Policiais e Bombeiros Militares se reúnem em Assembleia Geral na próxima segunda

Policiais se reunirão em assembleia na segunda – (Foto: Daísa Alves)

Os policiais e bombeiros militares estaduais, oficiais e praças, estão convocados para Assembleia Geral Unificada que acontecerá nesta segunda-feira, 13, às 15h, no Clube Tiradentes, sede da Associação dos Subtenentes e Sargentos Policiais e Bombeiros Militares do RN (ASSPMBMRN). A reunião tem como pauta principal o atraso no pagamento do décimo terceiro salário referente ao ano de 2017.

Ainda em fevereiro, o Governo do RN anunciou que o décimo terceiro de 2017 seria pago de forma escalonada. Posteriormente, ficou decidido que a divisão ocorreria por faixa salarial até o mês de junho. Porém, os pagamentos não foram cumpridos na totalidade e não alcançaram os militares estaduais.

Estamos cansados de promessas. Nesta Assembleia vamos discutir ações concretas para reivindicar nosso direito de receber o benefício”, ressalta a subtenente Márcia Carvalho, presidente em exercício da ASSPMBMRN. Além do pagamento do 13º salário, será discutido sobre os itens não efetivados do Termo de Compromisso firmado em janeiro deste ano.

*Portal Agora RN




Polícia Civil cria comissão para investigar fato ocorrido entre policial civil e militar

Polícia Civil cria comissão para investigar fato ocorrido entre policial civil e militar

Durante uma coletiva de imprensa, realizada na manhã desta segunda-feira (20) na sede da Academia de Polícia (ACADEPOL), foi divulgada a criação de uma comissão especial pela Divisão de Homicídios e Proteção a Pessoa (DHPP) para elucidar a discussão ocorrida entre o agente de polícia civil, Adorian Silva, e o capitão da Policial Militar, Andrey Jackson. Participaram da coletiva o Delegado-Geral de Polícia Civil, Correia Júnior; o diretor da DHPP, delegado Marcos Vinicius e o assessor de imprensa da Polícia Militar, tenente- coronel Eduardo Franco.

Continue lendo



Projeto que extingue redução de pena para assassinos de policiais é aprovado na Câmara

Projeto que extingue redução de pena para assassinos de policiais é aprovado na Câmara

A Câmara dos Deputados aprovou na noite desta quarta-feira (8) o texto-base do projeto de Lei que torna obrigatório o cumprimento da pena integral, em regime fechado, para condenados por assassinato de policiais. Os deputados ainda precisam concluir a análise de dois destaques apresentados ao texto, para que a proposta siga para o Senado.

O projeto que faz mudanças na Lei que trata de crimes hediondos (8.072/90) é de autoria do deputado Alberto Fraga (DEM-DF). A progressão de pena, de acordo com o texto, passa a ser proibida para crimes cometidos contra integrantes da Polícia Militar, Polícia Civil, Polícia Federal, Corpo de Bombeiros Militares, Polícia Rodoviária Federal, Polícia Ferroviária Federal, Forças Armadas e Força Nacional de Segurança Pública, além de integrantes do sistema prisional. A progressão também fica proibida para crime praticado contra esposa ou marido do policial ou parente até terceiro grau.

Após a conclusão da análise do texto-base, os deputados ainda aprovaram um destaque que aumenta o tempo de cumprimento de pena em regime fechado para que condenados por crime hediondo, prática da tortura, tráfico de drogas e terrorismo possam migrar para outro regime. Atualmente, a legislação prevê o cumprimento de 2/5 da pena em regime fechado se o preso for réu primário e de 3/5 se for reincidente. O projeto propõe que, no caso de réu primário, a pena precisa ser cumprida, pelo menos, até a metade. Se for reincidente, teria de cumprir 2/3.



Denarc de Natal em apoio à Polícia Civil do Rio de Janeiro prendem “matador de policial” na Serra de São Bento

Carlos André da Conceição, também conhecido por Mãozinha, 35 anos

Policiais civis da Delegacia Especializada em Narcóticos (Denarc) em apoio a 41ª Delegacia de Polícia do estado do Rio de Janeiro juntamente a Polícia Militar da cidade de Serra de São Bento prenderam, nesta terça-feira (05), Carlos André da Conceição, vulgo “mãozinha”, 35 anos. Ele foi preso, na cidade de Serra de São Bento, em cumprimento a dois mandados de prisão.

Mãozinha é suspeito de ter participação direta da morte de dois policiais, um policial civil e um policial militar, e é investigado pelo homicídio de outros 05 policiais. O crime mais recente ocorreu no dia 11 de agosto deste ano, após a data mãozinha empreendeu fuga do estado do Rio de Janeiro para o estado do Rio Grande do Norte, mais precisamente para a cidade de Serra de São Bento onde a sua esposa possui familiares. Ele estava sendo procurado pela Polícia Civil do Rio de Janeiro e tinha uma recompensa de R$ 50.000 reais.

