“Não tenho mais estrutura”, diz médica de acompanhou criança que morreu no Hospital do Seridó

A médica pediatra, Jane Cristina Medeiros, que atendeu o garoto Rian Túlio de Medeiros Bezerra, de 6 anos, que morreu na manhã desta quarta-feira (03), no Hospital do Seridó, com complicações respiratórias, usou as redes sociais para fazer uma desabafo.

Ela afirma:

“Eu era a médica do bebê de 6 anos que morreu hoje. Nem sei se a mãe dele irá ver isso. Não tive coragem de ir ao velório. Nem gostaria de vê-la nesse momento porque não iria conseguir. Mas gostaria de pedir desculpas. Por não ter sido capaz de curar seu filho. Por não conseguir uma vaga pra ele em uma UTI pediátrica quando ele precisou. Por ser somente uma pediatra do interior e não uma super-heroína como vemos na TV, onde o médico sabe fazer absolutamente tudo. Desculpa mesmo. Sei que isso não é suficiente e não consegui dizer isso pessoalmente a você porque eu iria chorar. E detesto chorar na frente das pessoas porque minhas lágrimas são só minhas. E ninguém tem nada a ver com isso. E sei que o face não é lugar pra isso, mas não tenho com quem falar e gostaria de expressar em palavras o meu pesar. Sei que meu pesar jamais se comparará ao seu. Mas gostaria de expressá-lo para que talvez eu consiga me perdoar de não ter conseguido. E prosseguir tentando confiar que nada acontece nessa terra sem o conhecimento de Deus. Só não queria ter sido o instrumento para acompanhar a realização da Sua vontade. Que o senhor e nossos irmãos desencarnados deem forças a essa mãe e esse pai. Acho que não consigo mais lidar com crianças com doenças graves. Não tenho mais estrutura”.



Com complicações respiratórias, criança morre no Hospital do Seridó em Caicó

Criança morre com complicações respiratórias no Hospital do Seridó em Caicó

Na manhã desta quarta-feira (03), morreu em um dos leitos do Hospital do Seridó, o garoto Rian Túlio de Medeiros Bezerra, de 6 anos. Ele era natural de Caicó e tinha Síndrome de Down. Sua morte, segundo apurado na unidade de saúde, foi em decorrência de insuficiência respiratória.

O garoto deu entrada no Hospital há cerca de 7 dias com sinais de gripe e o quadro de saúde se agravou. Nos últimos dias, ele precisava ser encaminhado para uma Unidade de Terapia Intensiva, mas, os médicos não conseguiram, nem em Natal, nem em Mossoró, nem em Patos. Na manhã desta quarta, ele morreu.

O Hospital do Seridó, ainda não tem um diretor administrativo nomeado pela Prefeitura que é a instituição responsável pela unidade. Assim, não se tem a quem recorrer para saber de como está funcionando a referida casa de saúde.

Na semana passada, duas crianças foram encaminhadas para Natal com complicações respiratórias, sendo que uma delas passou 9 horas dentro de uma ambulância do Samu esperando para ser removida para Natal. Se no Hospital existisse uma UTI para recebê-lo, nada disso teria acontecido.