Servidores da saúde aprovam paralisações todas as sextas-feiras a partir do dia 20

Servidores da Saúde do Estado param as atividades nas sextas-feiras

Os servidores da saúde do Rio Grande do Norte aprovaram em assembleia realizada na última quinta-feira, 29, a realização de paralisações de 24 horas todas as sextas-feiras. A medida começa a partir do dia 20 deste mês, até que a pauta de reivindicações da categoria seja atendida. Haverá atos nos hospitais do Estado.

De acordo com o Sindicato dos Trabalhadores da Saúde Pública do RN (Sindsaúde/RN), os servidores estão com três folhas salariais em atraso e cobram o pagamento dos salários atrasados, do calendário do pagamento de 2019, reajuste salarial, concurso público, o direito a incorporação das gratificações na aposentadoria e melhorias nos hospitais regionais.

Além das paralisações, também foram aprovadas por unanimidade as seguintes atividades:

Todas às sextas-feiras a partir do dia 20 de setembro, Dia Nacional de Luta, serão realizadas paralisações de 24h nos serviços de saúde, com atos nos Hospitais do Estado, até que a pauta de reivindicações da categoria seja atendida.

Participação dos Servidores da Saúde em mobilização e cobrança dos Deputados Estaduais na Assembleia Legislativa do Estado na terça-feira, 3 de setembro, às 10h.

Os servidores da saúde irão acompanhar a audiência entre o Sindsaúde RN e o TCE para discutir o ataque do órgão e o governo à incorporação das gratificações nas aposentadorias dos servidores da saúde. Audiência está marcada para o dia 6 de setembro às 10h no TCE.

A próxima Assembleia da Saúde Estadual acontecerá no dia 11 outubro às 9h. Em breve, o local será informado.

Convocação de uma plenária unificada com os demais sindicatos e suas bases com a intenção de chamar para a luta e para o enfrentamento aos ataques do Governo de Fátima Bezerra.

Mobilizações de todos os servidores nos locais de trabalho para fortalecimento da luta da saúde.

Encaminhamento para o Governo da proposta para que o dinheiro arrecadado com a Venda da Folha ao Banco do Brasil seja utilizado no pagamento dos salários atrasados.



Servidores do Governo do Estado confirmam paralisação

Representantes de movimentos sindicais que integram o Fórum dos Servidores confirmaram paralisação geral para o dia 13 de agosto.

Em coletiva realizada na sede do Sinai-RN, os servidores cobram transparência do Governo sobre a resolução das reivindicações propostas pelo Fórum e afirmam que a paralisação geral será a primeira medida em resposta à forma como as negociações estão sendo conduzidas.

Segundo o Fórum, a paralisação faz parte de um movimento nacional que também se opõe à aprovação da PEC da Reforma da Previdência.

*Leia a notícia completa da Tribuna do Norte aqui



Policiais Civis do RN paralisam atividades nesta terça-feira, dia 25

Policiais civis fazem paralisação nesta terça

Os Policiais Civis do Rio Grande do Norte e servidores da Segurança se reuniram em Assembleia Geral, na última terça-feira (18), e deliberaram por uma paralisação nesta terça-feira, dia 25 de junho, com concentração na sede do SINPOL-RN, a partir das 8h. O motivo será a reforma da Previdência.

Assim como policiais federais, rodoviários federais e guardas municipais, os policiais civis lutam para que as peculiaridades da profissão sejam levadas em conta dentro do projeto da reforma da Previdência. Com a proposta atual, essas categorias terão perdas de direitos e retrocessos, como fim da aposentadoria especial.

A paralisação deste 25 será feita em conjunto com policiais civis de todo o país, sendo promovida pela Cobrapol e pela União dos Policiais do Brasil (UPB). Em cada estado da federação, haverá essa mobilização. No último dia 14, a categoria já tinha cruzado os braços no Rio Grande do Norte em protesto contra a reforma da Previdência.

Também na Assembleia Geral da terça-feira, os Policiais Civis e Servidores da Segurança deliberaram por participação do SINPOL-RN em um ato que acontecerá em Brasília, no dia 2 de julho. Na ocasião, policiais civis, federais, rodoviários e guardas municipais do Brasil inteiro estarão na capital federal. Um grupo de 10 pessoas irá do Rio Grade do Norte.

