PF deflagra operação para desarticular grupo que planejava matar Agentes Penitenciários Federais

PF deflagra operação visando desarticular movimento de presos que planejava a morte de Agentes Penitenciários Federais

A Policia Federal deflagrou na manhã desta quarta-feira, (19/7), a operação Força e União visando desarticular movimento arquitetado em unidades prisionais federais que tinha como objetivo o assassinato de Agentes Públicos em resposta ao que internos do Primeiro Comando da Capital (PCC) chamam de “opressão”, o que na verdade é a aplicação de regime disciplinar mais rígido, legalmente imposto dentro das Penitenciárias Federais.

Cerca de 30 policiais federais estão cumprindo 8 mandados de busca e apreensão, sendo 4 no Rio de Janeiro, 4 em São Paulo, 1 mandado de condução coercitiva no Rio de Janeiro, além de 5 mandados de prisão preventiva, 1 em Mossoró e 4 em São Paulo.

De acordo com os levantamentos, a facção criminosa PCC assassinou dois Agentes Penitenciários Federais, em menos de um ano: Alex Belarmino Almeida Silva em setembro de 2016, na cidade de Cascavel/PR e Henry Charles Gama Filho em abril de 2017, em Mossoró/RN.

No decorrer da investigação do homicídio do Agente Federal de Execução Penal Alex Belarmino, foi descoberto que a facção tinha planos de executar dois Agentes Públicos por unidade prisional.

Já em relação ao Agente Henry, as investigações apontaram que sua morte havia sido planejada há dois anos na cidade de São Paulo e teve início através de integrantes do PCC envolvidos na coleta de dados, preparo da ação e com participação de pessoas próximas da vítima.

As investigações demonstraram, também, que não há pessoalidade nas ações do PCC, que escolhe seus alvos em razão das informações e de uma maior vulnerabilidade com o fim de se executar um plano preciso e sem deixar indícios de autoria.



Operação conjunta do MPRN e da PM prende chefe do PCC no Estado

Cicinho foi preso em Natal nesta terça-feira (11)

Uma ação conjunta do Ministério Público do Rio Grande do Norte, por meio do Grupo de Atuação Especial e Combate ao Crime Organizado (Gaeco), e da Polícia Militar prendeu na manhã desta terça-feira (11) um dos chefes do Primeiro Comando da Capital (PCC) no Estado. Iranilson dos Santos Silva, o Cicinho, foi preso por volta das 9h30 no bairro de Lagoa Nova, em Natal.

Cicinho fugiu do presídio estadual Rogério Coutinho Madruga, o Pavilhão 5 de Alcaçuz, em 14 de janeiro deste ano, durante as rebeliões que culminaram com a morte de 26 detentos. Ele era um dos criminosos mais procurados pelas forças de segurança pública do Rio Grande do Norte. Iranilson dos Santos Silva é considerado de altíssima periculosidade e já foi condenado a mais de 22 anos de prisão pela prática de vários crimes.

No momento da prisão, os policiais do Batalhão de Choque da PM constataram que Iranilson dos Santos Silva portava documento falso. O paradeiro dele chegou ao conhecimento do Gaeco por meio de denúncia anônima, repassada imediatamente aos policias do Batalhão de Choque, que efetuaram a prisão.

Iranilson dos Santos Silva será apresentado novamente ao sistema penitenciário, onde deve continuar o cumprimento da pena.

Caso saiba de alguma informação que possa levar à prisão de criminosos, colabore com as autoridades ligando para o telefone do Gaeco: (84) 3606-8082. A identidade do informante será preservada.



Juízo final: MP investiga facção criminosa envolvida em vários crimes no RN

Presos do PCC reunidos dentro de presídio do RN

Após quase dois anos de investigação, o Ministério Público do Rio Grande do Norte realizou operação contra integrantes da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC), com atuação em quase todo sistema penitenciário do RN de onde planejavam ações relacionadas a tráfico de drogas, roubo de veículos, estouros de caixas eletrônicos, homicídios, estruturação da facção, entre outros.

Denominada “juízo final”, O GAECO com apoio das Polícias Militar busca o cumprimento de 129 mandados de busca e apreensão, 21 mandados de prisão e 24 conduções coercitiva. As medidas estão sendo cumpridas em 18 cidades do estado, 13 estabelecimentos prisionais estaduais e um presídio federal.

