Transposição do São Francisco: “Se o povo não estiver organizado e houver cobrança, essas coisas não acontecem”

Dom Antônio Carlos Cruz concedeu entrevista na Rádio Caicó – (FOTO: Sidney Silva)

O Bispo da Diocese de Caicó, Dom Antônio Carlos Cruz, recebeu a reportagem da Rádio Caicó esta semana para uma entrevista. Entre os assuntos abordados, ele falou também sobre às obras da transposição de águas do Rio São Francisco para o Rio Grande do Norte pelo chamado Eixo Norte. Há algumas semanas, Dom Antônio Carlos, juntamente com o arcebispo de Natal, Dom Jaime Vieira Rocha e o bispo de Mossoró, Dom Mariano Manzana, estiveram em Brasília e em uma das reuniões que participaram, ocorrida no Ministério da Integração Nacional, tratou-se do assunto.

No áudio que se pode ouvir a baixo, Dom Antônio fala em esperança por parte do povo nordestino que aguarda pela transposição e destaca que ficou sabendo do corte de cerca de 20 milhões de reais do orçamento previsto para a Barragem de Oiticica localizada na zona rural de Jucurutu. Por outro lado, o Ministro teria garantido que a transposição para o Rio Grande do Norte, será concluída no final de 2017.

Ouça o áudio de Dom Antônio Carlos Cruz, bispo de Caicó:

 

Em Brasília, deputados do RN discutem obras de transposição do São Francisco

Em Brasília, deputados do RN discutem obras de transposição do São Francisco – (Foto: Vinícius Ehlers)

A Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte participou, nesta quarta-feira (5), de audiência pública no Senado Federal que discutiu o andamento das obras de transposição do Rio São Francisco. Representando o Parlamento potiguar, Fernando Mineiro (PT) e Gustavo Fernandes (PMDB) participaram da discussão que foi proposta pela senadora Fátima Bezerra, na comissão de Desenvolvimento Regional do Senado. No encontro, os parlamentares encaminharam ao ministro da Integração Nacional, Hélder Barbalho, a “Carta de Natal”, documento que foi produzido no Rio Grande do Norte e que mostra intenções da região para a transposição.

No encontro, os parlamentares potiguares levaram ao ministro um documento elaborado em reunião ba Assembleia Legislativa, em 22 de março, onde potiguares e representantes de Paraíba e Ceará discutiram a transposição. Já na audiência no Senado, os participantes questionaram o cronograma de andamento dos trechos que beneficiarão o Rio Grande do Norte, que integram o Eixo Norte do projeto e dependem ainda da elaboração de projetos específicos. Para Fernando Mineiro (PT), é preciso uma união dos parlamentares e da sociedade para que os projetos e os recursos sejam garantidos.

Segundo Mineiro, a previsão é que as águas da transposição cheguem ao Rio Grande do Norte pelos rios Piranhas-Assú e Apodi-Mossoró. Contudo, para que as águas cheguem ao rio, é preciso que, paralelamente à retomada das obras do Eixo Norte, seja construído um canal ou feito o desassoreamento da área entre a Barragem Caiçara e o Açude Engenheiro Ávidos, na Paraíba.

Continue lendo

Rio São Francisco: MPF/PB recomenda adoção de providências na execução de obras no eixo leste

Obras do Eixo Leste da Transposição na Paraíba na mira do Ministério Público Federal

O Ministério Público Federal em Monteiro (MPF/PB) recomendou à empresa e órgãos responsáveis por obras no eixo leste da transposição do rio São Francisco na Paraíba que adotem providências ambientais e estruturais para a correta e eficiente execução dos trabalhos.

A Secretaria de Recursos Hídricos, do Meio Ambiente e da Ciência e Tecnologia do Estado da Paraíba; a Agência Nacional de Águas (Ana); a Agência Executiva de Gestão das Águas (Aesa/PB); o Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (Dnocs); o Ministério da Integração Nacional; além da empresa PB Construções LTDA têm dez dias para se manifestarem acerca do acatamento, ou não, dos termos da recomendação, que dá ciência e constitui em mora os destinatários quanto às providências solicitadas e poderá implicar a adoção de todas as providências judiciais cabíveis, em sua máxima extensão, em face da violação dos dispositivos legais.

O MPF acha razoável que a empresa PB Construções só comece a fazer a obra do “rasgo” no açude de Poções quando provar tecnicamente que pode realizar os trabalhos sem causar danos.

Continue lendo