RIO GRANDE DO NORTE: No estado, homens bebem mais do que as mulheres antes de dirigir

Beber e depois dirigir ainda é um hábito comum entre homens e mulheres. Esse costume cresceu 32% entre 2015 e 2016. E os homens são os que mais assumem esse risco, como revela a última pesquisa Vigitel, realizada pelo Ministério da Saúde em todo o país. De acordo com os dados, no Rio Grande do Norte, 29% dos homens que responderam a pesquisa assumiram pegar o volante depois de ter consumido bebida alcoólica. Já entre as mulheres, o total foi de 10%.

Os acidentes de trânsito, motivados ou não pela bebida, são o maior motivo de atendimentos de urgência e emergência e internações no Sistema Único de Saúde. Só em 2015, o Governo Federal gastou R$ 242 milhões para internar mais de 158 mil vítimas de ocorrências graves nas ruas e estradas.

Apesar dos dados alarmantes, uma notícia boa: em 2015 o número de mortes decorrentes de episódios envolvendo álcool e direção caiu em 11%. O Ministério da Saúde acredita que além das campanhas de conscientização sobre os riscos de beber e dirigir, a lei seca e o aumento na fiscalização também contribuíram para esse resultado.  Para saber mais acesse www.saude.gov.br



Pesquisa da Potigás aponta economia recorde para os consumidores de GNV

O gás natural veicular ampliou a margem de economia para seus consumidores. Levantamento realizado pela Companhia Potiguar de Gás (Potigás) nesta terça-feira, 25, aponta economia de 51% do GNV frente à gasolina. Já com relação ao etanol, o índice chega a 56%. O GNV foi o único combustível que não teve alteração nos impostos.

Com o aumento dos impostos PIS/COFINS sobre os combustíveis líquidos, a expectativa do governo era de que, por litro, a gasolina aumentasse R$ 0,41, o diesel em R$ 0,21 e o etanol em R$ 0,20.

“Diante do mais recente aumento da gasolina, diesel e do etanol, quem roda acima de 50 km por dia e ainda tinha dúvidas em adaptar o seu veículo, não pode mais perder tempo e, principalmente, não pode mais perder dinheiro”, explica Franciney Souza, gerente Comercial da Potigás.

O levantamento da Companhia ainda revela que quem abastece R$ 10 consegue percorrer 25 km com a gasolina e 22 km com o etanol. Já com o GNV, o motorista consegue percorrer até 50 km.

Continue lendo



Pesquisa sobre microcefalia será realizada no RN

A prevalência da microcefalia em pequenos municípios brasileiros, significativamente mais alta que nos mais populosos, tem levantado entre pesquisadores a suspeita de que fatores ambientais existentes no campo podem estar relacionados às malformações observadas em bebês após a infecção das mães pelo Zika vírus. Essa é a hipótese levantada em um artigo publicado este mês de julho no SciFed Virology Research Journal da Scientific Federation e assinado pelos professores Ion de Andrade, da Universidade Potiguar (UnP), integrante da rede Laureate, e Massimo Giangaspero, da Universidade de Teramo, na Itália. Ainda neste semestre, a publicação resultará em uma pesquisa maior que tem o propósito de aprofundar as investigações.

Médico com Doutorado em Ciências da Saúde/Medicina II, o prof. Ion de Andrade afirma que os números da epidemia de microcefalia registrados no final de 2015 no Brasil se mostram assimétricos quando avaliados por localidade: as cidades com menos de 50 mil habitantes possuem proporcionalmente 4,6 vezes mais casos do que aquelas com 100 mil habitantes. “Isso nos fez levantar a hipótese de que um cofator presente no meio rural pode atuar conjuntamente com o Zika vírus”, explica.

Continue lendo



Em Natal, obesidade atinge 19,8% e colabora para maior prevalência de hipertensão e diabetes

Em Natal, obesidade atinge 19,8% e colabora para maior prevalência de hipertensão e diabetes

O brasileiro está mais obeso. Em 10 anos, a prevalência da obesidade passou de 11,8% em 2006 para 18,9% em 2016, atingindo quase um em cada cinco brasileiros. Em Natal, a prevalência da obesidade está acima da média nacional, 19,8% da população está obesa. Os dados inéditos divulgados nesta segunda-feira (17/4) fazem parte da Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel) realizada pelo Ministério da Saúde em todas as capitais do país. O resultado reflete respostas de entrevistas realizadas de fevereiro a dezembro de 2016 com 53.210 pessoas maiores de 18 anos das capitais brasileiras.

Conheça aqui os dados da pesquisa apresentados pelo ministro de Saúde, Ricardo Barros.

Segundo a pesquisa, o crescimento da obesidade é um dos fatores que pode ter colaborado para o aumento da prevalência de diabetes e hipertensão, doenças crônicas não transmissíveis que piora a condição de vida do brasileiro e podem até matar. O diagnóstico médico de diabetes passou de 5,5% em 2006 para 8,9% em 2016 e o de hipertensão de 22,5% em 2006 para 25,7% em 2016. Em ambos os casos, o diagnóstico é mais prevalente em mulheres. Na capital do Rio Grande do Norte, 26,9% disseram ter diagnóstico médico de hipertensão, e 10,1%, de diabetes.

“O Ministério da Saúde tem priorizado o combate à obesidade com uma série de políticas públicas, como Guia Alimentar para População Brasileira. A alimentação saudável aliada a prática de atividade física nos ajudará a reduzir a incidência de doenças como diabetes e hipertensão na população”, declarou o ministro Ricardo Barros.

