prazo de 30 dias. A receita será registrada pelo farmacêutico, que já está obrigado a fazer o controle do medicamento no momento da venda.

A nova categoria significa que o medicamento só poderá ser entregue mediante receita branca especial, em duas vias. Médicos que fazem a prescrição de hidroxicloroquina ou cloroquina já devem começar a utilizar este formato.

A hidroxicloroquina já estava enquadrada como medicamento sujeito à prescrição médica. Com a nova categoria, a venda irregular pelas farmácias é considerada infração grave.

O uso sem supervisão médica também pode representar um alto risco à saúde das pessoas.

Confira as principais perguntas e respostas sobre o que a Anvisa está fazendo com relação aos medicamentos para a Covid-19.