MPRN denuncia blogueiro de Caraúbas por calúnia e difamação a delegado

O Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN) denunciou o blogueiro João Marcolino Neto por calúnia e difamação. Os crimes foram cometidos contra o delegado de Polícia Civil da cidade de Caraúbas. João Marcolino divulgou informações falsas sobre a atuação do delegado.

O crime de calúnia se dá quando é imputado a alguém um fato falso definido como infração penal. A difamação se configura quando a reputação de alguém é ofendida. Na denúncia, o MPRN demonstra que o blogueiro cometeu os dois crimes contra o delegado em uma live e também no blog dele.

João Marcolino Neto afirmou que o delegado teria descumprido uma ordem judicial e o difamou ao dizer que o policial procedia “de pura má-fé”, que “envergonha a Polícia Civil”; “que é uma pena o senhor está se portando de uma forma tão vergonhosa”; “eu espero que o senhor um dia compreenda todas as barbaridades que o senhor está fazendo”. Ocorre que o delegado só foi intimado da decisão judicial no dia seguinte às acusações.


Blogueiro João Marcolino é preso por receptação dolosa e posse ilegal de arma em Caraúbas

Arma, munições e celulares apreendidos pela Polícia na ação

Policiais civis da 2ª Delegacia de Polícia de Mossoró e das Delegacias Municipais de Assu e Caraúbas, junto à Guarnição da Polícia Militar (GTO) e aos policiais penais do Grupo de Escolta Penal (GEP) do município de Caraúbas, prenderam, na manhã desta sexta-feira (10), o blogueiro, João Marcolino Neto, mais conhecido como “JM Inoxidável”, de 39 anos. Ele foi preso em flagrante e delito pela suspeita da prática dos crimes de receptação dolosa e posse ilegal de arma de fogo.

João Marcolino foi preso em Sebastião Maltês, no município de Caraúbas. No momento da prisão, foram apreendidas uma arma de fogo tipo “revólver”, calibre .38, e 13 munições intactas.

Ele foi conduzido até a delegacia e encaminhado ao sistema prisional, onde ficará à disposição da Justiça. A Polícia Civil solicita que a população continue enviando informações de forma anônima através do Disque Denúncia 181.