Coopmed relata crise na saúde do RN e requer mediação a Ezequiel Ferreira

A ausência de pagamento dos serviços de alta e média complexidade por parte do Governo do Estado, a carência nos insumos básicos nos hospitais e a falta de diálogo com a atual secretária estadual de Saúde, Eulália de Albuquerque Alves, foram os principais problemas relatados pelos dirigentes da Cooperativa Médica do RN (Coopmed-RN), nesta terça-feira (12) ao presidente da Assembleia Legislativa, deputado Ezequiel Ferreira de Souza (PSDB).

O relato da crise na saúde impressiona. Somos sabedores da crise financeira do Estado. Os Poderes tem auxiliado na busca de soluções, somente a Assembleia já soma R$ 13 milhões de déficit nos seus repasses devido a frustração de receitas do Estado. Mas Saúde é prioridade e é preciso uma solução para equacionar os problema do setor. Para isto vamos agilizar uma audiência dos dirigentes da Coopmed com o governador do Estado para se encontrar respostas para as demandas e abrir o diálogo da categoria com a secretária estadual de Saúde”, salienta Ezequiel Ferreira.

O médico e deputado Getúlio Rego (DEM), diante da gravidade do tema, fez a proposição para a criação de uma comissão parlamentar no setor da saúde para acompanhar as demandas desta crise que se instaurou no Estado. O deputado Hermano Morais (PMDB), presente na reunião, também prestou solidariedade e a apoio aos médicos.

A CoopMed possui 1.600 cooperados distribuídos em 36 especialidades. Os médicos atuam junto aos convênios, entre eles, a Unimed Federação, Unimed Mossoró, Unimed Macau e Caicó e os contratos com a Secretaria Municipal de Saúde e a Secretaria Estadual de Saúde.

A prestação dos serviços acontece nos hospitais particulares que atendem ao SUS e onde é possível realizar cirurgias e procedimentos de Alta e Média Complexidade proporcionando à população mais carente um serviço de excelência.

Só para se ter ideia do alcance deste atendimento, em 2015 foram 28 mil procedimentos do SUS nos nove hospitais conveniados, em 2016 a estimativa era de 36 mil procedimentos, mas há estimativa da demanda reprimida.