Essas duas deliberações são extremamente importantes, pois essa reforma da Previdência é a pauta mais urgente que temos. Estamos correndo sérios riscos de perdermos o direito a uma aposentadoria digna. Inclusive, a proposta atual afeta até mesmo os já aposentados, tendo em vista que haverá aumento da alíquota e, conseqüentemente, redução salarial“, afirma Nilton Arruda, presidente do Sindicato.



Delegados decidem apoiar movimento de agentes e escrivães

Delegados também aderem a movimento de paralisação

Os delegados de Polícia Civil do Rio Grande do Norte decidiram manifestar apoio ao movimento dos agentes e escrivães de polícia denominado “Operação Zero”, em protesto contra os atrasos na folha de pagamento dos servidores estaduais. Atualmente os delegados estão sem receber o 13º de 2017, o de 2018 e sem informações sobre o pagamento de dezembro deste ano.

A adesão foi decidida por unanimidade na tarde desta quinta-feira (27) em assembléia na sede da Associação dos Delegados de Polícia Civil do RN (Adepol/RN), mas com algumas ressalvas:  serão suspensos os registros de boletins de ocorrência, investigações, e outros procedimentos, porém os autos de prisões em flagrante serão lavrados nas cidades de Natal, Caicó e Mossoró.

Continue lendo



Escrivães de Polícia Civil do RN confirmam paralisação de quarta-feira (26)

Sem qualquer posição do Governo do Estado até o momento, os escrivães de polícia do RN confirmam o início de uma paralisação para esta quarta-feira (26). A decisão foi aprovada em assembleia realizada na última segunda-feira, em conjunto com agentes de polícia, no Sindicato dos Policiais Civis e dos Servidores da Segurança Pública do RN – Sinpol, no bairro de Cidade Alta. Segundo os policiais, o movimento durará até que o governo do Estado atualize a folha salarial. Até hoje, agentes e escrivães não receberam o 13º de 2017 e estão sem previsão de pagamento do 13º de 2018 e do salário de dezembro deste ano.

Continue lendo



PMs e bombeiros mantêm paralisação para o dia 7 de setembro

A Associação dos Subtenentes e Sargentos Policiais e Bombeiros Militares do RN (ASSPMBMRN) afirmou que vai manter a mobilização da categoria marcada para o dia 7 de setembro, mesmo com a decisão da Justiça que proíbe a paralisação e prevê multa em caso de descumprimento. De acordo com a decisão, em caso de descumprimento, cada associação envolvida na mobilização deverá pagar uma multa de R$ 50 mil.

O Governo ajuizou nesta quarta-feira (22) uma ação civil pública no Tribunal de Justiça contra a mobilização dos policiais e bombeiros militares marcada para o dia 7 de setembro e a decisão, da desembargadora Zeneide Bezerra, foi proferida nesta quinta-feira (23). A magistrada  acatou parcialmente o pedido do Governo do Estado para impedir a paralisação da Polícia Militar.

*Tribuna do Norte




RN: Proposta do Governo é aceita e militares volta ao trabalho

Após a leitura dos 25 termos do documento assinado pelas autoridades do Governo e das Associações, chega oficialmente ao fim à paralisação dos policiais militares no Rio Grande do Norte. Os militares aplaudiram ao final da leitura e aprovaram o documento, que encerra, após 23 dias, a Operação Padrão no Estado.

De acordo com o presidente da Associação de Bombeiros Militares, Dauchen Viana, o retorno dos profissionais da PM e Bombeiros será feito aos poucos, à medida em que as condições de trabalho forem sendo oferecidas pelo Governo. No momento, a PM dispõe de cerca de 20 viaturas novas em condições de circular pelas ruas. A princípio, essas viaturas irão sair.

O governo prometeu comprar mais 50 viaturas e garantiu o aluguel de cerca de mais 50. À medida que essas viaturas forem chegando, elas vão saindo às ruas nos próximos dias. Vamos precisar da compreensão da população para entender que a volta da PM não vai ser mágica e nem vai acontecer toda de uma vez“, explicou Dauchan.

