Covid-19: RN tem 12 leitos críticos públicos disponíveis

Leitos de UTI só estão disponíveis em Caicó

O Rio Grande do Norte possui 12 leitos críticos disponíveis na rede pública ou contratualizados da rede privada para atendimento da demanda do novo Coronavírus. Os dados foram retirados  às 9h35 desta terça-feira, 20, da plataforma Regula RN fonte oficial de dados em tempo real relacionados à regulação de leitos Covid-19 no estado. O total corresponde a 7,84% dos 151 leitos críticos do RN.

Na divisão por região, a situação é mais delicada no Oeste, onde 97,6% dos leitos estão ocupados. Na Região Metropolitana, a situação possui 91,5%, enquanto no Seridó 76,5% dos leitos críticos estão ocupados.

Três unidades do Estado estão com 100% dos leitos ocupados: Hospital da Polícia Militar (Natal), Hospital Regional Doutor Cleodon Carlos de Andrade (Pau dos Ferros) e Hospital Regional Dr. Tarcísio de Vasconcelos Maia (Mossoró).

A situação menos crítica é no Hospital regional Telecila Freitas Fontes (Caicó), onde foi registrada uma taxa de ocupação de 76,47% dos leitos.

Tribuna do Norte


Saída de leitos de UTI que não são para pacientes Covid-19, de Caicó para Currais Novos, pode ser judicializada

O promotor Vicente Elísio de Oliveira Neto, continua insistindo que a retirada dos leitos de UTI para atendimento de problemas de saúde que não sejam Covid-19, de Caicó para Currais Novos, é um erro. Inclusive, é possível que nas próximas horas, o assunto seja judicializado.

Esta semana, o promotor participou de reunião através de vídeo-conferência com diversas autoridades de saúde da região Seridó e do estado para tratar também, sobre o assunto. A promotora, Kalina Correia Filgueira, coordenadora do Centro de Apoio Operacional da Saúde no M/RN, também participou e disse que o Plano de Contingência e enfrentamento ao Coronavírus, criado na região, precisava de ajustes.

Os profissionais de saúde que estavam presentes, disseram que não tinha como fazer qualquer mudança no Plano.

Uma possibilidade defendida pelos promotores é que sejam instalados leitos de UTI no Hospital do Seridó. Quando perguntando da possibilidade do empenho da Prefeitura nesse sentido, já que o referido hospital, atualmente é de sua responsabilidade, Batata Araújo, disse que era inviável.