Anvisa proíbe venda sem receita de cloroquina e ivermectina

Medicamentos estão proibidos de serem vendidos sem receita

Regras que proíbem a venda sem receita em farmácias de medicamentos como cloroquina, hidroxicloroquina, nitazoxanida e ivermectina foram publicadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). As orientações estão na Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) 405/2020, publicada ontem no Diário Oficial da União . De acordo com a agência, a lista poderá ser revista a qualquer momento para a inclusão de novos medicamentos, caso seja necessário.

Ainda segundo a Anvisa, o objetivo da norma é impedir a compra indiscriminada de medicamentos que têm sido amplamente divulgados como potencialmente benéficos no combate à infecção pelo novo coronavírus, embora ainda não existam estudos conclusivos sobre o uso desses fármacos para o tratamento da doença.

A medida visa também manter os estoques destinados aos pacientes que já têm indicação médica para uso desses produtos, uma vez que os medicamentos que constam na resolução também são usados no tratamento de outras doenças, como a malária (cloroquina e hidroxicloroquina); artrite reumatoide, lúpus e outras (hidroxicloroquina); doenças parasitárias (nitazoxanida) e tratamento de infecções parasitárias (ivermectina).


Homens são detidos vendendo Ivermectina na BR 101 em Natal

Caixas com Ivermectina foram apreendidas pela Polícia Rodoviária Federal

A Polícia Rodoviária Federal deteve, na noite de terça-feira (09), em frente a um shopping, no perímetro urbano da BR 101, em Natal, dois homens e apreendeu 50 caixas do medicamento ivermectina.

Após receber a denúncia de que pessoas estavam vendendo o medicamento, próximo a um shopping na BR 101, uma equipe deslocou até o local e constatou a irregularidade.

Quando os policiais chegaram, encontraram um Honda Fit estacionado às margens da BR, com dois homens no seu interior. No colo do passageiro, um homem de 37 anos, foi encontrada uma caixa grande, contendo 50 caixas de ivermectina 6 mg, com 4 comprimidos.

Aos policiais, o homem informou que teria comprado o medicamento na cidade de João Pessoa/PB e estava revendendo em Natal. Ele estava cobrando um valor que variava entre R$ 50,00 e R$ 100, por caixa. A ivermectina é um medicamento prescrito para combater verminoses, porém vem sendo muito procurada pela população para minimizar os efeitos da COVID-19.

A pessoa que ligou denunciando, disse que recebeu uma mensagem pelo aplicativo Whatsapp, oferecendo a medicação.

Diante dos fatos, os homens foram detidos e encaminhados com o remédio para a delegacia de plantão da zona Sul, em Natal. O responsável pelo medicamento foi submetido a Termo Circunstanciado de Ocorrência- TCO, pelo crime previsto no artigo 132 do código penal: expor a vida ou a saúde de outrem a perigo direto e iminente.

O crime prevê pena de detenção, de três meses a um ano, se o fato não constitui crime mais grave.


Rosângela solicita uso de ivermectina, azitromicina e hidroxicloroquina contra covid-19 por médicos de Caicó

Presidente da Câmara, Rosângela Maria

A presidente da Câmara Municipal de Caicó, Rosângela Maria, indicou que seja encaminhado ofício ao prefeito Robson de Araújo, solicitando que este mantenha entendimentos com a Secretária Municipal de Saúde, Debora Costa, com o objetivo de que seja avaliada a prescrição de medicamentos por profissionais médicos do Município, como ivermectina, azitromicina e hidroxicloroquina no tratamento de pacientes com Covid-19.

A medida, segunda a vereadora, segue a recomendação 04/2020 do Conselho Regional de Medicina do Rio Grande do Norte (CREMERN).

Conforme estudos e pesquisas recentes, essas medicações acima citadas, conseguem eliminar até 97% do vírus da covid-19, dentro das células, em apenas 48h, o que vem garantir uma maior possibilidade de cura para a pessoa ora infectada”, justificou a presidente.

Cidades como Natal e Mossoró já aderiram ao protocolo de utilização desses fármacos. Ainda sobre a ivermectina, Rosângela sugeriu sua disponibilidade na Farmácia Básica, a fim de que o medicamento possa ser receitado pelos médicos das Unidades Básicas de Saúde e evitar o agravamento no quadro clínico de pacientes com sintomas leves ou assintomáticos.