O Vigitel, realizado pelo Ministério da Saúde desde 2006, auxilia para conhecer a situação de saúde da população e é utilizado como base para planejar ações e programas que reduzam a ocorrência de doenças crônicas não transmissíveis, melhorando a saúde do brasileiro.

EXCESSO DE PESO E OBESIDADE – A obesidade aumenta com o avanço da idade. Mas mesmo entre os mais jovens, de 25 a 44 anos, atinge indicador alto: 17%. O Excesso de peso também cresceu entre a população. O percentual de quem possui Índice de Massa Corporal (IMC) entre 25 kg/m² e 30 kg/m², passou de 42,6% em 2006 para 53,8% em 2016. Já é presente em mais da metade dos adultos que residem em capitais do país. Em Natal, mais da metade da população (56,6%), está com excesso de peso.



Consumo de drogas mata cerca de meio milhão de pessoas por ano, alerta OMS

Consumo de drogas mata meio milhão de pessoas no mundo a cada ano
Consumo de drogas mata meio milhão de pessoas no mundo a cada ano

A diretora-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Margaret Chan, alertou hoje (13) que o consumo de drogas mata cerca de 500 mil pessoas todos os anos no mundo.

“A OMS estima que o uso de drogas seja responsável por cerca de meio milhão de mortes todos os anos, mas esse número representa apenas uma pequena parte de todo o dano causado pelo problema mundial das drogas”, disse.

Durante discurso em Viena, na Áustria, Margaret destacou ainda que, em alguns aspectos, a situação está piorando, e não melhorando, já que muitos países vivenciam o que ela chamou de crise de emergência sanitária decorrente de mortes por overdose.

“Gostaríamos de ver mais usuários de drogas sendo canalizados por meio de sistemas públicos de saúde do que por meio de cortes e sistemas de justiça criminal”, apontou a entidade.

“À medida que muitos países e agências internacionais continuam a lidar com o problema das drogas e suas inúmeras dimensões, a OMS pede que as políticas sejam baseadas em evidências médicas e científicas, e não em emoções e ideologias”, concluiu.



89% dos brasileiros escutam rádio, aponta pesquisa do Ibope

89% dos brasileiros escutam rádio

Além do consumo do rádio e o seu perfil demográfico, a Kantar IBOPE Media apresenta, pela primeira vez, a audiência comportamental do meio, na 3º edição do Book de Rádio. O estudo também traz insights sobre os hábitos, preferências, opiniões e consumo dos seus ouvintes.

A partir do TGR Rádio, lançado no fim do ano passado, é possível saber que 80% dos ouvintes de rádio, em São Paulo, acreditam que é muito importante estar bem informado. Já no Rio de Janeiro, 64% sempre procuram os melhores preços ao comprar equipamentos eletrônicos e, em Recife, 85% dos ouvintes gostam de produtos que facilitem o dia a dia.

O TGR Rádio, que cruza os dados de aferição regular do meio e do estudo single source Target Group Index, permite que anunciantes e agências estruturem, de forma mais personalizada e efetiva as suas campanhas de rádio”, explica Dora Câmara, diretora comercial Brasil da Kantar IBOPE Media.

Também de acordo com dados do Book de Rádio, o meio continua a desempenhar um papel fundamental no dia a dia do brasileiro. Em 2016, o rádio alcançou 89% das pessoas nas 13 regiões metropolitanas, onde a audiência é aferida pela empresa, o equivalente a 52 milhões de indivíduos. Em média, o brasileiro escuta 4 horas e 36 minutos ao dia – com destaque para a Grande Goiânia, onde os ouvintes dedicam 5 horas e 34 minutos do seu dia para o meio.

“O rádio é um meio versátil e ágil, ligado ao movimento. Além de ouvir em casa, as pessoas escutam rádio no carro indo para o trabalho, pelo celular enquanto caminham, na academia enquanto se exercitam. O meio é o grande companheiro dos ouvintes”, analisa Dora.

O estudo completo – com insights sobre o perfil do ouvinte, incluindo leituras do comportamento por praça e dados sobre a compra de espaço publicitário no meio – está disponível no site da Kantar IBOPE Media.



Lula lidera com 30,5% dos votos em eventual disputa em 2018, diz pesquisa CNT

Pesquisa do CNT aponta Lula com vantagem se eleição presidencial fosse hoje – (Foto: Ricardo Stuckert)

Se as eleições presidenciais fossem hoje, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva venceria a disputa com os demais adversários, segundo pesquisa CNT/MDA divulgada nesta quarta-feira (15) pela Confederação Nacional dos Transportes (CNT).

De acordo com o levantamento, Lula apresenta hoje 30,5% das intenções de votos contra 11,8% de Marina Silva; 11,3% do deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ).

O senador Aécio Neves (PSDB-MG) aparece apenas como quarto colocado, com 10,1%. Ciro Gomes (PDT-CE) tem 5% e o presidente Michel Temer conta com 3,7%.

A soma dos votos branco/nulo ou indecisos chega a 27,6%. Esses valores têm como base a consulta de intenção de voto estimulada, quando os nomes dos candidatos são apresentados aos entrevistados.

No cenário de consulta espontânea, quando não é apresentado nenhum nome aos entrevistados, Lula também lidera com 16,6% as intenções. Neste caso, Bolsonaro aparece em segundo com 6,5% e Aécio Neves em terceiro, com 2,2%. A soma de branco/nulo ou indecisos chega, contudo, a 67,8%.

*Fonte: Tribuna do Norte