MPF e PF cumprem mandados por fraudes na Fecomércio/RJ

Operação E$quema é um desdobramento da Operação Lava Jato

Policiais federais e integrantes do Ministério Público Federal (MPF) cumprem hoje (9) 50 mandados de busca e apreensão contra acusados de desvios de R$ 355 milhões na Federação do Comércio do Rio (Fecomércio/RJ) e nas seções fluminenses do Serviço Social do Comércio (Sesc) e do Serviço de Aprendizagem Comercial (Senac). Os alvos são pessoas, escritórios de empresas e de advocacia.

A Operação E$quema, um desdobramento da Operação Lava Jato, começou a partir da Operação Jabuti, de 2018, e também usa informações de delação premiada do ex-presidente da Fecomércio/RJ Orlando Diniz.

De acordo com o MPF, dos R$ 355 milhões gastos a pretexto de serviços advocatícios supostamente prestados à entidade, entre 2012 e 2018, ao menos R$ 151 milhões foram desviados em esquema que envolveria Diniz, Marcelo Almeida, Roberto Teixeira, Cristiano Zanin, Fernando Hargreaves, Vladimir Spíndola, Ana Tereza Basílio, José Roberto Sampaio, Eduardo Martins, Sérgio Cabral e Adriana Ancelmo. Os 11 foram denunciados por organização criminosa.

Continue lendo

Polícia Federal cumpre 623 mandados no país contra grupo criminoso

Dinheiro apreendido na ação é contabilizado pela Polícia Federal

A Polícia Federal (PF) deflagrou hoje (31) a megaoperação Caixa Forte 2, para investigar tráfico de drogas e lavagem de dinheiro praticados por facção criminosa. Para a ação, foram mobilizados 1,1 mil policiais federais, que cumprem 623 mandados judiciais em 18 unidades federativas (Acre, Alagoas, Amazonas, Ceará, Distrito Federal, Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Pará, Pernambuco, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rondônia, Roraima, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo) e no Chile.

Ao todo, foram expedidos pela 2ª Vara de Tóxicos de Belo Horizonte 422 mandados de prisão preventiva e 201 mandados de busca e apreensão. Também foi ordenado o bloqueio judicial de R$ 252 milhões.

Continue lendo

PF fecha dois bingos no centro do Rio de Janeiro

Dois bingos que funcionavam no centro do Rio de Janeiro, foram fechados pela Polícia Federal (PF). A operação foi deflagrada na tarde desta quarta-feira (12), por policiais federais da Delegacia de Polícia Fazendária. As informações foram divulgadas, em nota, pela assessoria da PF.

Os policiais receberam denúncia anônima sobre a existência dos bingos, e após diligências nos locais, constataram que de fato estavam em pleno funcionamento, inclusive com a presença de jogadores”, informou a PF.

Em um dos endereços, localizado na zona portuária, foram apreendidas 30 máquinas caça-níqueis. Em outro local, na Cinelândia, foram apreendidas 24 máquinas.

Segundo a PF, um homem e uma mulher, responsáveis pelos locais, foram presos, em flagrante. Eles serão autuados por infração penal prevista no artigo 50 da Lei de Contravenções Penais.


PF prende homem com quase 16 kg de maconha no aeroporto Aluízio Alves

PF prende homem com quase 16 kg de maconha

A Polícia Federal prendeu em flagrante na tarde desta quarta-feira (12) no aeroporto internacional Aluízio Alves, em São Gonçalo do Amarante, Região Metropolitana de Natal, um motoboy, catarinense, de 20 anos, acusado de tráfico de drogas. Com ele, foram apreendidos 15,79 Kg de maconha.

A ação aconteceu durante uma fiscalização de rotina ocasião em que uma das bagagens inspecionadas nas imagens de raios-X apresentou uma coloração suspeita. Os policiais então separaram a mala que havia chegado num voo que teve origem em Florianópolis/SC e aguardaram que o passageiro fosse resgatá-la. Quando isso aconteceu, o homem foi abordado e indagado sobre o que tinha no seu interior ficou bastante nervoso, dizendo não saber e nem ter o segredo para abrir a fechadura. A mala então teve a tranca rompida e no seu interior, enrolado em peças de roupas, estavam 16 tabletes de maconha.

De imediato, o acusado recebeu voz de prisão e foi encaminhado para autuação na sede da PF em Lagoa Nova.

Durante o seu depoimento, ele declarou que foi contratado por uma pessoa desconhecida no centro de Florianópolis para entregar uma “encomenda” em Natal, onde seria procurado tão logo desembarcasse.

