Violas no Nordeste encerra o ciclo de apresentações do Sonora Brasil em três cidades potiguares

O projeto Sonora Brasil chega ao final da temporada 2016. Com a temática Violas no Nordeste, os músicos Eduardo Buarque (PE), Raullino Silva (RN) e Cássio Nobre (MA) sobem ao palco em três apresentações para mostrar a síntese da presença da viola no nordeste.

As apresentações começam por Mossoró, na quinta (27), a partir das 19h, no auditório do Sesc. Na sexta-feira (28) o trio segue para Caicó, para mostrar seu talento na Concha Acústica do Sesc, e no sábado (29), a partir das 19h, no auditório do Sesc Cidade Alta em Natal.

A viola no nordeste pode ser encontrada em sua forma mais tradicional, como se apresenta corriqueiramente na região Sudeste, mas também em variantes típicas da região, como a utilizada por repentistas, que possui um sistema acústico que melhora a projeção do som, e a machete, característica da região do Recôncavo Baiano.

Sobre os músicos

Eduardo Buarque, pernambucano de Recife, violeiro e compositor, discípulo do mestre Adelmo Arcoverde do Conservatório Pernambucano de Música, desenvolve o projeto Meia Quadra, diálogos da viola com os instrumentos da tradição instrumental do Nordeste.

Raullino Silva, potiguar de Antônio Martins, radicado em Pernambuco, é repentista profissional desde os 19 anos de idade e acumula participações centenas de competições. Em 2005 foi vencedor do 1º Festival Internacional de Trovadores e Repentistas, em Quixadá, ao lado do poeta João Paraibano.

Cássio Nobre, maranhense, radicado em Salvador (BA), compositor, violeiro e pesquisador do samba de roda do Recôncavo Baiano e em especial da viola machete. Suas pesquisas revelam as transformações da prática musical tradicional da na atualidade.

Sobre o Sonora Brasil

O Projeto Sonora Brasil é uma das mais importantes ações de difusão da cultura musical brasileira e o maior projeto brasileiro de circulação de espetáculos musicais. São escolhidos bianualmente dois temas relevantes para o resgate da cultura musical do país, sendo quatro grupos por temática. Esses grupos circulam com seu concerto por dois anos, percorrendo todos os estados do Brasil e realizando cerca de cem apresentações.

Todas as apresentações são acústicas e tem como enfoque o desenvolvimento da cultura musical brasileira em todos os seus aspectos, do popular, ao regional, histórico e erudito.

Em sua 18ª edição, o projeto apresentou os temas Sonoros Ofícios — cantos de trabalho e Violas brasileiras, desenvolvidos no biênio 2015-2016, com a participação de quatro grupos em cada tema.