A investigação mostrou que os alvos comandam o tráfico de drogas de dentro dos presídios apresentando uma área de atuação em praticamente todo o sistema carcerário potiguar e mantendo articulações com integrantes da investigada facção em outros estados do Brasil.

Cadernos apreendidos apontam a relação os integrantes da facção criminosa, data de batismo, função e número de telefones. Além disso, documentos com dados bancários foram apreendidos, o que colaborou para demonstrar a movimentação financeira do grupo.

A investigação conseguiu a fixação de multa a empresa proprietária do aplicativo whatsapp no valor de condenação de R$ 15 milhões pelo descumprimento reiterado de ordem judicial.

Continue lendo



Polícia de Baraúna diz que prendeu integrante do PCC investigado por três homicídios

Antonio Lazaro de Oliveira foi preso em Baraúna

Policiais militares da cidade de Baraúna detiveram Antonio Lazaro de Oliveira, 18 anos, em atitude suspeita quando o mesmo estava no município, na noite desta terça-feira (23), durante uma abordagem policial. Após a detenção, ele foi conduzido para a Delegacia de Polícia Civil de Baraúna, onde foi verificado que o mesmo era investigado pela Delegacia de Polícia Civil de Apodi, como sendo o autor de três homicídios e de duas tentativas de homicídio. Contra Antonio Lazaro, já havia um mandado de prisão expedido pela Vara Criminal de Apodi. Além dos homicídios, ele também é investigado por três roubos.

De acordo com as investigações, Antonio Lazaro que é integrante da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC), é suspeito de estar envolvido com o cometimento de homicídios na região de Mossoró e Baraúna. Ele confessou na Polícia Civil que matou alguns homens de uma facção rival, pelo fato de estar sendo ameaçado por eles. “Duas tentativas de homicídios foram contra homens conhecidos como Adriano e Bigulão.Ele confessou na Polícia Civil que matou três homens. Dois deles, Antônio Cardoso da Silva Filho , conhecido como`Fifita da Carroça´ e Jackson Rayron da Costa, conhecido como´Pirata´, foram mortos devido às ameaças que vinha fazendo contra Antonio Lazaro. Além das mortes motivadas por facção, Antonio Lazaro confessou que também matou Maikon Alissandro Fernandes Pompeu, conhecido por Nenen, porque o mesmo estava dando em cima de sua mulher”, detalhou o delegado Renato Oliveira, titular da Delegacia de Apodi.

Adriano confessou na Polícia Civil que os homicídios foram efetuados com ajuda de dois comparsas, um deles conhecido como “Israel” e outro como “Japa”, que já está preso em Pau dos Ferros. Além dos homicídios, Antonio Lazaro é suspeito de ter roubado um aparelho celular e duas motocicletas. Os veículos teriam sido roubados nas cidades de Felipe Guerra e na cidade de Juazeiro do Norte, Ceará.



Divulgados os nomes dos líderes que comandaram rebelião em Alcaçuz; Assassino de F. Gomes é um deles

As forças de segurança do Rio Grande do Norte, trabalharam durante todo o dia nesta segunda-feira (16), em uma operação especial de extração de 5 membros do PCC, internos do Pavilhão 5, tidos como líderes da rebelião que teve início da tarde do último sábado (14) no Presídio de Alcaçuz.

O Blog Sidney Silva apurou que os líderes serão interrogados pela Polícia Civil em um inquérito especial que está em andamento, que foi instaurado para apurar os crimes de participação em organização criminosa e homicídios.

Eles foram identificados como, Paulo da Silva Santos, João Francisco dos Santos “Dão” – que é condenado pelo assassinato do jornalista caicoense, Francisco Gomes de Medeiros – José Cândido Prado, Paulo Márcio Rodrigues de Araújo e Thiago Sousa Soares.

Por outro lado, o ITEP já fez a identificação de 4 corpos de vítimas por comparação digital. São eles: Jeferson Pedrosa Cardoso, Anderson Barbalho da Silva, Goerge Santos de Lima e Diogo de Melo Ferreira.