Indiciado por tráfico interestadual de drogas (Lei nº 11.343/2006), o suspeito passou por exame de corpo de delito no ITEP e permanece custodiado na sede da PF, à disposição da Justiça.

Somente este ano, a Polícia Federal já prendeu nove pessoas no aeroporto e apreendeu um total de 137,28 kg de maconha.


Lava Jato: PF deflagra “Operação Paralelo 23” para investigar crimes eleitorais em São Paulo

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta terça-feira (22) a Operação Paralelo 23*, terceira fase da operação Lava Jato junto à Justiça Eleitoral de São Paulo, desde o entendimento adotado pelo Supremo Tribunal Federal no Inquérito nº 4.435, em 14 de março de 2019, por meio do qual reafirmou a competência da Justiça Eleitoral para os crimes conexos aos crimes eleitorais.

São cumpridos quatro mandados de prisão temporária e 15 mandados de busca e apreensão em São Paulo/SP, Brasília/DF, Itatiba/SP e Itu/SP, além do bloqueio judicial de contas bancárias dos investigados, determinados pela 1ª Zona Eleitoral de São Paulo/SP.

Continue lendo

Juiz condena “japonês da federal” à perda do cargo e multa de R$ 200 mil

Newton Ishii foi condenado em ação na Justiça Federal

O juiz Sérgio Luis Ruivo Marques, da 1ª Vara da Justiça Federal de Foz do Iguaçu, condenou o agente Newton Hinedori Ishii, conhecido como o “japonês da federal“, à perda do cargo e pagamento de multa de R$ 200 mil por facilitação de contrabando.

Ishii foi condenado por envolvimento em uma quadrilha composta por 22 agentes da PF, quatro servidores da Receita Federal e dois policiais rodoviários federais. Eles atuariam em um esquema de facilitação de contrabando pela fronteira entre Brasil e Paraguai.

Há que se ressaltar que o réu Newton Hinedori Ishii é determinado, quando o assunto é cobrar propina para facilitar o contrabando/descaminho. No caso, Newton Japonês escolheu o tipo de mercadoria que aceitaria facilitar e, ainda, fixou o preço da propina a ser cobrada pela omissão na atribuição de combater o crime que lhe foi conferida pelo Estado”, disse o juiz.

O julgador citou ainda um telefonema interceptado com autorização judicial em que o agente informa a placa de um veículo para que um policial corrupto deixe de fiscalizar ou simule a fiscalização, beneficiando a quadrilha de contrabando.


Polícia Federal combate usurpação de minério e lavagem de dinheiro com Inteligência Geoespacial

Policiais federais participaram da ação nesta sexta-feira (26)

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta sexta-feira, 26 de junho, a Operação Siroco, com o objetivo de apurar usurpação de minério, lavagem de capitais e crimes ambientais. As investigações apuram a extração ilegal de minério que estaria sendo utilizado em construção civil, principalmente na construção de parques eólicos no estado do RN, conduta que, em tese, importa nos delitos previstos no art. 55 da Lei 9.605/98 e art. 2º da Lei 8.176/91, além de lavagem de capitais (art. 1º da Lei 9.613/1998) ante a possível dissimulação da origem criminosa da matéria-prima extraída irregularmente.

Policiais federais cumprem, simultaneamente, três mandados judiciais de busca e apreensão, expedidos pela 15ª Vara Federal do Rio Grande do Norte, nas cidades de Natal/RN e Fortaleza/CE. A operação do RN foi deflagrada de forma coordenada com a Operação Anemoi, deflagrada, também na data de hoje, pela Superintendência da PF no CE que investiga fatos similares praticados pelos mesmos suspeitos naquele estado.

Continue lendo

PF prende suspeito de praticar ataques contra agentes de segurança pública no RN

Policiais federais com apoio da PM e Denarc de Mossoró realizam operação

A Força-Tarefa de Combate ao Crime Organizado, coordenada pela Polícia Federal, em ação conjunta com a Delegacia Especializada em Narcóticos – DENARC/Mossoró/RN, e em colaboração com a Secretaria de Operações Integradas do Ministério da Justiça e Segurança Pública (SEOPI/MJSP) e com o Exército Brasileiro, deflagrou nesta quarta-feira, 24/06, a Operação Vértice, com o objetivo de realizar a prisão de uma liderança de facção criminosa na cidade de Mossoró/RN, vinculada à organização criminosa originada no Estado de São Paulo.

