MP investiga supostas irregularidades na prestação do serviço de contabilidade na Câmara de Vereadores de Caicó

MP está apurando supostas irregularidades na prestação de serviços de contabilidade na Câmara

A promotora de Justiça, Uliana Lemos de Paiva, abriu Inquérito Civil Público para apurar supostas irregularidades na prestação de serviços de contabilidade na Câmara Municipal de Caicó/RN. A informação foi publicada na edição desta quarta-feira (10), do Diário Oficial do Estado.

Nas diligências solicitadas pela promotora, está o pedido para juntar a investigação o comprovante de inscrição e situação cadastral, na Receita Federal, da empresa “J DA SILVA FERNANDES ASSESSORIA ADMINISTRATIVA”, bem como a seguinte documentação disponibilizada, nas Edições de nº 0272, 0311, 0408 e 0409 no Diário Oficial das Câmaras Municipais do Estado do Rio Grande do Norte:

1) Termo de Dispensa de Licitação nº 095/2017;

2) Termo de Dispensa de Licitação nº 003/2018;

3) Termo de Dispensa de Licitação nº 021/2018;

4) Ata da Presidência nº 04/2018 – GP/CM;

A representante ministerial ainda requisita à Câmara Municipal de Vereadores, por seu Presidente, informações acerca do servidor que atualmente exerce as funções de “Contador” na mencionada Casa Legislativa, oportunidade em que, também, deverá encaminhar a Promotoria de Justiça, no prazo de 10 dias, cópias integrais dos procedimentos licitatórios abaixo mencionados, acompanhados dos processos de pagamento:

1) Dispensa de Licitação nº 095/2017;

2) Dispensa de Licitação nº 003/2018;

3) Dispensa de Licitação nº 021/2018;



Batata e Roberto Germano são investigados por suposta irregularidade na aplicação de recursos da Cosip

Roberto Germano e Batata são investigados em inquérito do MP

O Ministério Público instaurou Inquérito Civil Público para investigar possível aplicação irregular dos recursos da COSIP, entre os anos de 2013 e 2018, no âmbito da Prefeitura de Caicó.

A promotora Uliana Lemos de Paiva instaurou a peça depois que recebeu da Câmara de Vereadores, cópias do relatório da Comissão Especial de Investigação – CEI, noticiando irregularidades na aplicação dos recursos da referida contribuição social paga pela população. Os fatos são atribuídos ao ex-prefeito Roberto de Medeiros Germano e ao prefeito afastado, Robson de Araújo (Batata).

O Ministério Público determina o prazo de 10 dias úteis para que os dois citados prestem os esclarecimentos acerca do relatório conclusivo elaborado pela Comissão da Câmara Municipal, instaurada para “apurar e investigar a responsabilidade de todas as gestões públicas municipais desde a criação da COSIP, uma vez que a operação BLACKOUT do Ministério Público Estadual investiga o suposto desvio de verbas decorrentes da arrecadação do referido imposto”.

A promotora ainda mandou juntar a este inquérito, os procedimentos que foram base para deflagração da operação BLACKOUT, e ainda cópia do Relatório da CEI e da mídia contendo os depoimentos prestados à comissão especial, por haver relação entre os temas.



Polícia Civil investiga morte de grávida ocorrida em hospital de Currais Novos

A Delegacia Municipal de Currais Novos instaurou segunda-feira (22), um inquérito policial para descobrir a causa da morte da grávida, de nove meses, Thaís Araújo, que faleceu no último sábado (20), durante um parto realizado no Hospital de Currais Novos. Na última sexta-feira (19), a grávida chegou a tentar fazer o parto no Hospital de Santa Cruz.

Nós já solicitamos que o hospital de Currais Novos nos passe o prontuário da vítima e ouviremos todos os profissionais de saúde envolvidos nos últimos atendimentos médicos da gestante, com o intuito de descobrimos se houve algum crime praticado pelos que fizeram os atendimentos e parto e a partir daí poderemos indiciar criminalmente os responsáveis”, detalhou o delegado de Currais Novos, Paulo Ferreira.



