TIM, Claro e Telefônica fazem oferta por negócio móvel da Oi

Oferta foi feita de forma conjunta – (Foto: Marcello Casal Jr./ABr)

As empresas TIM, Claro e Telefônica Brasil fizeram uma oferta conjunta para a compra do negócio móvel da Oi, que se encontra em recuperação judicial.

A proposta foi confirmada em fato relevante comunicado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) pelas quatro maiores companhias que ofertam o serviço de telefonia celular no Brasil. O valor do negócio não foi informado.

A oferta é vinculante, ou seja, está sujeita a determinadas condições, inclusive a de garantir que TIM, Claro e Telefônica tenham o direito, como primeiras proponentes (ou “stalking horse”, no jargão do mercado), de cobrir outras propostas melhores, caso surjam.

Em seu comunicado, divulgado neste sábado (18), a Oi disse que a oferta confirma “o interesse do mercado no seu negócio móvel”.

A empresa disse que pretende focar sua atuação como provedora de infraestrutura de telecomunicações, incluindo a massificação da fibra ótica e internet de alta velocidade, e no fornecimento de soluções.


TIM e Telefônica (dona da Vivo) negociam compra da Oi Móvel

Oi móvel pode ser vendida para TIM e Telefônica Brasil

A Telefônica Brasil, dona da Vivo, e a TIM anunciaram na noite desta terça-feira (10) que iniciaram negociações para comprar a rede móvel da operadora Oi. O comunicado foi feito pela Telefônica aos acionistas das duas companhias e ao Bank of America Merrill Lynch, assessor financeiro do Grupo Oi, que está em recuperação judicial.

A transação, se concretizada, criará valor para nossos acionistas e clientes através de maior crescimento, geração de eficiências operacionais e melhorias na qualidade do serviço. Além disso, contribuirá para o desenvolvimento e competitividade do setor de telecomunicações brasileiro“, diz nota enviada à imprensa.

Em recuperação judicial desde 2016, a Oi companhia ainda enfrenta prejuízos e chegou a contratar assessores financeiros para avaliar a operação de telefonia móvel, segundo o jornal “Valor Econômico”.

O processo de recuperação judicial da Oi envolve um total de R$ 65,4 bilhões em dívidas.

No início do ano, a empresa de telecom brasileira vendeu sua fatia de participação na operadora africana Africatel para petrolífera angolana Sonangol por US$ 1 bilhão.

Em relatório divulgado no início de janeiro, analistas do Bradesco BBI traçaram um cenário mais positivo para a companhia, com a expectativa de captações que somariam cerca de R$ 8 bilhões. A conta incluía a perspectiva do negócio angolano, além de um empréstimo-ponte de R$ 2,5 bilhões.

*G1