Mais de 20 policiais cumprem 5 mandados de busca e apreensão e 1 mandado de prisão preventiva em Mossoró/RN, expedidos pela 8ª Vara Federal e 2ª Vara Criminal.

As investigações revelaram que o investigado, além de possuir estreita ligação com organização criminosa vinculada ao tráfico de drogas local, estaria supostamente envolvido no planejamento de ataques a agentes de segurança pública e agentes penais no Estado.

Além da suspeita de ter participado do homicídio de um policial penal Federal no ano de 2017, tal indivíduo ostenta antecedentes criminais, passagem pelo Sistema Penitenciário Federal e se encontrava monitorado por tornozeleira eletrônica, circunstância que não o impediu de continuar praticando crimes.

Apesar das restrições impostas pela pandemia, a Polícia Federal, a DENARC-Mossoró e as demais forças policiais seguem atuando em sintonia contra o crime organizado no Estado do Rio Grande do Norte.


Polícia Federal prende Sara Winter e mais cinco em investigação sobre atos antidemocráticos, em Brasília

Sara Winter foi presa na manhã desta segunda (15) – (Foto: Lucas Nanini/G1)

A Polícia Federal prendeu a ativista Sara Winter e cumpre mandado de prisão de outras cinco pessoas investigadas por exercerem atos antidemocráticos, em Brasília, na manhã desta segunda-feira (15). A prisão foi autorizada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes.

Winter é chefe do grupo 300 do Brasil, de apoio ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Os outros investigados também estão ligados ao grupo.

A prisão ocorre dentro do inquérito que investiga o financiamento de protestos antidemocráticos e não tem relação com a investigação sobre a produção fake news. Ao G1, a defesa de Sara Winter disse “ainda não ter conhecimento sobre o motivo da prisão”.

*Leia AQUI a notícia completa do G1


Caicoense investigado pela Polícia Federal por assalto a banco e carros-fortes é preso na Paraíba

Huender foi preso na Paraíba

O caicoense, Huender Regis de Medeiros, que é investigado pela Polícia Federal por assaltos a carros-fortes e a bancos, foi preso no final da manhã desta quarta-feira (03), nas imediações da cidade de Santa Luzia, no Vale do Sabugi Paraibano, na companhia de Flabson Tayrone, também de Caicó, transportando drogas, arma de fogo e dinheiro.

Enquanto os policiais seguiam com a ocorrência da apreensão na Paraíba, policiais federais cumpriram mandados de busca e apreensão na residência e no sítio de familiares de Huender na zona rural de Caicó.

A investigação dos federais, segundo o que uma fonte repassou ao Blog Sidney Silva, é direcionada para ações na região do Seridó do RN e no Sertão da Paraíba.

O caicoense, Huender Regis, segundo disse a fonte, tinha participação direta nas ações criminosas sendo responsável por dar apoio logístico.

Uma nota com mais detalhes sobre a ocorrência da apreensão da droga, arma e dinheiro, deve ser divulgada nas próximas horas pelas forças de segurança que estão a frente da operação.

Flabson foi preso na mesma ação da Polícia

Polícia Federal deflagra operação contra quadrilha de roubo a bancos

Operação foi deflagrada pela Polícia Federal

A Polícia Federal deflagrou hoje (29), em São Paulo, uma operação para desarticular quadrilhas especializadas em roubos a agências da Caixa Econômica Federal. Por meio da Operação Ataque Furtivo, a PF cumpriu dois mandados de prisão temporária e quatro de busca e apreensão.

Segundo a PF, os mandados judiciais foram expedidos pela Vara Federal de São Bernardo do Campo e pela 7ª Vara Federal Criminal de São Paulo. As investigações foram iniciadas há cerca de 4 meses, a partir de roubos nas agências Piraporinha (interior paulista), em Diadema (ABC), e Guaianases (zona Leste da capital ). Os roubos resultaram em um prejuízo de R$ 1,2 milhão à União.

Com o cumprimento dos mandados, a meta da PF é descobrir qual o modo de atuação dos investigados e ampliar as investigações.


Superintendente da Polícia Federal no Rio Grande do Norte é nomeada pelo Ministério da Justiça

Nova Superintendente da PF no RN foi nomeada pelo Ministério da Justiça

A delegada Larissa Freitas Carlos Perdigão foi nomeada nesta segunda-feira (25) superintendente regional da Polícia Federal no Rio Grande do Norte. A portaria n° 560 de 24 de maio de 2020, que nomeia a delegada para superintendência do RN, é assinada pelo secretário-executivo do Ministério da Justiça, Tercio Issami Tokano, e foi publicado em uma edição extra do Diário Oficial da União (DOU) de segunda-feira (25).