Polícia Civil relatou dois dos três inquéritos que investigam mortes dos irmãos Maia em Caicó

Polícia Civil relatou dois dos três inquéritos que investigam mortes dos irmãos Maia em Caicó

Sidney Silva – As investigações da Polícia Civil em torno da morte de três irmãos ocorridas em Caicó no espaço de 1 ano, entre 2015 e 2016, pelo menos um dos casos está inconcluso. O assassinato de Valdenar Maia, ocorrido em julho de 2016, está inconcluso. Os outros dois crimes, já foram relatados para a Justiça.

Para que o leitor entenda:

Creozivaldo Maia, “Pirráia”, de 21 anos, foi assassinado no dia 2 de julho de 2015, na Rua Manoel Avelino, Bairro Walfredo Gurgel. Ele estava em uma moto e foi perseguido. A Polícia indiciou dois adolescentes pelo crime. O inquérito está relatado.

Creozinalda Maia, de 37 anos, foi assassinada na porta de casa no Bairro Walfredo Gurgel, no dia 24 de julho de 2015. Nesse caso, uma adolescente foi apreendida e confessou que atirou. Naquele dia, a menor, na companhia de outro adolescente, e mais dois, chamou pela irmã da vítima, que não estava em casa. Quando Creozinalda passou pela porta, foi alvejada com um tiro. Nesse caso, a menor foi identificada e internada por 45 dias. O outro menor envolvido foi assassinado algum tempo depois. O inquérito também já foi relatado para a Justiça.

Sobre o caso da morte de Valdenar Maia, este, nós não tivemos acesso ao inquérito, mas, sabe-se que a Polícia Civil pediu à Justiça, dilação de tempo, ou seja, mais tempo para investigar o caso, por causa da falta de provas suficientes. Ele foi assassinado em julho de 2016, em frente a Central do Cidadão.



Polícia Civil conclui inquérito do caso do “Atirador do Ministério Público”

Polícia Civil conclui inquérito do caso do “Atirador do Ministério Público”

No final da manhã desta terça-feira (04), em coletiva de imprensa realizada na 5° Delegacia de Polícia, os membros da comissão que investigaram o caso do atirador Guilherme Wanderley Lopes Da Silva, 44 anos, detalharam o resultado das investigações e o indiciamento do mesmo. Os membros da comissão de investigação tiveram como integrantes: o delegado do 5º Distrito Policial, Renê Lopes, o delegado do 4° Distrito Policial, Júlio Lima, e o delegado de Extremoz, Alyson Barbosa. Guilherme é a pessoa responsável pelos disparos contra o procurador-geral de Justiça, Rinaldo Reis, o procurador-geral de Justiça adjunto, Jovino Pereira Sobrinho, e o coordenador jurídico promotor,Wendell Beetoven, no dia 24 de março na sede do Ministério Público do Estado do Rio Grande do Norte.

A Polícia Civil encerrou as investigações do caso e entregou à Justiça, nesta segunda-feira (03), o relatório do inquérito policial. Durante oprazo de dez dias, a comissão ouviu 23 pessoas, dentre elas vítimas, testemunhas presenciais do atentado, e pessoas que trabalharam com Guilherme. O documento entregue por ele no dia do atentado também serviu de prova. Segundo investigações, Guilherme não apresentou indícios de problemas mentais, e por este motivo não foi solicitado o exame psicológico. Além disso, foram analisadas imagens do circuito interno de segurança do Ministério Público, e realizadas todas as perícias possíveis.

Através da conclusão do inquérito, constatou-se que o crime foi premeditado, não passível de um momento de desequilíbrio, uma vez que testemunhas relataram que desde 2013, ele externava publicamente a insatisfação em relação às vítimas. A motivação do crime foi tida como banal e praticada mediante traição, pois um dos alvos foi atingido pelas costas.

A comissão deu entrada no inquérito à Justiça dentro do prazo legal disponível. Guilherme Wanderley foi indiciado por três homicídios tentados.