João Maria Macaco será julgado nesta quinta pela morte de “Galego de Rosa” em Jardim de Piranhas

Galego de Rosa foi assassinado em Janeiro de 2010

O Fórum Desembargador Silveira Martins na cidade de Mossoró, na região Oeste do Rio Grande do Norte, sedia nesta quinta (13), o júri popular do empresário de Jardim de Piranhas, João Maria Soares Brito, conhecido por “”João Maria Macaco”. Ele é acusado de ser o mandante e o articulador da morte de Francivan Alves Dantas, o “Galego de Rosa”.

A motivação para o crime teria sido uma dívida contraída por João Maria com Clesilma Germano de Lacerda Araújo, esposa de Galego, no valor de 130 mil reais.

O Ministério Público destacou na denúncia que com base nas provas produzidas pela Polícia Civil durante a investigação em relação ao crime, que o fato ocorreu por volta das 14hs do dia 16 de janeiro de 2010, em um galpão nas imediações do ginásio e da residência de “Manoel de Angélia”. A vítima (Galego de Rosa) foi assassinado com vários disparos de arma de fogo que lhe atingiram várias partes do corpo, inclusive a cabeça.

O Ministério Público pediu o desaforamento do julgamento de João Maria para Mossoró, o que foi aceito pelo Poder Judiciário.

Ainda consta na denúncia do Ministério Público que a vítima foi atraída para o local onde foi morto, pelo empresário. Ainda estavam lá, Clesilma e o filho de 10 anos de idade.

A vítima (Galego de Rosa) estava fazendo cobranças da dívida a João Maria em nome da esposa e isso teria motivado o mesmo a orquestrar o crime. Diante do quadro, João planejou eliminar a vida de Galego. Ele convidou Clesilma e a vítima para visitarem um imóvel de sua propriedade, informando que poderia dar o mesmo em pagamento. No dia e hora combinados, conduziu os dois ao local e foi junto, o filho dela de 10 anos. Chegando ao local, constatou-se que o prédio estava fechado, mas, João Maria, o abriu e todos entraram. Após ingressar, abriu outra porta e se distanciou, oportunidade em que os três executores saíram de dentro de um pequeno escritório, de armas em punho e efetuando disparos contra a pessoa de Galego de Rosa, o qual teve dificuldade de se defender dada a velocidade da ação e a emboscada preparada por João. Diante dos fatos, o MP concluiu que João Maria, determinou, planejou e participou do crime contra Francivan Alves, o Galego.

A sessão de julgamento está prevista para começar às 08hs da manhã desta quinta-feira (13), e será presidida pelo juiz Vagnos Kelly Figueiredo de Medeiros, da 1ª Vara Criminal. O promotor de Justiça, Armando Lúcio Ribeiro, atua na acusação. A defesa do réu é patrocinada pelo advogado caicoense, Guerrison Araújo Pereira de Andrade e por Olavo Hamilton Ayres Freire de Andrade.

*Com informações do Mossoró Hoje