Please enter banners and links.


PM morto por policiais do RN na PB se identificou antes de receber disparos, dizem testemunhas

Os três policiais militares do Rio Grande do Norte responsáveis pela morte do cabo Edmo Lima Tavares, de 36 anos, da Polícia Militar da Paraíba, podem ser indiciados por homicídio doloso caso a versão apresentada pelas testemunhas ouvidas pelos investigadores se comprove.

Ao todo, cerca de 12 pessoas já foram ouvidas pela Delegacia Seccional de Solânea, da Paraíba, que está responsável pela investigação do caso.

Diferente da versão apresentada pelos policiais militares potiguares em seu depoimento original, as pessoas que presenciaram a cena afirmam que Edmo não foi o primeiro a atirar no confronto, e teria gritado diversas vezes que era policial para os PMs, que mesmo assim atiraram contra ele quatro vezes.

*Leia a notícia completa aqui



Caso F. Gomes: Juíza nega pedido para mostrar em plenário vídeos de depoimentos de testemunhas que serão ouvidas no júri

A juíza, Eliana Alves Marinho, negou nesta segunda-feira (09), o pedido feito por Rivaldo Dantas de Farias, um dos réus no processo da morte do radialista, F. Gomes, advogando em causa própria, para serem exibidos, os vídeos dos depoimentos prestados por Lailson Lopes, Maria da Penha Batista de Araújo e Luiz da Anunciação, antes da oitiva das mesmas em plenário no Fórum Miguel Seabra Fagundes, nesta terça (10).

Somente poderá haver reprodução de peças probatórias (leitura de peças, exibição de vídeos, etc.) que se refiram, exclusivamente, às provas colhidas por carta precatória e às provas cautelares, antecipadas ou não repetíveis. Entende-se por provas não repetíveis aquelas que não podem ser novamente coletadas ou produzidas, em virtude do desaparecimento, destruição ou perecimento da fonte probatória. No caso, os vídeos dos depoimentos das testemunhas a serem reproduzidos não se enquadram na norma mencionada. As testemunhas/declarantes Lailson Lopes e Maria da Penha Batista de Araújo foram intimadas a comparecer ao julgamento aprazado para o dia 10-09-19, ocasião em que poderão ser inquiridas pelas partes e no que tange a pessoa de Luiz da Anunciação, não foi ela sequer arrolada pela defesa“, destaca a magistrada.



DHPP prende suspeito de corromper testemunhas de assassinato

Policiais Civis da Divisão Especializada em Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) prenderam, nesta quarta-feira (28), Tarcísio José Ribeiro de Lara Andrade Júnior, em cumprimento a um mandado de prisão preventiva. Segundo investigações da Divisão, Tarcísio junto com seu irmão Antônio Ribeiro de Andrade Neto, teriam corrompido testemunhas que atualmente estão presas no presídio de Alcaçuz, para que elas mentissem no inquérito policial que apura os executores da morte do hoteleiro Ademar Miranda Neto, de 58 anos, em 7 de Junho de 2016. Os irmãos Tarcísio e Antônio foram indiciados por Corrupção de Testemunhas.

Relembre o caso:

Em 7 de Junho de 2016, o hoteleiro Ademar Miranda Neto, de 58 anos, foi morto a tiros na avenida Engenheiro Roberto Freire, no bairro de Ponta Negra, quando dois homens que estavam em uma motocicleta efetuaram disparos de arma de fogo contra ele. Pelo crime, a Polícia indiciou Martha Renatta Borsatto, ex-mulher de Ademar, como mentora intelectual do homicídio, e Antônio Ribeiro Neto, até então namorado de Martha Renatta.



DHPP pede ajuda à população para localizar suspeitos e testemunhas de homicídio ocorrido em Ponta Negra

A Divisão de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP) está divulgando um vídeo e imagens com suspeitos e testemunhas do homicídio de Carlos Wendell, conhecido como “Carlinhos”. Ele foi morto no dia 07 de fevereiro deste ano, por volta das 15:00 hs, em sua residência, localizada à rua da Floresta, número 80, Vila de Ponta Negra, em Natal.

A DHPP pede ajuda da população para identificar e localizar três homens que aparecem nas imagens, dois deles são apontados como suspeitos. Além disto, a Especializada também precisa identificar o motorista do táxi (TX352), modelo Corsa Classic de cor branca que também aparece no vídeo. Todas as informações sobre as pessoas podem ser repassadas de forma anônima para o Disque-Denúncia 181 ou para o telefone 3232-1195. Todas os dados têm garantia de sigilo absoluto.