Terceiro envolvido em vazamento de vídeo de Cristiano Araújo é indiciado

Cantor Cristiano Araújo morreu vítima de acidente automobilístico
Cantor Cristiano Araújo morreu vítima de acidente automobilístico

Um terceiro envolvido no vazamento de vídeos e fotos com o corpo do cantor Cristiano Araújo foi indiciado nesta sexta-feira (26). Leandro Almeida Martins recebeu os vídeos feitos por Márcia Valéria dos Santos Louzado e repassou para outras pessoas, fazendo com que as imagens se disseminassem pelas redes sociais. Leandro foi à 4ª Delegacia de Goiânia hoje acompanhado pelo advogado.

“Ele confirmou ter mandado o vídeo para duas tias dele, mas acreditamos que ele tenha enviado para mais pessoas”, afirmou o delegado Eli de Oliveira ao Ego. Leandro vai responder pelo artigo 212 do código penal por vilipendiar cadáver. A pena é de um a três anos de prisão. “Ele está arrependido e muito chateado. Ele não aparenta ser malandro, faz faculdade de enfermagem, nunca pensou que pudesse estar em uma situação dessa”.

Márcia foi indiciada com o técnico Marco Antônio Ramos, de 41 anos, que viu, mas não impediu a enfermeira de fazer as imagens durante a preparação do corpo e ainda teria “ajeitado” o cenário para a mulher filmar.

Segundo informou o Estadão Conteúdo, a Clínica Oeste divulgou duas notas informando a demissão por justa causa dos dois técnicos. Segundo a assessoria de imprensa, os funcionários da empresa assinam um termo de compromisso que informa a proibição de qualquer fotografia ou gravação de procedimentos de preparação de corpos e que isso seja “principalmente divulgado”.

A clínica destacou que repudia a atitude mórbida dos dois funcionários e se solidarizou com fãs e familiares. Os envolvidos responderão por vilipêndio de cadáver, crime previsto no artigo 212 do Código Penal e podem ser condenados a penas que vão de um a três anos de prisão, além do pagamento de multa.

“A polícia nem esperou a formulação de denúncia, iniciando a investigação como ação pública incondicionada”, destacou o delegado. Para a polícia, não procedem os boatos de que as imagens tinham sido colhidas em um órgão público, o Instituto Médico Legal (IML) de Goiânia.

Familiares do cantor também devem reforçar a punição e cessar a divulgação das fotos e vídeo, como já divulgado pelos advogados de Cristiano Araújo. O delegado disse nesta sexta-feira, 26, que o inquérito está praticamente concluído, mas pessoas que compartilharam as imagens também poderão ser indiciadas.

“Se as pessoas assistiram e viram que era uma situação humilhante, desprezível, e, mesmo assim compartilharam, também concorreram à prática de crime”, declarou Oliveira.