Uruguai aposta em medalhões para manter hegemonia na Copa América

Uruguai chega com fome de vitórias na Copa América

Maior vencedor da Copa América com 15 conquistas, o Uruguai chega ao Brasil com fome de título. A última vez que levantou o troféu da competição foi em 2011. Desde então, o momento de maior destaque foi quando chegou às quartas de final da Copa do Mundo, no ano passado, quando acabou eliminado pela França, que viria a ser a campeã.

O Uruguai está no grupo C, com Equador, Japão e Chile, adversário considerado mais difícil da primeira fase. Da última vez que disputou a Copa América no Brasil, os uruguaios voltaram para casa com o vice-campeonato. No quadrangular final, a seleção brasileira bateu a Argentina e Paraguai. No jogo que valia o título, diante dos carrascos da Copa de 50, Romário marcou o único gol do de cabeça e fez a festa de mais de 130 mil torcedores que foram ao Maracanã.

No último amistoso antes da Copa América, o Uruguai bateu o Panamá, em Montevidéu. Sem dificuldades, venceu por três a zero, com gols de Maxi González, Suárez e Valverde. A estreia uruguaia na competição será contra o Equador, em 16 de junho, às sete da noite, horário de Brasília, no Mineirão. No dia 20, enfrenta o Japão, na Arena do Grêmio, e encerra a fase de grupos diante do Chile, quatro dias depois, no Maracanã.



Esperança celeste, Suárez tenta levar Uruguai ao tri mundial

Luis Suárez é esperança da seleção uruguaia

Favorito para a liderança do Grupo 1, o Uruguai chega a Copa do Mundo da Rússia apostando na mescla entre jogadores jovens e veteranos. Na última edição, em 2014, a seleção celeste caiu diante da Colômbia, sendo eliminada nas oitavas de final.

Ao todo, a seleção uruguaia acumula 12 participações em Copas do Mundo. E logo na primeira edição, em 1930, o país levantou em casa o primeiro título mundial. O segundo veio duas décadas depois, de forma dolorosa para os brasileiros. Em 1950, Ghiggia foi o herói do bicampeonato e marcou o gol da vitória contra o Brasil, no episódio que ficou conhecido como Maracanaço. Depois dos dois títulos, os uruguaios passaram um bom tempo sem chegar a fases decisivas da Copa.

Continue lendo