O policial civil Bruno Guimarães Buhler, conhecido como Bruno Xingu, foi a vítima de mãozinha no crime ocorrido no dia 11 de agosto, véspera do dia dos pais. Ele foi atingido durante um confronto em uma operação da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core) na comunidade do Jacarezinho do estado do Rio de Janeiro. As investigações apontam que Mãozinha era um dos líderes do tráfico de drogas na região, ele atuava embalando drogas para a venda.

Desde a última quinta-feira as equipes policiais estavam em diligências procurando Mãozinha, culminando em sua prisão nesta terça-feira sendo dado o cumprimento dos dois mandados de prisão em aberto contra o seu nome. Ele foi conduzido ao estado do Rio Janeiro onde será encaminhado ao Sistema Prisional para ficar à disposição da Justiça.

Confira entrevista com “Mãozinha” e saiba mais sobre a prisão:



Liberada convocação de policiais da reserva para reforço na Segurança do RN

Governo do Estado convoca policiais da reserva – (Foto: Adriano Abreu/Tribuna do Norte)

Da Tribuna do Norte – O Governo do Estado regulamentou, através de decreto, a possibilidade de convocação de policiais militares da reserva remunerada para atuarem na segurança. Pela publicação desta terça-feira (28), o Governo poderá ter um reforço de até 3.366 policiais para atuarem em diversas áreas.

O decreto publicado pelo Governo regulamenta lei aprovada em 24 de janeiro deste ano, no momento da rebelião em Alcaçuz e clamor da sociedade por mais ações de segurança. O projeto aprovado prevê que os policiais militares da reserva convocados podem ter até 59 anos no ato da designação, além de estarem na reserva a até cinco anos.

As atividades realizadas pelos policiais serão administrativas e burocráticas, fazendo com que os policiais da ativa deixem de desempenhar essas funções e sigam para as ruas. Porém, também está previsto que os reservistas façam policiamento ostensivo nas ruas, ações especiais e de assessoramento, inclusive no Centro Integrado de Operações de Segurança Pública (Ciosp).

Continue lendo



OBVIO aponta que 92% dos policiais e agentes de segurança mortos não estavam de serviço

Policiais mortos estavam, na grande maioria, fora do horário de trabalho Foto Magno Nascimento Tribuna do Norte
Policiais mortos estavam, na grande maioria, fora do horário de trabalho – Foto: (Magnus Nascimento/ Tribuna do Norte)

Da Tribuna do Norte – A maioria dos policiais ou agentes de segurança mortos entre 2012 e 2017 no Rio Grande do Norte foram executados fora do horário de serviço. É o que aponta levantamento do Observatório da Violência Letal Intencional do Rio Grande do Norte (Obvio). De janeiro de 2012 até esta terça-feira (21), 65 policiais foram mortos no estado.

Pelo levantamento do Obvio, 32 policiais foram mortos fora de serviço ao reagirem a alguma ação de violência, o que representa 49% dos casos. Outros 28, o correspondente a 43%, foram assassinados fora do horário de serviço na corporação, mas durante atuação como seguranças. Pelo levantamento, de 2012 a 2017, cinco policiais foram mortos em serviço.

No estudo feito pelo Obvio, no entanto, é ponderado que as vítimas que estavam fora de serviço, ou mesmo aos que reagiram enquanto estavam à paisana, podem ter sido vitimados por serem policiais, o que indiretamente se liga às suas profissões e aos riscos delas decorrentes.

“Ao mesmo tempo, importa mostrar que, em serviço, o agente é extremamente menos vitimado e, consideravelmente, mais protegido”, diz o levantamento do Obvio.

Principais vítimas

Dos 65 mortos entre 2012 e 2017, 47 são policiais militares, o que corresponde a 72,3% das vítimas. Policiais civis executados foram 8 no período (12,3%), enquanto agentes penitenciários e guardas civis correspondem a 7,7% cada, com cinco mortes em cada categoria.

Em 2017, 9 agentes de segurança foram mortos em circunstâncias diversas e que estão sob investigação. Contudo, o levantamento do Obvio aponta para necessidade de valorização das carreiras.

“O fato de parte significativa dos agentes estarem sendo vitimados em espaços fora do âmbito de seu labor e, consequentemente, muitas vezes em atividade ‘extra-remuneratória’, aponta para a necessidade de se pensar a valorização profissional dessas categorias e, obviamente, sua própria segurança”, disse o relatório.



NOTA: SINPOL-RN pede que policiais fiquem em alerta para possível onda de ataques

O SINPOL-RN pede a todos os policiais civis que fiquem em alerta para uma possível onda de ataques por parte de bandidos. Isso porque existem informações vinda de presídios dando conta de um salve geral dos presos no Rio Grande do Norte e em outros estados.

“Inclusive, a penitenciária de Alcaçuz já está com os presos rebelados e outras unidades estão em tensão. Pedimos que os colegas fiquem com atenção redobrada, estando de serviço ou de folga”, afirma Paulo César de Macedo, presidente do SINPOL-RN.