Leia a notícia completa da Tribuna do Norte aqui




PMs de Caicó não saíram para o trabalho; Viaturas ficaram no pátio do batalhão

Viaturas paradas no pátio do 6º BPM em Caicó – (Foto: Josivan Araújo)

Os policiais militares do 6º BPM em Caicó, não saíram para o serviço na rua nesta quarta-feira (20). A informação foi confirmada pelo presidente da Associação dos Praças e Bombeiros Militares do Seridó, Cabo Josivan Araújo.

As viaturas estão todas na sede do Batalhão e apenas uma ficou de sobre aviso para atender ocorrências de maior urgência.

A informação dá conta que pararam os policiais da Cipam, 3º DPRE, Cavalaria, GTO e Rádio Patrulha.

Na cidade de Currais Novos, os policiais estão aquartelados desde o início da manhã de terça-feira (19).



Governador reage a notícia de paralisação da PM; “Não admitirei insubordinação”, disse

O Governador Robinson Faria (PSD), reagiu a informação divulgada sobre a suspensão dos serviços da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros agendada para o dia 13 de novembro.

Em  uma rede social, o chefe do Executivo Estadual, disse que não admitia insubordinação dos militares e que se preciso for, tomará medidas mais drásticas para garantir o trabalho de segurança para a população.

Veja o que ele disse:



Abastecimento de Caicó é paralisado novamente

O abastecimento de água da cidade de Caicó através da adutora emergencial está mais uma vez paralisado. A informação foi confirmada ao Blog Sidney Silva pelo diretor do escritório Municipal da Caern, Enilton Oliveira. Ele disse que o problema foi o deslocamento de canos da adutora o que provocou o vazamento e o desligamento do sistema.

O problema ocorreu no trecho da adutora entre Jucurutu e Florânia, na região serrana. Os técnicos estão no local desde cedo.

A paralisação se deu por volta das 3hs40min da madruga desta segunda-feira (16) e a previsão de retorno do funcionamento é para ainda hoje.




Caicó: Médicos obstetras do Hospital do Seridó anunciam paralisação a partir desta segunda

Os médicos obstetras que trabalham no Hospital do Seridó em Caicó, anunciaram através de comunicado divulgado nas redes sociais de Dr. Elísio Galvão (médico que trabalha na referida unidade de saúde) que irão paralisar as atividades a partir desta segunda-feira (11) por tempo indeterminado.

O motivo alegado é a falta de pagamento da produção. O atraso, segundo os profissionais é de 3 meses. Vejam o comunicado divulgado por Dr. Elísio Galvão:

Aviso: nós médicos obstetras do Hospital do Seridó , em virtude de desde maio não recebermos da prefeitura o dinheiro da nossa produtividade, resolvemos que a partir de amanhã, dia 11/09/2017, suspendermos todas as cirurgias eletivas já marcadas e, apenas, faremos cesáreas, partos e curetagens de urgência. Queremos pedir desculpas aos atingidos, já que o senhor prefeito e a senhora secretária, jamais serão atingidos por muitos motivos. Se trabalhamos é porque precisamos. Importante, aos prefeitos das outras cidades, que arranjem lugar para suas mulheres parirem. Em 25 anos de médico em Caicó, nunca tinha visto tanta sacanagem com nossa classe. Sabemos que o senhor prefeito faz isso porque nada em dinheiro e pode ir a Natal ou Brasília se tratar, até porque tudo tem diária. Palavra de homem não ficou para todo mundo. Meus amigos por favor compartilhem está mensagem para chegar a todos os prefeitos, principalmente para o de Caicó que pensa que governar é como brincar de boneca. Por favor nos ajude compartilhando. São 6 meses sem pagar. (Dr. Elísio galvao ,dra. Inez guerra , Dr. Vitor , Dr. paulo brito e Dr. jares Queiroz)“.



Caicó: Servidores municipais iniciam paralisação na Educação e na Saúde nesta segunda

Parte dos servidores da Educação e da Saúde de Caicó prometem paralisar as atividades nesta segunda-feira (11), alegando atraso nos seus pagamentos referentes ao mês de agosto.

Os servidores estão afirmando que irão para os seus respectivos locais de trabalho, mas, não farão atendimentos, apenas, o repasse de informações para a população.

Na terça-feira (12), os servidores querem promover reunião na frente do prédio do Centro Administrativo para o repasse de informações sobre o andamento do movimento.

A paralisação foi definida em assembleia dos servidores realizada no final de semana.