Na mesma edição do DOU, foram publicadas mudanças nas superintendências da PF de outros cinco estados.

Larissa Freitas Carlos Perdigão é potiguar, estava no cargo de Delegada Regional Executiva da PF no RN e já respondia como interina na ausência da então superintendente, Tânia Fogaça.

No dia 14 de maio o Ministério da Justiça anunciou Tânia como a nova diretora-geral do Departamento Penitenciário Nacional (Depen) e a nomeação dela foi publicada no DOU desta segunda (25).

Além da nomeação de Larissa Perdigão como nova superintendente, a edição extra do DOU traz as seguintes nomeações na Superintendência Regional da Polícia Federal no Rio Grande do Norte:

Haroldo Sergio Lima Ferreira – Delegado Regional Executivo da Superintendência Regional de Polícia Federal no Rio Grande do Norte,

Agostinho Gomes Cascardo Junior – Delegado Regional de Investigação e Combate ao Crime Organizado da Superintendência Regional de Polícia Federal no Rio Grande do Norte,

Alexandre Lourenço Pauli – Corregedor Regional de Polícia Federal da Superintendência Regional de Polícia Federal no Rio Grande do Norte,

Breno Rodrigo de Morais – Chefe da Delegacia de Polícia Federal em Mossoró/RN.

G1


Senado aprova MP que altera cargos e funções na Polícia Federal

Sessão do Senado Federal acontece de forma virtual – (Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado)

O Senado aprovou, hoje (25), a Medida Provisória 918/2020, que altera a estrutura de cargos da Polícia Federal (PF). A MP cria Funções Comissionadas do Poder Executivo (FCPE) e Funções Gratificadas (FG) e extingue cargos em comissão do Grupo Direção e Assessoramento Superiores (DAS). Agora, o texto segue para a promulgação.

A proposta cria 45 FCPE e 471 FG para a Polícia Federal. Também transforma 281 cargos DAS, alocados na Polícia Federal, em 338 funções comissionadas do Poder Executivo e seis funções gratificadas. De acordo com a mensagem enviada ao Congresso Nacional, o governo avalia que a medida vai fortalecer a instituição.

Continue lendo

PF prende pernambucano em Natal suspeito de arrombar agências dos Correios

Ação da Polícia Federal de Mossoró

Um pernambucano de 21 anos foi preso nesta segunda-feira (11) em Natal suspeito de praticar arrombamentos e furtos contra agências dos Correios no Rio Grande do Norte.

A prisão foi feita pela Força-Tarefa de Combate às Facções Criminosas no Rio Grande do Norte, que é coordenada pela Polícia Federal e composta por policiais federais, policiais militares e policiais civis da Secretaria de Segurança Pública (Sesed), e ainda agentes penitenciários federais, atuando com apoio da Secretaria de Operações Integradas do Ministério da Justiça e Segurança Pública (SEOPI/MJSP).

Segundo a PF, o pernambucano é pontado como autor de arrombamentos nas agências dos Correios nas cidades de Patu e Caraúbas, ambas no Oeste potiguar, respectivamente nos meses de agosto e setembro de 2018.

O homem estaria envolvido, também, na tentativa de arrombamento à agência dos Correios de Serrinha, crime ocorrido no último final de semana, onde foi preso na companhia de outros três suspeitos que se preparavam para deixar o local.

O preso possui ainda extenso histórico criminal ligado à prática de crimes contra o patrimônio, incidências que causam grande abalo social, especialmente em pequenos municípios do interior“, acrescentou a PF.


Sérgio Moro determina que PF investigue uso indevido de recurso destinados ao combate do coronavírus

O Ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, determinou que a Polícia Federal, investigue possíveis desvios em verbas destinadas ao enfrentamento do Covid-19.

A medida ocorre após notícia de suposto uso indevido dos recursos do combate a pandemia. O alerta foi feito nas redes sociais. Moro disse que vai trabalhar em conjunto com a Controladoria-Geral da União – CGU.

Determinei à Polícia Federal a abertura de investigações para apurar de forma implacável qualquer desvio de verba federal destinada ao combate do novo coronavírus, em qualquer lugar que isso ocorra. Trabalharemos juntos com a CGU“, publicou o ministro em sua conta no Twitter.