TRÂNSITO: Ministério das Cidades anula mudanças na renovação da CNH

Ministério das Cidades anula mudanças na renovação da CNH

O Ministério das Cidades decidiu anular a resolução do Departamento Nacional de Trânsito, o Denatran, que exigia a realização de um curso para quem fosse renovar a carteira de habilitação. Esta medida iria entrar em vigor em junho deste ano.

Segundo o ministro da pasta, Alexandre Baldy, o intuito de revogar esta resolução é reduzir os custos e simplificar a vida dos brasileiros. “Determinei o presidente do Departamento Nacional de Trânsito, Maurício Alves, que revogue a resolução que tornaria obrigatório procedimentos para que os usuários, ao renovar a Carteira Nacional de Habilitação, obtivessem novos procedimentos para que pudesse ser mais burocrático esta renovação. O governo federal deseja tornar simplificada a vida dos brasileiros e desejamos sim a diretriz de reduzir custos em todos os serviços que pudermos aos cidadãos”.

Em nota, o Ministério das Cidades reafirmou o compromisso de promover a segurança no trânsito, mas com medidas que não aumentem o custo e a burocracia para a população.



Bruno Araújo pede demissão do ministério das Cidades

Bruno Araújo pede demissão do Ministério das Cidades

O ministro das Cidades, Bruno Araújo (PSDB), pediu demissão do cargo nesta segunda-feira (13). Em carta enviada ao presidente Michel Temer o agora ex-ministro agradeceu a “confiança do PSDB”, mas disse não haver mais apoio da sigla para que ele permaneça no cargo.

O pedido de exoneração de Bruno Araújo acontece em meio a uma crise dentro do PSDB. O partido está rachado entre os que apóiam a permanência no governo Michel Temer e os que pregam o desembarque do executivo.

O movimento de Araújo pode ter sido o pontapé inicial para a reforma ministerial cobrada por apoiadores de Michel Temer. O presidente deve nos próximos dias mudar os nomes de grande parte dos ministros de seu governo. Partidos do central estão cobrando mais cargos dentro do executivo e o PSDB não gera mais tanta confiança no governo.

Agora, com a saída de Bruno Araújo, os tucanos ainda contam com três pastas no executivo. Aloysio Nunes Ferreira, de Relações Exteriores, Antonio Imbassahy, da Secretaria Geral e Luislinda Valois, de Direitos Humanos.